segunda-feira, 29 de novembro de 2021

O pranto de Siracusa e La Salette (II): o mundo compreenderá?


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






continuação do post anterior: O pranto de Siracusa e La Salette (I), eloquente mensagem sem palavras da Mãe de Deus



As lágrimas de Nossa Senhora operaram maravilhas


Naqueles dias, Don Giuseppe Tomaselli, um sacerdote salesiano de Catânia, cidade próxima de Siracusa, depois de ter dado pouca importância ao fato noticiado pelos jornais, mudou de idéia e resolveu ir pessoalmente ao local onde ocorriam aqueles portentos.

A imagem miraculosa já havia sido instalada na praça vizinha à rua degli Orti, para poder abarcar a multidão de peregrinos que vinham pedir ‒ e quantos obtinham! ‒ as curas da alma e do corpo.

O sacerdote acompanhou e presenciou tais e tantas graças ali concedidas, que resolveu escrever sobre esses fatos um livro bem detalhado ao qual deu o título História de Nossa Senhora das Lágrimas, que passou a ser uma das melhores obras de consulta sobre esse prodígio mariano.

A notícia do prodígio, como vimos na publicação anterior, correu célere e fez afluir devotos àquela cidade, tanto da Itália quanto do exterior.

O Arcebispo local tomara medidas para avaliar a autenticidade do portentoso acontecimento, pedindo o parecer dos peritos eclesiásticos e de uma equipe médica.

O sacerdote salesiano, Dom Tomaselli, acorreu ao local e escreveu:

“Há dezoito meses, o Sr. Vincenzo Aricò tinha perdido a visão e enxergava apenas umas sombras.

“Ele costumava ficar sentado junto à soleira da porta e para retornar ao interior da casa fazia-o às apalpadelas, apoiando-se na parede. Para ir de um lado ao outro de seu quarto precisava da ajuda de sua esposa. Ao chegar em Siracusa, para descer do carro teve de ser sustentado. Rezou na rua degli Orti e imediatamente ficou curado da vista. Eu quis interrogá-lo: ‘Como é que o Sr. recuperou a vista?’

‒ ‘De repente! Mas eu tinha rezado e esta manhã, antes de vir aqui, recebi a Comunhão com minha mulher’.

“À tarde, ele veio passear comigo e, ao vê-lo caminhar com aquela serenidade, eu pensava: quem haveria de reconhecer neste homem o cego desta manhã?…

“Fui visitar o Sr. Caruso Giuseppe, morador na rua Zia Lisa 236. De seus próprios lábios tive conhecimento do seguinte:

“‒ ‘Quinze anos atrás, fiquei obrigado a usar o bastão para poder andar. Cinco anos depois, tive de recorrer a dois bastões. Tendo ouvido falar das curas realizadas por Nossa Senhora, fui de carro para Siracusa. Ali assisti à cura de um cego; a minha hora ainda não tinha chegado.

“À tarde voltei para Catânia. Enquanto descansava, senti uma forte aguilhoada no tórax; depois de um instante, senti outra. Pensei comigo: ‘Será que Nossa Senhora está querendo dar-me a graça? Quem me dera....’. E não prestei mais atenção no assunto.

“No dia seguinte, lá pelas onze da manhã, enquanto estava sentado no quarto, diante de uma cópia da imagem de Nossa Senhora das Lágrimas, ao notar que o pavio de cera estava com a chama muito fraca, pensei em acender a lamparina a óleo.

“Sem refletir sobre a minha incapacidade de locomover-me, fui para o outro quarto, apanhei a garrafa de óleo, acendi a lamparina e recoloquei a garrafa em seu lugar. Para fazer tudo isso eu não havia utilizado os bastões.

“Caí em mim e pensei: ‘Será que eu sarei?’ Comecei a passear sem algum apoio e dei uns gritos de alegria. Foi um dia de peregrinação em minha casa…

“Todos os que chegavam queriam ver-me caminhar e quando chegou a tarde já estava bem cansado. Eu tinha ido para Siracusa num sábado, e no sábado seguinte para lá voltei a fim de levar os meus bastões para Nossa Senhora”.

