segunda-feira, 10 de julho de 2017

“Sacerdotes” da Revolução anticristã
hoje promovem o retorno ao paganismo

Na reunião da quase totalidade dos chefes de governo do mundo na Rio+20 (2012)
cerimônias esotéricas para atrair "energias escuras" sobre os políticos reunidos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: A Revolução é a revolta atual do demônio contra a Igreja e a Cristandade



Na medida em que a Revolução demole os restos da civilização cristã, ela vai afundando o mundo nas águas estancadas e fétidas de um novo paganismo, pior que o da Antiguidade ou dos povos mais decadentes:

“Dominados os reis, as massas do povo indo atrás de seus governos, resulta que neste mundo político material visível voltou a se constituir o paganismo antigo, embora acomodado em sua forma à especialíssima situação da época” (“Relaciones entre los espíritus y el hombre”, El Ermitaño, Nº 117, 2-2-1871).

Essas afirmações podiam parecer ousadas no século XIX, que avançava alegremente deslumbrado pelo progresso das invenções. Mas ainda não se proclamava abertamente o culto de Gaia – a deusa terra dos ecologistas.

Tampouco se generalizavam, como agora, os sombrios cultos pagãos do Oriente – budismo, hinduísmo etc. – nem as práticas e crenças supersticiosas ou fetichistas de tribos africanas ou americanas sob o rótulo de uma Nova Era.

E os arraiais “católicos-progressistas”, missionários comuno-tribalistas ou carismáticos, não andavam em busca de “novas formas” de oração ou energias vindas das profundezas, ou nas tribos mais primitivas da Amazônia!

Para o Pe. Palau, adotar os decadentes cultos pagãos representa uma apostasia radical do doce jugo de Nosso Senhor Jesus Cristo. E o bem-aventurado comparava essa deserção de massa a um novo deicídio executado na pessoa da Igreja:

“As nações (...) disseram oficialmente pela boca de seus representantes: ‘não reinarás’. Disseram isso a Cristo e à sua Igreja, a Cristo e ao Papa, o dizem ao catolicismo e, abusando de seu poder e autoridade, expulsam ignominiosamente de seu seio, isto é, do mundo oficial, a Esposa do Cordeiro Imaculado. (...)

“Não é isto um matricídio? Sim. É um matricídio cem vezes mais feio e abominável que o deicídio cometido pelos judeus” (“Adviento de 1871”, El Ermitaño, Nº 161, 7-12-1871).

Dom Cristian Contreras, bispo de Melipilla (Chile), ajoelhado diante do altar com os sacrifícios oferecidos por um bruxo andino à Pachamama, 17 de janeiro 2015
Dom Cristian Contreras, bispo de Melipilla (Chile), ajoelhado diante do altar
com sacrifícios oferecidos por um bruxo andino à Pachamama, 17 de janeiro 2015
Por tudo isso, o Beato Palau estava convencido de que no combate apostólico contra a Revolução se jogam os frutos da Redenção.

Renunciar à luta contra a Revolução ou se omitir equivale a se render ao mundo, ao demônio e à carne, a abandonar a Igreja num lance decisivo:

“Pois não é possível transigir nem concordar, salvo para nos prepararmos uns e outros para um golpe decisivo. Entre estes dois extremos não há meio termo: ou a Revolução acaba com o catolicismo, ou este devora a Revolução” (“Cuento de mi sombra”, El Ermitaño, Nº 28, 13-5-1869).

Os agentes da Revolução

Desde um prisma meramente material, a Revolução parece obra de minorias ativas, capazes de remover com astúcia e vigor que excedem as forças naturais, os obstáculos que encontra em seu caminho.

Se assim fosse – perguntava o Pe. Palau – como explicar que minorias revolucionárias possam impressionar e mudar o destino de nações inteiras?

Governos e prefeituras vêm instalando em locais públicos 'obras de arte' alusivas aos poderes infernais como esta em Praga
Governos e prefeituras vêm instalando em locais públicos
'obras de arte' alusivas aos poderes infernais como esta em Praga
Como interpretar a espécie de fatalidade e as estranhas coincidências e casualidades que sistematicamente, nos momentos decisivos, se voltam contra as boas iniciativas e favorecem as piores?

O efeito não pode ser maior que a causa e a fatalidade não existe.

