segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Imaculada Conceição: amar esse privilégio exclusivo de Nossa Senhora


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Quanto mais nós admiramos uma pessoa, mais nós devemos amá-la.

E quanto mais nós a amamos, mais nós devemos ser propensos a admirar as qualidades que Ela tem.

Por causa disso, nos veneramos Nossa Senhora como Mãe ao mesmo tempo sumamente amável e sumamente admirável.

Nossa Senhora aparece fazendo-se admirar pelo título que Ela proclama.

Ela disse a Santa Bernadette Soubirous: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Quer dizer, uma criatura que está numa condição inteiramente superior a todas as outras.

Porque concebida sem pecado original e gozando de uma predileção toda especial de Deus.

De outro lado, Ela pratica milagres dos mais estupendos, numa continuidade e numa importância sem igual história da igreja. E isto é porque Ela quer.

Então Ela se apresenta muito à nossa admiração.

Mas, de outro lado, Ela se apresenta ao nosso amor pela sua caridade, pela sua bondade, pelo interesse na nossa salvação eterna, e pela felicidade dos homens na vida terrena.

Há aí, portanto, esses dois qualificativos que se unem. Aquilo que um falso espírito seudo-democrático e pagão gostaria de separar.

E o princípio de autoridade, na sua mais alta expressão.

Os privilégios d’Ela na sua mais alta categoria e realização não afastam do amor, mas pelo contrário convidam ao amor.

A devoção a Nossa Senhora nos comunica este amor à hierarquia sublime, à desigualdade harmônica.

Ela nos dá indiretamente uma lição de anti-igualitarismo.

Quer dizer, uma lição do oposto do mal que corre pelo mundo em forma de Revolução imoral que ataca a família e a sociedade.

E isso explica episódios de um heroísmo inimaginável em episódios da Idade Média, sobre tudo em combates de cavaleiros cristãos contra invasores representantes do Islã, religião que oferece as mais abomináveis impurezas como prêmio eterno!


(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, 7/2/65, sem revisão do autor)


domingo, 15 de novembro de 2015

Rezemos por Paris
'A Aparição de La Salette' e a tragédia da cidade de São Luís rei




O comunicado do Estado Islâmico assumindo o assassinato em Paris de mais de cem cidadãos, junto com o ferimento de outros trezentos desarmados, indefesos e incapacitados de se protegerem apresenta fanfarronamente os crimes como um dano feito aos “cruzados”.

“Allah foi até eles lá onde eles menos o aguardavam e lançou o terror em seus corações”, inicia o comunicado citando o Corão (59,2).

E prossegue: “um grupo crentes soldados do Califado visou como alvo a capital das abominações e da perversão, aquela que porta a bandeira da Cruz na Europa, Paris”.

“Um grupo avançou rumo ao inimigo, procurando a morte na trilha de Allah, socorrendo a religião, seu profeta e seus aliados, querendo humilhar seus inimigos. Pela sua mão, Allah semeou o pânico no coração dos cruzados em sua própria terra”.

“Oito irmãos levando cintos com explosivos e fuzis de assalto atacaram locais minuciosamente escolhidos previamente no coração da capital francesa (...) durante o jogo de dois países cruzados (...) O balanço de seus ataques é de no mínimo 200 cruzados mortos e ainda mais feridos, que o louvor e o mérito pertença à Allah”.

E no último parágrafo: “A França e aqueles que acompanham sua via devem saber que ficam como os principais alvos do Estado Islâmico e que eles continuarão a cheirar o odor da morte porque assumiram a liderança da Cruzada, porque ousaram insultar nosso profeta, porque se ufanam de combater o Islã e atacar os muçulmanos em terra do Califado”.

O comunicado encerra citando ainda o Corão que trata os cristãos de “hipócritas” (versículo 63,8).  Cfr Communiqué sur l'attaque bénie de Paris contre la France croisée

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Sóror Catarina de Jesus O.P.: equilíbrio entre a Justiça e a Misericórdia de Deus

Capela com a urna dos restos de Sóror Catalina Jesús Herrera OP (1717-1795), no mosteiro de Santa Catalina em Quito.
Capela com a urna dos restos de Sóror Catalina Jesús Herrera,
no mosteiro de Santa Catalina em Quito.




No post anterior – Sóror Catarina de Jesus O.P.: “maus sacerdotes, religiosos e religiosas são causa de toda a perdição do mundo” – reproduzimos trechos de uma visão dessa santa religiosa equatoriana que concordam notavelmente com palavras de Nossa Senhora em La Salette.