Santuário para perpetuar o milagre

Em sua empolgante e documentada narrativa, Dom Tomaselli continua: “No mês de outubro ocorreram curas ainda mais portentosas”…

No mês de dezembro, o Arcebispo apresentou toda a documentação do Tribunal Eclesiástico à Conferência Episcopal da Sicília reunida em Bagheria, província da capital siciliana, Palermo, a qual emitiu o seguinte juízo:

“Os Bispos da Sicília ...., após terem ouvido o amplo relatório do Exmo. Mons. Ettore Baranzini, Arcebispo de Siracusa, a respeito da lacrimação da Imagem do Coração Imaculado de Maria ...., avaliados atentamente os testemunhos citados nos documentos originais, concluíram unanimemente com o juízo de que não se pode pôr em dúvida a realidade da lacrimação. Desejam que tal manifestação excite todos a uma salutar penitência e a uma mais viva devoção ao Coração Imaculado de Maria, externando os votos relativos à construção diligente de um Santuário que perpetue a memória do prodígio”.

O Arcebispo de Siracusa dirigiu-se então oficialmente à residência dos Iannuso, na rua degli Orti, para prestar sua homenagem ao Quadro miraculoso e constatar pessoalmente o enorme bem que Nossa Senhora estava realizando sob a invocação de seu Imaculado Coração.

Tomando o Quadro nas mãos, o Prelado observou-o longamente e dirigiu uma ardente oração à Virgem diante da emocionada multidão de fiéis ali ajoelhados, manifestando assim seu apoio àquela nova devoção mariana.

Pio XII: diante dos sofismas adversários, clareza da verdade

Para coroar tão sublime milagre, a palavra do Vigário de Cristo. No dia 17 de outubro do ano seguinte, Pio XII quis encerrar o Convênio Mariano da Sicília com uma mensagem radiofônica na qual, depois de lembrar que os numerosos santuários dessa ilha testemunhavam quanto ela merecia ser chamada Feudo de Maria, comentou com penetração de espírito os fatos extraordinários ocorridos em Siracusa:

“Não sem comoção tomamos conhecimento da unânime declaração do Episcopado da Sicília sobre a realidade deste acontecimento....

“Compreenderá a humanidade a recôndita linguagem dessas lágrimas?

“Oh, as lágrimas de Maria! No Calvário elas eram lágrimas de compaixão pelo seu Jesus e de tristeza pelos pecados do mundo.

“Estará Ela chorando ainda devido às chagas que são abertas no Corpo Místico de Jesus pelos numerosos filhos, nos quais o erro e a culpa apagaram a vida da graça?

“Pela espera do tardio retorno dos filhos outrora fiéis e que agora são arrastados por falsas miragens para as fileiras dos inimigos de Deus?


“Diante dos fascinantes sofismas dos adversários da Igreja, não há outra atitude senão opor a clareza da verdade, porque um povo que não sabe quais são os verdadeiros tesouros não saberá conservá-los nem defendê-los: ele dar-se-á conta dos bens perdidos, quando tiver sido depredado dos mesmos”.

Lágrimas de tristeza pelos pecados do mundo

Com efeito, nos anos sucessivos, sobretudo devido à política do “ceder para não perder” praticada pelos que se diziam cristãos, eram aprovadas pelo Parlamento italiano ‒ para falarmos somente da Itália ‒ as leis que instituíram o divórcio e o aborto…

Pois bem, contemplando num rápido olhar a situação do mundo atual, quem poderia afirmar, em sã consciência, que de lá para cá as nações deram a devida atenção a essa mensagem muda, mas tão eloquente?

Quem poderia asseverar que o Coração Imaculado de Maria, isto é, a mentalidade sumamente ordenada e puríssima da Mãe de Deus, já está impregnando e sacralizando as instituições, as leis e os costumes em nossos dias?