Logo, concluía, devem existir potências impalpáveis muito superiores ao homem que influenciam decisivamente as vitórias da Revolução.

Sem elas, os agentes revolucionários não perpetrariam seu labor demolidor com a velocidade e a sincronização com que o fazem:

“Há entre nós, – explicava – residindo no próprio ar que respiramos, um vastíssimo império, cujos príncipes reconhecem um rei, e é um rei absoluto. (...)

“são espíritos puramente tais, inteligências que subsistem como o homem, mas independentemente da matéria, superiores ao homem em força física e espiritual, considerando o homem enquanto ser puramente natural. Excedem ao homem em ciência, inteligência, malícia e astúcia. (...)

“o homem que vive na terra, desde que apostata de Deus e da Igreja Católica, forma com esses seres espirituais família, povo, nação, império, transformando-se em súdito de seu poder.

“Esses homens, apóstatas de Deus, soldados de Satanás, em união com os demônios, constituem na terra o reino visível da maldade que chamamos mundo. (...)

“os príncipes e potestades superiores regem a partir dos ares os reis da terra que se renderam a eles pela apostasia, e os conduzem a uma anarquia completa, a uma dissolução social universal, e à guerra contra Cristo e sua Igreja” (“El reino de las tinieblas”, El Ermitaño, Nº 122, 9-3-1870).

Do ponto de vista natural, não faz sentido que as obras revolucionárias se mantenham em pé, desafiando as leis da natureza, observava o P. Palau.

A anarquia deveria produzir desabamentos irreparáveis na Babel revolucionária. Porém, esta sobe, sempre mais caoticamente, escarnecendo toda lógica e razão:

Estátua de Satanás concebida para ser montada em local aberto diante da prefeitura de Oklahoma City nos EUA
Estátua de Satanás concebida para ser montada em local aberto
diante da prefeitura de Oklahoma City nos EUA
“Esses poderes políticos – perguntava – que impuseram aos povos um jugo tão pesado, (...) quem lhes dá esse poder?

“Que força os sustenta, não um, mas muitos anos, escravizando, destruindo, desorganizando, dissolvendo até a ordem da natureza?

“Como podem prevalecer na Espanha 200 mil homens em pugna contínua contra 18 milhões?

“Como a massa de povos não se levanta qual mar enfurecido e afunda essa frágil piroga onde navegam uns quantos homens tidos em abominação e execração pela multidão?

“Explicai-me este enigma. Sem a fé católica é impossível! (...)

Esses homens famosos, (...) que vemos à testa da Revolução na Espanha, na Itália e na França, formam um só corpo moral, um só exército, um só e mesmo império com aqueles anjos rebeldes que no Céu empíreo fundaram a Revolução.

“A única diferença é que essas inteligências, por serem superiores ao homem que venceram, são as potestades e os poderes verdadeiros que dirigem essa guerra.

“E o homem alucinado pela sedução é um instrumento que serve para a execução de projetos combinados muitos séculos atrás por esses espíritos de maldade” (“La causa de Don Carlos”, El Ermitaño, Nº 78, 5-5-1870).

O “sacerdócio” da Revolução

O bem-aventurado esclarecia que nem todo e qualquer sequaz da Revolução entra em contato explícito e formal com demônios que se apresentam enquanto tais.

Pelo contrário, um importante número de revolucionários se horrorizaria, e talvez abandonaria a Revolução, caso lhes fosse proposto semelhante relacionamento.

Por isso o bem-aventurado afirmava que os espíritos das trevas se comunicam diretamente apenas com um número restrito de líderes da Revolução.

Esses geralmente não aparecem dirigindo a política, mas submetidos a essas inteligências tenebrosas e respaldados por seu influxo ativo, comandam a Revolução com maligna precisão.

Para o bem-aventurado, essa categoria seleta e oculta constitui uma espécie de sacerdócio da Revolução. E age como uma caricatura monstruosa e antagônica do único sacerdócio verdadeiro, instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo:

"A festa das bruxas". Francisco de Goya y Lucientes (1746-1828) Museu de Lázaro Galdiano, Madri, Espanha.
"A festa das bruxas", detalhe. Francisco de Goya y Lucientes (1746-1828)
Museu de Lázaro Galdiano, Madri, Espanha.
“Assim como o Verbo encarnado tem seus sacerdotes e um pontífice para se relacionar oficialmente e se comunicar por seus órgãos aos povos e nações, [assim também] os demônios, nossos adversários, têm estabelecido (...) uma espécie de sacerdócio para entrar por meio dele em relação oficial com a sociedade humana” (“Programa del Ermitaño”, El Ermitaño, Nº 33, 17-6-1869).