A Venerável Serva de Deus Soror Catarina Jesus María Herrera Campusano O.P. (1717-1795) nasceu em Guayaquil, Equador, em 22 de agosto de 1717 e faleceu em Quito no dia 29 de setembro de 1795.

Ela foi religiosa do Mosteiro de Santa Catarina de Quito onde ficou célebre por suas virtudes e dons místicos, suas visões e milagres atribuídos. Mas ela não é muito conhecida no Brasil.

Por isso apresentamos o artigo seguinte que nos fornece dados complementares da vida e dos favores místicos com que foi agraciada uma tão bela e venerável alma.


Uma religiosa nos fala através dos séculos


A Justiça é uma das virtudes mais esquecidas no mundo atual. Que Deus é misericordioso, todos concordam avidamente, mesmo porque têm razões pessoais para necessitar de misericórdia.

Entretanto, Deus é também justo e pune aqueles que abusam de sua misericórdia, e isso não se quer reconhecer.

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Sóror Catarina de Jesus O.P.: “maus sacerdotes, religiosos e religiosas são causa de toda a perdição do mundo”

Soror Catarina de Jesus Herrera Campusano OP  (1717-1795). Quadro exposto em seu mosteiro.
Soror Catarina de Jesus Herrera Campusano OP  (1717-1795).
Quadro exposto em seu mosteiro.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








A Venerável Serva de Deus Soror Catarina Jesus María Herrera Campusano O.P. (1717-1795) nasceu em Guayaquil, Equador, em 22 de agosto de 1717 e faleceu em Quito no dia 29 de setembro de 1795.

Ela foi religiosa do Mosteiro de Santa Catarina de Quito onde ficou célebre por suas virtudes e dons místicos, suas visões e milagres atribuídos.

Entre esses se contam os obtidos mediante o chamado “banco da fertilidade”, que pertenceu à religiosa, e onde as mulheres e os casais que têm problemas de fertilidade, se sentando e rezando invocam a graça desejada: os filhos.

Mas muitos outros ainda pedem por diversos problemas de saúde. O “banco de la fertilidad” é levado à igreja por causa do grande número de devotos. Ver vídeo embaixo.

Ingressou no convento de Santa Catarina de Siena em 1741. Ela escreveu sua autobiografia por ordem do confessor Frei Tomás Corrales, O.P.: Secretos entre el alma y Dios.

O livro é muito apreciado ainda hoje pelo estilo simples, formoso e ameno, rico de recursos literários e idiomáticos. Cfr Herrera Campuzano, Sor Catalina de Jesús (1717-1795).

O banco da fertilidade de Sóror Catarina de Jesus.
O “banco de la fertilidad” de Sóror Catarina de Jesus.
Esta venerada religiosa foi beneficiada com visões e revelações relativas a seu tempo e aos vindouros, com dons de milagre e profecia.

No que se refere ao tema deste blog focado na Aparição e no segredo e La Salette, a Providência quis lhe conceder favores que, de um modo colateral mas muito expressivo, confirmam alguns dos aspectos mais polêmicos da mensagem de La Salette.

Com efeito, La Salette foi muito perseguida e até chegou a ser interditada temporariamente. O motivo alegado para essa hostilidade foi uma denúncia de Nossa Senhora contida no Segredo de La Salette que os 'progressistas' da época achavam forte demais.

Em verdade, eles se sentiram apanhados:
“Os sacerdotes, ministros de meu Filho, pela sua má vida, sua irreverência e impiedade na celebração dos santos mistérios, pelo amor do dinheiro, das honrarias e dos prazeres, tornaram-se cloacas de impureza.

A cela de sóror Catarina de Jesus no mosteiro de Quito.
A cela de sóror Catarina de Jesus no mosteiro de Quito.
Sim, os sacerdotes atraem a vingança e a vingança paira sobre suas cabeças. Ai dos sacerdotes e das pessoas consagradas a Deus, que pela sua infidelidade e má vida crucificam de novo meu Filho!

Os pecados das pessoas consagradas a Deus bradam ao Céu e clamam por vingança.

E eis que a vingança está às suas portas, pois não se encontra mais uma pessoa a implorar misericórdia e perdão para o povo.

Não há mais almas generosas, não há mais ninguém digno de oferecer a vítima imaculada ao [Pai] Eterno em favor do mundo”.