Será uma atitude mais realista, pois, pedir a Nossa Senhora que, pelos méritos dessa preciosas lágrimas, toque e converta as almas.

Sim, é sem dúvida uma maneira mais filial colocarmo-nos em atitude orante, penitencial e contra-revolucionária, com os olhos postos nAquela da qual a Igreja diz “que é mais terrível do que um exército em ordem de batalha”.

E que, na Cova da Iria, depois de profetizar que o comunismo espalharia os seus erros pelo mundo, prometeu sua irreversível vitória: “Por fim, o meu Imaculado Coração triunfará”.
E isto sucederá após a humanidade pecadora - surda aos pedidos feitos em 1917 pela Mãe de Deus em Fátima ‒ ter sido purificada pelos apocalípticos castigos revelados na na Mensagem de Fátima.


(Autor: Umberto Braccesi, in “CATOLICISMO”, agosto e setembro de 2000) 

O pranto de Nossa Senhora em Siracusa (dois documentários de época, em italiano)






segunda-feira, 22 de novembro de 2021

O pranto de Siracusa e La Salette (I), eloqüente mensagem sem palavras da Mãe de Deus

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





WhatsApp Facebook Twitter Skype Pinterest


Em Siracusa, encantadora cidade portuária ao sul da Sicília, num bairro conhecido pelas suas nefastas preferências pelo Partido Comunista, dois jovens esposos ‒ Angelo Iannuso e Antonina Giusto ‒ estabelecem sua moradia na rua chamada degli Orti. A princípio, tudo parece correr feliz em sua vida conjugal.

Mas a lua-de-mel passou depressa e algo de muito grave vem abalar a quietude daquele novo lar.

Com efeito, a senhora Antonina passa a manifestar distúrbios de natureza neurológica, os quais, aliás, iriam complicar também sua gravidez, no seu sexto mês, bem como a vida do nascituro.

Os sintomas apresentados pela paciente eram crises convulsivas, perda da palavra, da capacidade visual e também da consciência.

Um quadro patológico peculiar, que iria levantar muitas suspeitas e tornar ainda mais surpreendente e maravilhoso o que viria a ocorrer naquele 29 de agosto de 1953…

De fato, nesse dia, após o marido ter saído para trabalhar no campo, a senhora Antonina deitara-se ao final de mais uma de suas crises. Eram 8h30 da manhã.

De repente, os seus olhos foram atingidos por uma luz fulgurante e voltaram-se para o quadro de gesso de Nossa Senhora, representando o Coração Imaculado de Maria, que lhe haviam dado como presente de casamento e que estava pendurado na parede, à cabeceira da cama.

Dos olhos da imagem estavam brotando duas grossas lágrimas, que foram seguidas de duas outras e de muitas outras mais.

Lágrimas analisadas, comprovadas, ...

De início, a jovem gestante imaginou estar tendo alguma alucinação, decorrente de seu estado de enfermidade.

Porém, ao constatar que as lágrimas escorriam com intensidade e frequência cada vez maiores, não tendo forças para levantar-se, chamou aos gritos os seus familiares: “Venham…Venham ver o quadro de Nossa Senhora que chora!”.

Então, os parentes acudiram, puderam ver a imagem em prantos e, diante daquele pungente fenômeno, puseram-se também eles a chorar…

Com a velocidade do relâmpago, a notícia correu por toda a rua degli Orti e alastrou-se através de todo o bairro de fama tristemente esquerdista, fazendo confluir uma multidão de curiosos e de fiéis que se apinhavam para constatar, com os próprios olhos, aquele extraordinário acontecimento.

Mas não ficou apenas nisso: para a felicidade e comoção de todos, estando a lacrimação num fluxo ininterrupto, eles puderam embeber seus lenços e flocos de algodão para conservar as primeira relíquias daquela pungente cena.

Devido ao enorme afluxo de gente, o quadro do Imaculado Coração de Maria foi instalado na sacada da janela que dava para a rua.

