segunda-feira, 6 de abril de 2020

Beato Palau: a maldição da epidemia
se afasta com as bênçãos da Igreja!

Triunfo da morte, detalhe. Pieter Bruegel o Velho (1525-1530 – 1569) . Museu do Prado, Madri
Triunfo da morte, detalhe. Pieter Bruegel o Velho (1525-1530 – 1569).
Museu do Prado, Madri
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




O Bem-aventurado Francisco Palau O.C.D. enfrentou epidemias quase rotineiras que atingiram sua região natal, a Catalunha — onde exercia seu apostolado —, e inclusive sua capital, Barcelona.

Diversamente da falta de fé hodierna, o Beato – como, aliás, boa parte do clero – agia corajosamente no fulcro do drama para atender espiritualmente os doentes com Sacramentos, bênçãos, sacramentais, procissões, adorações e conselhos espirituais em igrejas, ruas, casas e hospitais.

Esse cumprimento heroico da ordem dada por Jesus Cristo aos Apóstolos de curar os doentes acabou apressando sua morte, acontecida no dia 20 de março de 1872 em Tarragona, extenuado em decorrência de seu intenso esforço e do contágio da febre amarela, que estava quase debelada.

“Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demô­nios. Recebestes de graça, de graça dai!” (São Mateus, 10, 8)




No ano de 1870, ele observou um fato singular: a epidemia popularmente denominada “febre amarela” voltara, só que com pouca intensidade e fazendo um número reduzido de vítimas numa cidade de industrialização acelerada, mas com serviços básicos insuficientes.

Nessa peste fraca, contudo, ele notou que um pânico desproporcionado tomou conta da população e alterou sua conduta.

O pânico transformou a imensa urbe “num deserto”, as carruagens sendo usadas apenas para a fuga dos indivíduos e seus pertences. O exército ocupava as ruas para impedir saques.

Quadro do Beato Francisco Palau em Congresso a ele dedicado no Vaticano.  Instituto Teresianum, novembro 2018
Quadro do Beato Francisco Palau em Congresso a ele dedicado
no Vaticano. Instituto Teresianum, novembro 2018
Quem tinha um sítio ou uma chácara corria para lá. Para os que não tinham o exército lhes reservara uma grande quantidade de barracas improvisadas montadas por ele nos morros em volta da cidade.

“O pânico, o terror, o temor, esses fantasmas expulsaram os habitantes de Barcelona. O que está acontecendo?” — perguntava o santo carmelitano.

“A epidemia se apresentou como um fantasma tão feio, aterrador e horrível que, de medo de serem pegos em suas garras, todos fogem”.

Entretanto, não havia “em Barcelona motivo para tanto susto”. Com o seu esvaziamento a epidemia provavelmente não se difundiria e o fantasma da guerra civil pendente se dissiparia pela falta de combatentes.

Visite nossas páginas de Quaresma, Semana Santa e Páscoa 
 † Veja e medite a VIA SACRA AQUI †

O Beato Palau continuou fiel ao seu ministério sacerdotal, atendendo os enfermos e assegurando o atendimento pastoral com Missas e cerimônias nas paróquias sempre abertas.

Mas a relativa calmaria permitiu-lhe refletir sobre o que acontecia.

“O que é a epidemia?” — perguntava-se.

“É a morte que chega por ordem da Justiça de Deus para castigar um país.

“Quem a acompanha? Por certo, não é um anjo de paz.

Beato Palau
“Não, é um anjo de trevas, exterminador. Ele vem trazendo tudo aquilo que serve para castigar, destruir, matar. E os demônios, quando têm permissão divina, fazem seu ofício às mil maravilhas.

“Deus os deixou neste mundo para que sirvam ante sua justiça como verdugos, instrumentos de ira, de anátema e de vingança. A morte vem com eles e eles vêm com a morte.

“Por isso — dizia ele —, convém que nos armemos para recebê-los com as armas na mão”.

E que armas são essas?

Ele explicava que são em primeiro lugar os sacramentais da Igreja bentos pelos sacerdotes, como a água benta, o sal bento, ou ainda a arruda (alecrim) também benta, queimando-a para que sua fumaça penetre na casa.

“Se a epidemia é uma maldição, a bênção impedirá que ela entre na casa. [...] Se nesta a maldição não couber, ela fugirá. É questão de fé! fé! fé! e armas”.

(“La peste en Barcelona” El Ermitaño, ano III, nº 98, 22 de setembro de 1870)

As armas sagradas contra a epidemia


Em 1870 ainda grassava a epidemia denominada tifo icteroide ou febre amarela, com alguns casos sendo atendidos nos hospitais, mas a cidade de Barcelona continuava deserta.

“Na verdade — comentava o Beato Palau, que vivia assistindo religiosamente aos doentes — não há motivo para tanto pânico e terror”.