A fama da religiosa
levou os Correios equatorianos
a fazerem um selo em sua memória.
No mesmo sentido, no século anterior à aparição de La Salette, Nosso Senhor Jesus Cristo desvendou essa dolorosa realidade para a venerável Catarina de Jesus.

Dessa maneira, almas de escol que não se conheceram, nem viveram na mesma época, e ainda separadas por uma distância geográfica e cultural colossal, receberam análogas lamentações e advertências.

Uma visão confirma a outra.

Em todos os casos, Nosso Senhor convidou a rezar e expiar para mudar esses vícios que tanto O ferem.

Se La Salette não tivesse sido tão hostilizada e silenciada pelos religiosos que se sentiram aludidos, quiçá a situação da Igreja e do clero seria muito melhor ou, pelo menos, não estaria tão complicada.

Ouçamos a confidente equatoriana de Jesus nos contando o que viu e ouviu:


Fachada da igreja do mosteiro de Santa Catarina em Quito.
Fachada da igreja do mosteiro de Santa Catarina em Quito.
Ó meu Jesus, começastes a me dar a entender quão irritado estavas com os homens. E me dizias:

“De toda perdição do mundo são causa os Sacerdotes, Religiosos e Religiosas.

“Os eclesiásticos são causa da perdição das pessoas seculares.

“Na Lei da Graça eu os coloquei como exemplo, para que contivessem os deslizes do século.

“E como por seus maus costumes deixaram que se lhes perdesse totalmente o respeito, já o mundo não faz nenhum caso deles, razão pela qual não é de nenhum proveito o que pregam.

“Se eles vivessem como devem, meu Espírito infundiria por seus lábios fervor nas pessoas do mundo. E daí se seguiria a moderação nos costumes.

“Mas como as pessoas do mundo veem que eles fazem as mesmas coisas que os outros, foi-se introduzindo o hábito de desprezá-los, e fica sem efeito a sua Doutrina.

“Se algum servo meu vem a dizer a verdade, o mundo o ouve com admiração.

“Mas as pessoas muito pouco ou nada aproveitam, porque já estão arraigados os maus costumes, causados pelos demais Religiosos e Eclesiásticos, envelhecidos nos vícios, e que desde muito antes deram os maus exemplos.

“Eles constituem o principal motivo pelo qual meu Braço quer descarregar sua Justiça.

“Outro pecado há, minha filha, nos conventos de Religiosos e Religiosas, que me deixa muito irritado e vai provocando minha Justiça, para que nos conventos Eu não venha a deixar pedra sobre pedra”.

Ignorava eu que pecado fosse esse. E contando isto ao meu confessor, perguntei-lhe do que se tratava. E ele, dando um suspiro, disse: “Ai filha! Para que o queres saber? Pede só a Deus que destrua esse pecado”.

Outras vezes o Senhor me dava a entender: “Este pecado é causa de que pereçam as Ordens Religiosas. E nas Ordens femininas causa-me asco ouvi-las dizerem-se minhas esposas. Isto faz com que Eu não habite nos conventos.

Uma religiosa do mosteiro beija os pés do Cristo das Misericórdias, no claustro do convento. Queira Ele ter pena dos maus sacerdotes e religiosos nesta época tão perturbada.
Uma religiosa do mosteiro beija os pés do Cristo das Misericórdias,
no claustro do convento. Queira Ele ter pena
dos maus sacerdotes e religiosos nesta época tão perturbada.
“Só a força de minha palavra me faz habitar sacramentado, sofrendo tanto desacato naquelas que se chamam minhas Casas. Eu as deixarei sem a Casa que assim ultrajam”. […]

“Uma noite Vos pedia, Senhor, que destruísses aquele pecado que me dizias que havia nas Ordens Religiosas e que eu não conhecia […]

“Nesse tempo ouvi como a entrar pela cela um grande Carro que se dirigia em velocidade para o Oratório onde eu estava e ia entrar dentro dele.

“Conhecendo o que vinha dentro do Carro, fiquei horrorizada e me escondi, levando junto os papéis nos quais estavam anotados vossos favores.

“E quando percebi que o Carro estava junto à porta do Oratório, eu Vos disse: “Senhor, detém esse monstro do lado de fora, pois não tenho ânimo para vê-lo”.

“Deteve-se o Carro à porta e não entrou. Entendi que vinha triunfante no Carro aquele horrendo pecado em forma de um grande monstro que não tinha pés nem cabeça, tão horrendo e negro, coberto por uma fumaça espessa. E ao redor do carro serviam a este monstro muitos meninos religiosos (religiositos niños).