Ali, enquanto as faces da imagem continuavam sendo regadas por aquele precioso líquido, havia um ambiente sereno mas filial: ninguém gritava freneticamente anunciando o milagre, ninguém se agitava, ninguém se desencadeava em tempestades emotivas…

Analisando esse equilibrado comportamento social, o Professor Giuseppe Marino, neuro-psiquiatra de fama internacional e especialista em patologias nervosas, especialmente nas que se referem ao campo místico-religioso, declarou:

“As ‘alucinações’ eram vistas concretizar-se numa realidade palpável, representada pela fluente cascata de pérolas que, como ficou demonstrado depois nos diversos laboratórios de análises clínicas, eram lágrimas nas quais notou-se a presença de água destilada, cloreto de sódio e partículas infinitesimais de substância proteica” – elementos que constituem uma lágrima humana.

... que repercutem em todo o mundo...

O prodigioso pranto prolongou-se, com intervalos irregulares, durante quatro dias. E, assim, puderam-se contar aos milhares as testemunhas provenientes de todas as categorias sociais e de várias nacionalidades, porque a imprensa local alardeara logo o ocorrido, atraindo imediatamente a atenção da imprensa italiana e, como um rastilho de pólvora, à estrangeira.

Ao mesmo tempo, cine-amadores de todo o mundo filmaram impressionantes seqüências da lacrimação, as quais hoje estão reunidas numa colossal coletânea realizada pelo Pe. Sbriglio, do PIME, aos cuidados técnicos da SONY.

Entrementes, o Arcebispo local, Mons. Ettore Baranzini, julgou melhor proibir momentaneamente os seus sacerdotes, religiosos e freiras de se aproximarem do local do prodígio.

Ademais, pediu orientações para dois peritos na matéria ‒ o Cardeal Shuster e o Pe. Gemelli ‒, além de incumbir pessoas de sua inteira confiança de reunirem todos os elementos (inclusive algumas testemunhas sob juramento) para a redação de um relatório fidedigno a ser enviado para o competente Tribunal Eclesiástico.

Também devia fazer parte desse dossiê o parecer de uma conspícua comissão médica constituída de 14 membros, incluindo-se até o Dr. Michele Cassola, conhecido por seu agnosticismo religioso. O veredicto da mesma havia sido de que se tratava, efetivamente, de “lágrimas humanas”.


continua no próximo post: O pranto de Siracusa e La Salette (II): o mundo compreenderá?


(Autor: Umberto Braccesi, in “CATOLICISMO”, agosto e setembro de 2000) 


O pranto de Nossa Senhora em Siracusa (documentário da TV italiana RAI)




segunda-feira, 15 de novembro de 2021

Santa Teresa de Jesus
e os Apóstolos dos Últimos Tempos

Santa Teresa de Jesus, em 1615
Peter Paul Rubens (1577-1640) Kunsthistorisches Museum, Viena
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



WhatsApp Facebook Twitter Skype Pinterest


Em La Salette, Nossa Senhora confiou à vidente Melania uma Regra para os Apóstolos dos Últimos Tempos, — Ordem ou Instituto que Nossa Senhora Ela própria suscitaria e animaria nos momentos de calamidade que Ela anunciava.

Dificilmente algum santo falou com tanta força, propriedade e pormenor sobre estes Apóstolos dos Últimos Tempos quanto São Luis Maria Grignion de Montfort.

CLIQUE AQUI PARA VER O QUE ESCREVEU SÃO LUIS MARIA.

Mais sobre os Apóstolos dos Últimos Tempos e La Salette

São Luís Maria não foi o único santo ou alma privilegiada com luzes proféticas que falou desses Apóstolos futuros. No “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, ele mesmo cita outros santos que o precederam nessa visão profética.

A grande Santa Teresa de Jesus OCD (1515 — 1582), ou Santa Teresa de Ávila, Doutora da Igreja, também foi agraciada com visões sobrenaturais sobre essa Ordem vindoura.