Para a Revolução, esta categoria de súditos tem importância análoga à dos magos do paganismo.

“Destruída a idolatria – escreveu o beato – e levantada publicamente a religião católica das ruínas, os demônios conceberam outro plano de ataque contra a Igreja.

“Não lhes convinha apresentar seu sacerdócio de público e oficialmente, porque não seria tolerado pelo poder da Igreja. Foi assim que começou a fundação do maçonismo. (...)

“Conveio aos desígnios de Satanás esconder o seu sacerdócio; não tendo ele cor oficial, assumia e assume formas várias e esconde o seu operar nas trevas da noite, lá dentro das cavernas da terra.

“Então as pessoas não acreditam que existem e não os conhecem, e seu agir está a coberto do braço da lei e da autoridade.

“Existem falsos sacerdotes, falsos doutores e escritores, existem agora mais do que nunca maléficos magos que dispõem de exércitos invisíveis que matam, envenenam, corrompem, seduzem e pervertem” (“El maleficio”, El Ermitaño, Nº 103, 27-10-1870).


Continua no próximo post: Os “sacramentos” da Revolução e a possessão diabólica


segunda-feira, 3 de julho de 2017

Beato Palau: a Revolução é a revolta atual do demônio
contra a Igreja e a Cristandade

A Revolução é o assalto de Satanás contra a Igreja e a Cristandade
A Revolução é o assalto de Satanás contra a Igreja e a Cristandade
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: Beato Palau: ver a Revolução para entender o que está acontecendo



Retrospectivamente, o Beato Palau identificava quatro grandes ofensivas históricas sucessivas perpetradas pelo inferno contra a Igreja e a Civilização Cristã, visando erradicar os efeitos abençoados da Redenção.

1. A primeira consistiu no islamismo. Por meio dele, o inimigo da humanidade conseguiu arrebatar da Igreja a Terra Santa e enormes extensões cristianizadas da Ásia e da África.

Essa ofensiva continua, mas como não conseguiu completar sua meta na História por meio dela, o demônio desencadeou uma ofensiva diversa.

2. A segunda grande ofensiva foram os cismas – principalmente o grego –, que desgarraram da Igreja colossais setores da Cristandade outrora pertencentes ao império greco-bizantino com sede em Constantinopla e a totalidade da Rússia.

Salvo gloriosas exceções, o Oriente evangelizado sucumbiu aos assaltos. Porém ainda ficava o Ocidente.

3. Veio então o terceiro grande assalto infernal. A ponta de lança foi o protestantismo, que arrastou na sua revolta a maior parte da Europa do Norte e importantes setores da Europa Central.

Sem embargo, nações católicas como a França, a Itália, a Espanha, a Áustria e outras resistiram.

4. A ofensiva final começou com a Revolução Francesa de 1789, que é um desdobramento do protestantismo na ordem política e social.

Essa Revolução teve como filho o malfadado movimento socialo-comunista, o qual, por sua vez, deverá preparar o caos final que é o ambiente em que se manifestará o Anticristo.

Na batalha das Navas de Tolosa, os reis espanhóis conseguiram segurar a ofensiva islâmica com sobrenatural vigor militar
Na batalha das Navas de Tolosa, os reis espanhóis
conseguiram segurar a ofensiva islâmica com sobrenatural vigor militar
“[1º] no século VI – explicou o bem-aventurado – Satanás saiu de seu cárcere em pé de guerra e apresentou batalha contra a Igreja. Fundou o império da Turquia. (...)

[2º] Depois desse combate, Satanás apresentou outro sob forma diversa. (...) Tendo-se adentrado no próprio santuário, promoveu um cisma. (...)

“então o Oriente se separou da Igreja latina e sobre essas ruínas ergueu seu segundo império ainda mais terrível que o primeiro, quer dizer, o da Rússia.

[3º] Satanás passou despercebido nessas duas primeiras batalhas e preparou um terceiro ataque contra o centro da Europa católica. Lutero foi o escolhido; (...)

“o protestantismo erigiu no seio da Europa o terceiro império de Satanás (...)