Procissão da Irmandade penitencial do Cristo da Bona Morte, Zamora, Espanha
“Insistimos que esta epidemia não é senão o fogo da ira de Deus transmitido materialmente aos corpos humanos pelos agentes de sua justiça. [...]

“Falamos isto apoiados na fatal experiência”.

“Uma vez reconhecida sua verdadeira e única causa, são conhecidos seus remédios.

“Quando aplicados no momento adequado, eles são tão seguros e eficazes que não se deve temer a morte, inclusive em casos fulminantes”.

Ele falava em primeiro lugar dos remédios espirituais:

“A oração, a penitência, os atos de culto público, as procissões, as rogativas públicas. Por meio desses remédios, como lemos na história eclesiástica, a ira de Deus foi aplacada”.

Também recomendava as bênçãos ordenadas no Ritual Romano.

Como exemplo, cita a bênção da arruda (alecrim), planta que se usava para aspergir água benta:

Beato Palau: “Se a epidemia é uma maldição, a bênção impedirá que ela entre
É questão de fé! fé! fé! e armas sobrenaturais”.. Hoje ouvimos pregar o contrário.
Rogativas durante a epidemia de febre amarela em Barcelona, em 1914. Hoje as igrejas fecham.
Abençoai, Senhor Jesus Cristo, esta arruda (alecrim) e, por vossa caridade, derramai sobre ela a vossa bênção celestial; de modo que quem for aspergido com ela e a levar consigo, nenhum inimigo possa prejudicá-lo, e o diabo seja expulso de todo lugar onde ela seja posta, ou espalhada, fugindo dela o diabo aterrorizado.

Bem-aventurada sejas, arruda, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, para que sejas o extermínio dos demônios e de todos os seus companheiros.

Por Aquele que há de vir para julgar os vivos e os mortos, e o mundo pelo fogo. Amém

A aspersão da água benta pela casa toda, a oração do Santo Rosário pela família reunida são outras medidas de preservação muito seguras e eficazes.

Sobretudo quando se lhes acrescentam à frequência dos sacramentos, outras orações e a abstinência de tudo aquilo que desagrada a Deus.

O Beato Palau recomendava as práticas sanitárias da época, explicando que alguns podiam morrer por falta de fé, mas outros por desobediência às normas prudenciais.

Por falta de celeridade na prevenção, o auxílio médico agia demasiadamente tarde. Quando os enfermeiros chegavam, o mal já era incurável.

(Fonte: “Las profecias”, El Ermitaño, ano III, nº 101, 13 de outubro de 1870)

Cardeal Raymond Leo Burke
Cardeal Raymond Leo Burke

Nos tempos de epidemia do coronavírus, o Cardeal Raymond Burke lembrou muitos desses recursos espirituais contra a epidemia que continuam tendo plena vigência e utilidade.


De fato, no Missal Romano, há textos especiais na Missa Votiva pela Libertação da Morte em Tempo de Pestilência (Missae Votivae ad Diversa 23). Na tradicional Ladainha dos Santos, rezamos: “Da praga, da fome e da guerra, ó Senhor, livrai-nos”.

Nós, bispos e sacerdotes, precisamos reivindicar publicamente a necessidade para os católicos de orar e render culto em suas igrejas e capelas, e seguir em procissão pelas ruas e caminhos, pedindo a bênção de Deus para Seu povo que sofre tão intensamente. (...)

No passado, de fato, os governos entendiam, acima de tudo, a importância da fé, da oração e do culto do povo para vencer uma pestilência.

Muitas de nossas igrejas e capelas são muito grandes. Eles permitem que um grupo de fiéis se reúna para rezar e adorar sem violar os requisitos de “distância social”.

O confessionário com a tela tradicional é geralmente equipado com um véu fino, e se não houver poderá facilmente ser colocado, o qual pode ser tratado com desinfetante, para que o acesso ao Sacramento da Confissão seja possível sem grandes dificuldades nem o risco de transmissão do vírus. (...)

Que nosso lar, durante esse período de crise, reflita a verdade de que Cristo é o convidado de todo lar cristão.

Vamos nos voltar para Ele através da oração, especialmente o Rosário, e outras devoções. Se a imagem do Sagrado Coração de Jesus, juntamente com a imagem do Imaculado Coração de Maria, ainda não estiver entronizada em nossa casa, agora seria a hora de fazê-lo. (...)

Para aqueles que não podem ter acesso à Santa Missa e à Sagrada Comunhão, recomendo a prática devota da Comunhão Espiritual.

Regime que há anos está fechando as igrejas proibiu o abafamento do surto em tempo e puniu médicos
Regime que há anos está fechando as igrejas
proibiu o abafamento do surto em tempo e puniu médicos
Quando desejamos receber Nosso Senhor na Santa Comunhão, mas somos incapazes de fazê-lo, unamo-nos espiritualmente ao Santo Sacrifício da Missa, rezando a Nosso Senhor Eucarístico nas palavras de Santo Afonso Ligório: “Como agora não posso Vos receber sacramentalmente, vinde espiritualmente ao meu coração”. (...)