Acresce que a Santa fornece alguns elementos que não estão presentes nas demais visões ou reflexões proféticas.

Santa Teresa escreveu o que ela viu a respeito no “Livro da Vida”, (Capítulo 40, nº 12, págs. 186-187).

“12. Estando certa vez em oração com muito recolhimento e suavidade e quietude, pareceu-me estar rodeada de anjos e muito perto de Deus. Comecei a suplicar à Sua Majestade pela Igreja. Foi-me então dado a entender o grande proveito que produziria uma ordem nos derradeiros tempos e a fortaleza com que os seus membros haveriam de sustentar a fé”.

“13. Estava certa vez rezando perto do Santíssimo Sacramento, quando apareceu diante de mim um santo cuja Ordem esteve algo decaída. Tinha nas mãos um livro grande; abriu-o e me disse que lesse umas letras que eram grandes e muito legíveis, e diziam assim: “Nos tempos vindouros florescerá esta Ordem; haverá muitos mártires”.

Queda dos anjos rebeldes Pieter Bruegel o velho (1525-1569) Royal Museums of Fine Arts, Bruxelas, detalhe.
Queda dos anjos rebeldes
Pieter Bruegel o velho (1525-1569)
Royal Museums of Fine Arts, Bruxelas, detalhe.
“14. Numa outra vez, estando nas Matinas no coro, se apresentaram e se puseram diante de mim seis ou sete, me parece que seriam dessa mesma Ordem, com espadas nas mãos.

“Acredito que isso dava a entender que vão defender a fé; porque outra vez, estando em oração, meu espírito foi arrebatado e me pareceu estar num grande campo onde combatiam muitos, e estes dessa Ordem pelejavam com grande fervor.

“Tinham os rostos formosos e muitos acessos, e deitavam muitos por terra derrotados, e a outros matavam. Me parecia que esta batalha era contra os hereges.”

“15. A este glorioso santo eu vi algumas vezes e me falou algumas coisas, e ele me agradeceu a oração que faço pela sua Ordem e me prometeu de me recomendar ante o Senhor.

“Não digo as Ordens. Se o Senhor for servido se sabendo, Ele as fará conhecer, para que as outras não sofram agravio. Porém, cada Ordem deveria procurar, e cada membro delas por si próprios, para que o Senhor torna-se tão ditosa sua Ordem para a em tão grande necessidade como a que agora padece a Igreja, lhe serviam desse modo. Ditosas as vidas que nisto se extinguirem!”

A prestigiosa editora espanhola que citamos como fonte bibliográfica traz uma densa nota sobre a originalidade destas visões.

De fato, Santa Teresa insiste em que os Apóstolos dos Últimos Tempos pertencerão, ou terão uma relação especial com uma instituição religiosa que existia ou que segue existindo, embora tenha passado por uma decadência.

Obviamente, algumas ordens religiosas acharam que a visão se referia a elas, notadamente os dominicanos e os jesuítas que, naquela época, passavam por um grande momento.

A BAC, porém cita ao historiador Pe. Jerónimo de San José (Historia del Carmen Descalzo, l. 1, c. 21, n. 5, p. 214-215) segundo o qual as visões não podem se aplicar nem aos jesuítas nem aos dominicanos.

De fato, essas ínclitas instituições não tinham passado pela decadência – pelo menos até aquele momento – referido pela Santa.

Para o mencionado historiador, as visões só podiam se referir à Ordem do Carmo. Essa sim havia passado por provações e decadências que a deixaram ao borde da extinção.

Queda dos anjos rebeldes Pieter Bruegel o velho (1525-1569) Royal Museums of Fine Arts, Bruxelas, detalhe.
Queda dos anjos rebeldes
Pieter Bruegel o velho (1525-1569)
Royal Museums of Fine Arts, Bruxelas, detalhe.
Mas há um outro dado histórico referido pelo Pe. Jerónimo de San José: “estas conjecturas bastam para ter como certo o que dissemos; porém um testemunho e uma palavra ainda mais certa da verdade, tiramos da mesma Santa, que ainda em vida declarou que se tratava da Ordem do Carmo reformada.