[4º] Triunfante nessas três batalhas, montou o quarto ataque. A Itália, a Espanha, a França: essas três nações tinham se salvado, e a Áustria ainda não havia sucumbido. (...)

“o catolicismo ainda se mantinha firme sobre essas quatro colunas. Satanás organizou todas suas legiões e deu o assalto. E depois da luta mais sangrenta jamais vista, ele venceu.

“Sobre as ruínas da Igreja na França apareceu no fim do século passado [N.T.: século XIX] uma bandeira:

“e era aquela mesma que ondejou no Céu sobre as cabeças das legiões revolucionárias: Guerra a Deus! Revolução!
” (“Una ilusión funesta”, El Ermitaño, Nº 156, 2-11-1871).

Encadeamento processivo protestantismo-Revolução Francesa-comunismo

As duas primeiras ofensivas – do islamismo e dos cismas – foram desencadeadas separadamente, com pouca ou nenhuma relação ostensiva entre si.

Mas entre a terceira, a quarta e suas derivadas, a conexão é patente, segundo o bem-aventurado.

Ele considerava o protestantismo como o verdadeiro pai da Revolução Francesa e esta a verdadeira mãe do comunismo.

E via que no futuro – hoje, nos presentes dias – o comunismo geraria o caos universal, preparando a vinda do Anticristo.

Paris incendiada pelos "communards" (adeptos do comunismo) em 1871.
Paris incendiada pelos "communards" (adeptos do comunismo) em 1871.
Ele explicou essa geração progressiva de revoluções comentando o esmagamento da Comuna de Paris – primeira revolução comunista da História – pelas tropas republicanas:

“Desaparecerão de Paris os Vermelhos, mas ela [N.R.: a Revolução] tornar-se-á rainha e senhora dos vencedores, adorada por todos os que na aparência a combatem.

“Por acaso o vermelho [N.R.: o comunismo] e o tricolor [N.R.: o seguidor da Revolução francesa] não são filhos de uma mesma mãe?

“Essa mãe cruel que queima vivos seus filhos não é a Revolução Francesa de 1793, concebida no século XV pelo protestantismo alemão?”

(“La Revolución en París”, El Ermitaño, Nº 135, 8-6-1871).

Profanação das igrejas durante a Comuna (1ª revolução comunista) de Paris
Profanação das igrejas durante a Comuna
(1ª revolução comunista) de Paris
E comentando a aparente derrota da Internacional socialo-comunista na Comuna de Paris, ele sublinhava:

“A Revolução que estourou na França acaba de receber um golpe, à primeira vista mortal.

“Mas não é assim: a Revolução tem cabeça de serpente, que permanece oculta, escondida nos clubes maçônicos, e desde ali ataca toda autoridade visível.

“Como lei fundamental, a Revolução não tem rei nem cabeça, porque seu rei e sua cabeça é o diabo.

“O diabo encarnado no protestantismo alemão, vendo que Napoleão III dava forma de império à Revolução sua filha (...)

“invadiu a França e com pasmo e admiração do orbe inteiro, num abrir e fechar de olhos pôs a rodar pelo chão estrangeiro essa cabeça [N.T.: de Napoleão III] e agora apresenta sua obra tal como ela é.

“Isto é, sem cabeça, sem rei, com a forma que ele lhe deu quando nasceu em 1792
” (“La causa de la religión: defensa”, El Ermitaño, Nº 126, 6-4-1871).


Vídeo: O Beato Palau e o rochedo do Vedrà




Continua no próximo post: “Sacerdotes” da Revolução anticristã promovem o retorno ao paganismo


segunda-feira, 26 de junho de 2017

Incêndios em Portugal: quando a Mãe é ofendida,
como reagirá o Filho?

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





No centenário das Aparições em que Nossa Senhora de Fátima advertiu os homens para abandonarem a imoralidade, estamos assistindo a fatos assustadores e inimaginados.

Que ano poderia ser mais propício para a hierarquia católica retomar com fervor e clareza a pregação moral católica, alicerçada nas palavras de Nossa Senhora em Fátima?

A moral familiar, por exemplo, tão necessitada de uma restauração. Essa só poderá vir com um auxílio sobrenatural, com a frequentação dos sacramentos, com a recitação do Terço e a prática das devoções tradicionais.