Ao mesmo tempo, se estivermos conscientes de ter cometido um pecado mortal e formos incapazes de ter acesso ao Sacramento da Penitência ou Confissão, a Igreja nos convida a fazer um ato de perfeita contrição, isto é, de pesar pelo pecado “quando procedente do amor de Deus, amado sobre todas as coisas”.

Um ato de perfeita contrição “obtém o perdão dos pecados mortais, se incluir o propósito firme de recorrer, logo que possível, à confissão sacramental” (Catecismo da Igreja Católica, nº 1452).

(...) a razão, inspirada pela fé, (...) deve dar prioridade à oração, à devoção e ao culto, à invocação da misericórdia de Deus sobre Seu povo que sofre tanto e está em perigo de morte. (...)

A Virgem Mãe de Deus, os Santos Arcanjos e Anjos da Guarda, São José, Verdadeiro Esposo da Virgem Maria e Padroeiro da Igreja Universal, São Roque, a quem invocamos em tempos de epidemia, e os outros santos e bem-aventurados, a quem nos voltamos regularmente em oração, estão ao nosso lado. (...)

(Fonte: « Mensagem do Cardeal Burke sobre o combate ao coronavírus », ABIM, 24 de março de 2020).


Um bom exemplo histórico, não imitado pelo clero progressista e nem pelo "ortodoxo"



continua no próximo post: Pe. Palau: Satanás age na epidemia porque está com os dias contados


5 comentários:

  1. Qué maravilla ver a nuestro querido Beato Palau luchando y triunfando contra el demonio y sus pestes e indicando qué hacer en casos de pandemia! Excelente el artículo que da gloria a Dios pues reconoce que todo es un castigo de Él misericordioso para que nos arrepintamos y volvamos a El!Delia

    ResponderExcluir
  2. " Vamos nos voltar para Ele através da oração, especialmente o Rosário, e outras devoções. Se a imagem do Sagrado Coração de Jesus, juntamente com a imagem do Imaculado Coração de Maria, ainda não estiver entronizada em nossa casa, agora seria a hora de fazê-lo. (...)Amem

    “Insistimos que esta epidemia não é senão o fogo da ira de Deus transmitido materialmente aos corpos humanos pelos agentes de sua justiça. [...]VERDADE !

    A EUROPA insiste em ignorar esta realidade .Apressa-se a pôr termo com medidas económicas compensatórias do descalabro económico .Portugal,Espanha e a ITÁLIA ,berço da ARCA da Aliança estão ao serviço de um "socialismo /comunismo "maçónico ,Judas Escariotes ,marxista,leninista ,estalinista ,bolchevista "chezs guevaras" ....Na Itália ,os servidores do Senhor oram ...em PORTUGAL e Espanha ,a Igreja estará em oração silenciosa -fechou-se ...esta epidemia não estaciona ...cada dia mais mortes ....
    A CHINA tem duas caras ....abominável como embarcam num samaritanismo satanizado ...
    Estamos sozinhos ...fica-se em casa a ver tv ...triste ...constrangedor ...assusta a ausência de espiritualidade ....Deus ,precisa-se urgentemente ....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida María estaba profetizado todo lo que pasa por Beata Ana María Taigi y otros santos. No falta mucho para el gran castigo que purificara la tierra y luego vendrá el TRIUNFO del Inmaculado Corazón de María y ahora estamos viviendo el comunismo difundido por todo el mundo y hay que hacer penitencia y rezar el rosario todos los días. Si supiera la feroz persecución que estamos soportando indignados los católicos argentinos! Aca hay muchas adoraciones eucaristicas que continuan sostenidas por los adoradores porque los padres no quieren! La Iglesia catolica argentina se ha convertido en la 'iglesia patriotica comunista' china: onedecen al gobierno y nada les importa de sus ovejas desorientadas y hambrientas de Jesús sacramentado. Se han hecho petitorios respetuosos cuidabdo la distancia de 2 metros entre fiel y fiel, trecursos de amparo ante la justicia civil de Abogados Católicos y NADA! Pero confiamos y rezamos a la Virgen de Fátima que por fin TRIUNFARA!

      Excluir
  3. Al día de hoyla situación de los católicos abandonados por sus pastores en Buenos Aires empeoró: el arzobispado ofrece los templos para albergues de ancianos enfermos y están llenos de camas los bancos y reclinatorios corridos y los fieles impedidos de entrar siquiera a rezar! Dios castigará a esos malos pastores y sin duda protegerá a sus fieles que desean honrarlo en sus iglesias

    ResponderExcluir
  4. O clero católico brasileiro está fazendo justamente o contrário do que deveria fazer neste momento de temor do coronavírus, cessando toda a ação religiosa pública.

    ResponderExcluir