“E isto ela disse com tanta segurança e afirmatividade, que a um religioso filho seu que lhe perguntou, chamado frei Angel de San Gabriel, ela respondeu com simplicidade e amor de mãe: “Bobo, de quem haveria de se entender senão da nossa Ordem?”

“Este testemunho correu sempre na Ordem como coisa aceita sem controvérsia, confirmada pelas pessoas que o ouviram da boca da Santa, como testemunha o muito venerável bispo de Tarazona D. Fr. Diego de Yepes” (III 17).

É de se notar que quando Santa Teresa escreveu estas visões, ainda nem tinha pensado da reforma da rama masculina dos carmelitas, se tratando pois de um anúncio profético. (Cf Tomás de la Cruz, Pleito sobre visiones, Epehmerides Carmelit. 8 (1957), p. 3-43. (apud Libro de la Vida, p.215).

Nesta perspectiva, os Apóstolos dos Últimos Tempos se inseririam na gloriosa linhagem espiritual do Carmo.

Seriam eles sacerdotes dessa Ordem? O fato de portarem armas e matarem inimigos em combate não condiz com a interdição eclesiástica ao uso e porte de armas.

Mas poderia ser algo assim como uma Ordem Terceira. Por certo, é um problema que merece serena observação, reflexão e meditação.

(Fonte: Santa Teresa de Jesús O.C.D., “Libro de la Vida” apud Obras Completas, BAC nº 212, Madrid, 1979, 6ª Ed. revisada, 1184 páginas).


segunda-feira, 8 de novembro de 2021

Concordância de La Salette com a comunicação mística ao Beato Padre Eustáquio – 2

Jesus Cristo ao Beato Padre Eustáquio:  “Ó astúcia diabólica, que inclinou o povo mais para o lado do mau espírito do que para o lado do próprio Deus!”.
Jesus Cristo ao Beato Padre Eustáquio:
“Ó astúcia diabólica, que inclinou o povo
mais para o lado do mau espírito do que para o lado do próprio Deus!”.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



WhatsApp Facebook Twitter Skype Pinterest


continuação do post anterior: Beato Padre Eustáquio: comunicação mística em concordância com La Salette – 1


Ó astúcia diabólica, que chegou a tal ponto que soube inclinar o ouvido do povo mais para o lado do mau espírito do que para o lado do próprio Deus!

“Vê como as guerras rebentam em toda parte, como cresce cada vez mais o ódio entre os povos, vê como aumenta a falsidade nos corações, diminuindo, a olhos vistos, a fé nas almas, e os estragos espirituais que em todas as classes do povo aumentam de dia para dia.

“E os médiuns que tomam o lugar dos santos, falam, escutam e enganam o próximo.

“E aí se vai a fé, se vai a religião, se vai a amizade com Cristo.

“E chegam as multidões a tomar confiança com quem não é de Cristo, e a perversidade torna-se o hábito natural destas pessoas.

segunda-feira, 1 de novembro de 2021

Concordância de La Salette com a comunicação mística ao Beato Padre Eustáquio – 1

Beato Padre Eustáquio van Lieshou SS.CC.: “Eu vejo a minha religião ameaçada, caluniada e perseguida mais do que nunca.
Jesus Cristo disse ao Beato Padre Eustáquio van Lieshout SS.CC.:
“Eu vejo a minha religião ameaçada, caluniada e perseguida
mais do que nunca”.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Quando Nossa Senhora revelou seu Segredo em La Salette (veja texto completo) fez afirmações muito graves sobre o estado moral, espiritual, social e político do mundo, convidando a uma profunda conversão.

Algumas das afirmações de Nossa Senhora, porém, foram mal recebidas por aqueles que se sentiram concernidos.

Um dos casos foi protagonizado pelos setores da sociedade e do clero que tinham aderido às falsas máximas e aos costumes decadentes do mundo.