E o comunismo, a tintura-mãe de todas as formas da imoralidade? Ele continua sendo espalhado desde a Rússia, mas também pelos agentes da Revolução Cultural, amigos da “nova-Rússia”, instalados em muitos governos do Ocidente!

Nada! Nada digno de destaque está sendo feito face à grave decadência moral que devasta o mundo.

S.S.Francisco I foi a Fátima, canonizou os santos pastorinhos Jacinta e Francisco. Mas o apelo à conversão pedido em Fátima e que desejávamos ouvir do Santo Padre com o vigor com que o Beato Urbano II convocou as Cruzadas, não veio.

Fez-se um impressionante silêncio.

Silêncio? Só silêncio?

Multiplicam-se as blasfêmias e atentados sacrílegos. O inferno já nada respeita.

Em 20 de abril, o “Diário de Notícias”, jornal de referência de Lisboa, ecoava a indignação que circulava nas redes sociais portuguesas por um objeto com cariz de culto fálico que está à venda em site da Internet como uma versão de Nossa Senhora de Fátima!

Pranto miraculoso de uma imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima.
Aconteceu em 1970 em Nova Orleans.
A cidade ficou insensível... e veio o furacão Katrina! Por que?
A blasfema peça cujo nome oficial é “Escultura Nossa Senhora” custa quase 500 reais e foi confeccionada “na sequência do centenário das aparições”, segundo o “Diário de Notícias”.

A ofensa dificilmente poderia ser maior. Nossa Senhora como boa mãe perdoa tudo, mas não devemos nos espantar se seu Divino Filho faz sentir o que pensa dessa agressão atroz à Sua virginal Mãe.

O sacerdote espanhol Alfonso Gálvez verteu lágrimas de sangue, se isso pode ser feito num artigo de Internet.

Entre outras coisas, pelo silêncio sobre a simples possibilidade de que os recentes incêndios em Portugal estejam relacionados com a má recepção da mensagem de Nossa Senhora em Fátima. O religioso se exprimiu longamente no site Adelante la Fé.

Ele evoca quanto foi “desvirtuada e falsificada a Mensagem de Nossa Senhora” nos presentes dias. E cita com horror os cultos pagãos e até esotéricos praticados no santuário de Fátima em nome de um enviesado “ecumenismo”.

O sacerdote lembra as colunas exteriores do santuário recobertas com as cores distintivas da agenda LGBT, e outros eventos que antes seriam tidos em conta de “chacota geral contra os autênticos devotos da Virgem e contra a verdadeira Fé”.

O Pe. Gálvez se espanta que ninguém lembre a possibilidade de os incêndios que estouraram em Portugal serem consequência das tentativas de enxovalhar a grande devoção de Fátima.

E conclui que é perigoso os homens não levarem a sério a infinita paciência de Deus. Porque nós desconhecemos o ponto em que essa divina e adorável paciência atinge seu limite, sobre tudo quando insultada Sua amadíssima e Santíssima Mãe.

Em 17 de junho, os habitantes das aldeias de Pedrógão Grande no departamento de Leiria, encostado no departamento de Santarém onde fica o santuário de Fátima, viram eclodir incêndios de características inéditas.

E essa é a opinião dos mais anciões moradores que assistiram a muitas outras conflagrações nos bosques locais.

Eles o descreveram como “uma coisa de repente que passou e que parecia o diabo”: um incêndio histórico que se assemelhava a um “inferno nunca visto”, segundo o “Diário de Notícias”.

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande Valdemar Alves, equivalente a um prefeito, sublinhou dizendo: “aquele inferno que me mostravam na igreja quando andava na catequese”. Cfr TSF.

“Foi uma coisa fora do normal”, testemunhou António Dinis. “Não há explicação, foi uma coisa de repente que passou e que parecia o diabo”, acrescentou Joaquim Costa.

O prefeito de Pedrógão Grande: “aquele inferno que me mostravam na igreja quando andava na catequese”
O prefeito de Pedrógão Grande: “aquele inferno
que me mostravam na igreja quando andava na catequese”
João Silva dos Santos, um dos pilotos que atuaram no combate ao incêndio, relatou: “assisti a trovoadas secas com relâmpagos brutais a cair na floresta, ventos fortíssimos e sempre a mudar de direção e um tipo de nebulosidade que nunca tinha visto... quando julgava que já tinha visto tudo afinal estava enganado”, recolheu o “Observador”, jornal eletrônico português.