“Conheci que o monstro abrigava dentro de si a muitos Religiosos de maior idade e Sacerdotes e também muitas Religiosas, de Ordens de ambos os sexos.

“Conhecendo aqui aquele pecado, que era tão horroroso, feio, sujo e desordenado, foi tanto o meu pavor que eu inteira tremia de horror.

“E sem que ele tivesse chegado até onde eu estava, somente com conhecer que estava do lado de fora, pensei que ia morrer, e Vos dizia: “Basta, Senhor, basta. Tira de junto de mim esta horrenda visão”. E então ele desapareceu”.

(Fonte: Autobiografia de la Venerable Madre Sor Catalina de Jesús Herrera, Edit. Santo Domingo, Quito, 1954, pp. 271/2).


O mosteiro de Santa Catalina, Quito, onde viveu a confidente de Deus:







segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Lição da imagem de Nossa Senhora de Lourdes
intocada pelo incêndio numa base militar

Imagem de Nossa Senhora de Lourdes, inexplicavelmente intacta após incêndio na base militar de El Goloso, Madri.
Imagem de Nossa Senhora de Lourdes,
inexplicavelmente intacta após incêndio
na base militar de El Goloso, Madri.



Na base militar de El Goloso nas proximidades da capital espanhola, Madri, sede da brigada de Infantaria Blindada “Guadarrama”, se desatou um incêndio incontrolável que consumiu importante área verde, noticiaram diversos sites espanhóis como Infovaticana e Religión en Libertad

A vegetação ficou calcinada. Mas, para surpresa dos militares na superfície carbonizada se encontrou intacta uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes.

A surpresa foi tanto maior quando os fardados descobriram que o gramado perto da imagem não foi atingido pelo fogo e que em volta da imagem havia uns vasos com flores, também incólumes, que ninguém sabia quem tinha posto.

O fato aconteceu no dia 30 de julho, em plena onda de calor que afligia Espanha.

Os militares não conseguiam explicar como foi possível que a imagem e as flores nada sofressem, nem mesmo um natural escurecimento e murchamento pelo calor.

O caso se espalhou pelas redes sociais e não faltou quem supusesse uma montagem. Porem, a investigação visando o esclarecimento revelou a improcedência da suspeita.

Nas fotos pode se apreciar que toda a terra está queimada com exceção das proximidades da imagem.

A bem dizer, a maioria dos soldados sequer sabia que havia uma estatueta da Virgem de Lourdes no jardim, malgrado eles fizessem rotineiras giros de vigilância.

Alguns soldados, porém, lhe tinham uma devoção especial, e se tinham encomendado a ela. Aquela imagem de Nossa Senhora de Lourdes até tinha participado em atos oficiais na base militar.

segunda-feira, 6 de abril de 2015

O corpo incorrupto da Madre Mariana de Jesus Torres,
vidente de Nossa Senhora do Bom Sucesso

Madre Mariana de Jesús Torres O.I.C. (1564-1635). No convento de Nuestra Señora del Buen Suceso, Quito, Equador



Clique nos botões para mudar a foto


Sobre a vida da Mãe Mariana de Jesus Torres, abadessa do convento de Nossa Senhora do Bom Sucesso, em Quito:
Profecias de Nossa Senhora do Bom Sucesso
Origem da milagrosa imagem
As revelações

Profecias e esperanças para nossos dias
Nossa Senhora do Bom Sucesso profetiza sobre os séculos XIX e XX
Profecias que se estão cumprindo ou por se cumprir: a Revolução
Crise da Fé, crise na Igreja

domingo, 1 de fevereiro de 2015

O milagre do sorriso de Nossa Senhora
no rosto de Santa Bernadette



Se aproximando a festa de Nossa Senhora de Lourdes (11 de fevereiro) publicamos o comovedor relato de um milagre de Santa Bernadette, tirado do blog "Lourdes e suas aparições" (O milagre do sorriso de Nossa Senhora no rosto de Santa Bernadette):

Um dia, um sacerdote se aproximou de nós diante de Grota e nos mostrou um velho no meio da multidão.

Ele estava piedosamente ajoelhado e rezava com os braços em cruz.

“Interrogai-o, disse o sacerdote, nós o chamamos de ‘o miraculado do sorriso da Virgem”.

Nós nos aproximamos do peregrino, e ele com o melhor charme do mundo, nos contou sua história.