Dos mesmos arraiais que tinham aderido às ideias igualitárias da Revolução Francesa e aos costumes sensuais que se difundiam pela sociedade temporal, brotou implacável guerra contra o Segredo.

Alegavam eles ser impossível que Nossa Senhora tivesse predito horizontes tão carregados de ameaças, guerras, heresias, decomposição social e ação dos demônios.

Aduziam também que o mundo andava sempre melhor e que um diálogo sincero – mas cheio de concessões ao erro e ao pecado – acabaria trazendo a reconciliação da Igreja com o mundo.

segunda-feira, 25 de outubro de 2021

Lutero no Inferno: a visão da Beata Serafina Micheli

Beata Maria Serafina Micheli viu Lutero no inferno
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em 1883 a Bem-aventurada Sóror Maria Serafina Micheli (1849-1911), fundadora do Instituto das Irmãs dos Anjos, passava pela cidade de Eisleben, na Saxônia, Alemanha.

Eisleben é a cidade natal de Lutero. E, naquele dia comemorava-se o quarto centenário do nascimento do grande fundador da heresia protestante (10 de novembro de 1483).

Lutero dividiu a Igreja e a Europa. Dessa cisão advieram  crudelíssimas guerras de religião que duraram décadas a fio.

A população aguardava o imperador alemão Guilherme I que devia presidir as solenidades.

A futura beata não se interessou pela agitação e seu único desejo era encontrar uma igreja onde pudesse visitar a Jesus Sacramentado e rezar.

As igrejas estavam fechadas e já era noite.

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Há 175 anos apareceu Nossa Senhora em La Salette

Mélanie e Maximin, os dois videntes, desceram para ver uma grande luz, dentro da qual havia uma Dama
Mélanie e Maximin, os dois videntes,
desceram para ver uma grande luz, dentro da qual havia uma Dama
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Na manhã do 19 de setembro de 1846 Maximin acompanhou Mélanie para cuidar do gado. Era um dia bonito, o céu estava sem nuvens e o sol brilhava intensamente.

Subiram o morro de La Salette (França) até uma altura de 1.800 metros, sem poderem imaginar o evento sobrenatural que haveriam de testemunhar.

Maximin queria brincar. Ela lhe propôs seu entretenimento preferido: fazer o que ela chamava de paraíso, isto é, uma casinha de pedras toda recoberta de ramalhetes feitos com flores silvestres, que desabrocham naturalmente nas alturas.

Chegando a uma curva do terreno protegida dos ventos, começaram a levantar o paraíso. No local há muita ardósia, pedra que forma placas e se prestava para o brinquedo.

quinta-feira, 15 de julho de 2021

Nossa Senhora do Carmo, guia da luta dos profetas

Nossa Senhora do Carmo, Filipinas. Fundo: Monte Carmelo
Nossa Senhora do Carmo, Filipinas. Fundo: Monte Carmelo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







No 16 de julho a Igreja comemora a festa de Nossa Senhora do Carmo.

Sua invocação Virgem Flor do Carmo é a mais antiga e remonta a oito séculos antes de seu feliz natalício.

Como pode ser que a Mãe de Deus fosse venerada oitocentos anos antes de nascer?

A história é maravilhosa e intimamente ligada à montanha do Carmelo em Terra Santa.

Para aparentemente complicar mais as coisas, arqueólogos e historiadores registram que civilizações pagãs também cultuavam uma virgem que daria à luz o salvador do mundo.

Na elevação onde fica a cidade de Chartres, França, sede de uma das mais belas catedrais de Nossa Senhora, em tempos pré-cristãos, os bruxos dos pagãos druidas, ditos charnuts, tinham essa crença e a chamavam “Virgo Paritura” (“A virgem que dará a luz”).

De onde viera essa noção e quem a levou?

segunda-feira, 21 de junho de 2021

Para pedir a Nossa Senhora de La Salette na pandemia

Nossa Senhora de La Salette, Butacan, Filipinas
Nossa Senhora de La Salette, Butacan, Filipinas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







“A bela Senhora”, como a chamavam os dois pastores videntes, Maximino Giraud e Melanie Calvat, apareceu com profunda tristeza numa montanha de Salette, pedindo oração e penitência, e anunciando que não poderia sustentar o braço de seu Filho, prestes a castigar a humanidade por causa de seus pecados.

O fato ocorreu há muito mais de 100 anos. E foi uma das três aparições de Nossa Senhora que são como três montanhas altas de uma cordilheira.

Nessas três, Nossa Senhora confiou um segredo.

As três manifestações de Nossa Senhora foram reconhecidas pela Igreja. A primeira aconteceu em La Salette em 1846; a segunda em Lourdes em 1858; a terceira em Fátima em 1917.

E, se quiserem, a quarta em Siracusa, que é a mais recente em 1953.

A Igreja aceitou a ortodoxia de todas e as admitiu como festas dEla.

Em Siracusa, o episcopado mandou fazer um exame das lágrimas vertidas por uma imagem de Nossa Senhora numa casa familiar e verificou que eram lágrimas humanas.

segunda-feira, 14 de junho de 2021

1864: La Salette, a soltura de Lúcifer
e a oração para resistir aos demônios soltos

Em 1864 os demonios sairfiam do inferno para se apossarf do mundo e da Igreja. Luca Signorelli (1445 - 1523) Orvieto
Em 1864 os demônios sairiam do inferno para se apossar do mundo e da Igreja.
Luca Signorelli (1445 - 1523) Orvieto
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







1864: no Segredo completo de La Salette, Nossa Senhora anuncia que nesse ano se iniciaria uma imensa saída de “demônios que serão soltos do inferno”.

Confira em: O SEGREDO DE LA SALETTE, texto completo em português

Eles viriam por cima da Terra e em especial por cima da Igreja Católica visando extinguir a Fé.

A linguagem sugere uma invasão gradual “Eles abolirão a fé pouco a pouco” de um modo muito eficaz “até nas pessoas consagradas a Deus. Eles as cegarão de tal maneira que, salvo uma graça particular, adquirirão o espírito desses maus anjos”. Id. ibid.

Eis a parte a que aludimos, por completo:

“No ano de 1864, Lúcifer e um grande número de demônios serão soltos do inferno. Eles abolirão a fé pouco a pouco, até nas pessoas consagradas a Deus.

“Eles as cegarão de tal maneira que, salvo uma graça particular, adquirirão o espírito desses maus anjos. (...)

“O Vigário de meu Filho terá muito que sofrer, porque durante algum tempo a Igreja será entregue a grandes perseguições. Será o tempo das trevas, e a Igreja passará por uma crise pavorosa”.

As profecias particulares que fixam datas ou números exatos de qualquer tipo pedem muita cautela na interpretação.

quarta-feira, 12 de maio de 2021

S.S. Pio XII viu o “milagre do sol” quatro vezes no Vaticano

40.000 pessoas contemplam o “milagre do sol” em Fátima em 1917
70.000 pessoas contemplam o “milagre do sol” em Fátima em 1917
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









No dia 13 comemorar-se-á mais um início das históricas aparições em Fátima em que de Nossa Senhora advirtiu à humanidade dos castigos que viriam se não corrigiam os maus costumes.

Corroborando a importância dessas advertências na última houve a portentoso “milagre do sol” diante de 70.000 pessoas em Fátima.

Esse “milagre do sol” tal como aconteceu em Fátima repetiu-se quatro vezes diante do olhar de S.S. Pio XII no Vaticano em datas sucessivas posteriores.

Segundo informou o vaticanista Andrea Tornielli, citado pela agência Zenit, o fato ficou consignado num bilhete manuscrito do próprio Papa que foi exposto na amostra “Pio XII: o homem e o Pontificado”, na Santa Sé.

O bilhete foi achado nos arquivos da família do Pontífice.