Dezenas de milhares de hectares foram consumidos pelas chamas. As aldeias ficaram desabitadas, imersas em mortal silêncio. Cifras provisórias falam de 64 mortos e mais de 200 feridos.

O antigo comandante dos Bombeiros de Pedrógão Grande, João Dias, confirmou à agência Lusa: “o vento era como o diabo, que corria mais do que nós”, segundo Tvi24.

“Como o diabo” é um modo de dizer, mas quão eloquente!

“Isto foi a morte que saiu à rua”, dizia Maria dos Anjos, de 90 anos, à agência Lusa.

Maria Augusta Nunes de 84 anos assistiu a muitos incêndios em sua longa vida, mas nunca vira algo igual e insistia sem vontade de fazer muita metáfora: “o vento era o Diabo que levava o fogo para todo o lado”, reproduziu o site Ciberia.

Pormenor expressivo: “da igreja para cima há luz desde ontem de manhã, da igreja para baixo não há luz”, contou Vítor Bernardino.

O primeiro-ministro António Costa falou da “pior tragédia da história recente do país”, informou “O Globo”. 

“Estamos diante da maior tragédia de vítimas humanas dos últimos tempos por uma calamidade desse tipo” acrescentou, segundo “El País” de Madri.

O incêndio começou durante uma tempestade elétrica “seca” (a chuva se evapora antes de tocar terra, mas com descargas).

Foi tão rápido que famílias inteiras que voltavam da praia ou de passeio ficaram carbonizadas no meio da estrada sem poderem sair de seus carros. Na estrada nacional EN236 a temperatura atingiu os 1.100ºC quando num forno crematório atinge 900ºC, segundo “El Mundo”.

O secretário-geral das Nações Unidas, a União Europeia, o Papa Francisco e as autoridades do santuário de Fátima enviaram mensagens humanitárias aos atingidos.

Não encontramos na abundante informação difundida pela Internet, notícias de eclesiásticos que tenham ido ao local para dar assistência religiosa a feridos, moribundos e fiéis afundados no desespero pela perda de familiares, amigos e vizinhos.

“Apenas pensei: ‘meu Deus, nos ajuda porque não temos mais ninguém’”, contou Paula. Ela viu um carro passando e batendo contra uma castanheira. “Ficaram todos carbonizados”, afirmou.


O britânico Gareth Roberts, de 36 anos, mora em Portugal há quatro anos conseguiu escapar das chamas por muito pouco e contou sua história à BBC.

Como a maioria dos mortos, ele estava voltando de carro para casa com sua mulher e ficaram subitamente envoltos pelo bosque em chamas. Mas, eles conseguiram descer na aldeia de Mó Grande, também cercada pelo fogo.

“Um homem gritou nos oferecendo abrigo em sua casa, (...) ficamos sem energia e as chamas vieram como um tornado feroz e vermelho passando pelas janelas. Nós nos encolhemos no chão durante uma hora, tentando respirar, rezando, chorando”, lembra.

“Não sou um homem religioso, mas não tenho vergonha de dizer: estava rezando, todos estávamos. Não havia mais nada a fazer”, conta.

“Agora a única coisa que posso fazer é rezar por Portugal”, conclui.

É o que nós fazemos de todo coração.

Mas, só por Portugal?

O Brasil, e o mundo todo, não precisam também de muitas orações em função de tragédias que podem advir e que foram preanunciadas por Nossa Senhora em Fátima se não moralizava os costumes?


Vídeo: Incêndios em Portugal: ofendem a Mãe, o que querem que o Filho faça?











segunda-feira, 19 de junho de 2017

Beato Palau: ver a Revolução para entender o que está acontecendo

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs
Beato Francisco Palau y Quer O.C.D. (1811-1872)
Beato Francisco Palau y Quer O.C.D. (1811-1872)
Nota biográfica do Beato Francisco Palau O.C.D.

O bem-aventurado Francisco Palau y Quer O.C.D. nasceu no dia 20 de dezembro de 1811 em Aytona, na província espanhola de Lérida, e faleceu em 20 de março de 1872 socorrendo as vítimas de uma epidemia em Tarragona, Espanha.

Fundou em Barcelona a “Escola da Virtude”, modelo de ensino catequético, e em 1860-61 as congregações de irmãos e irmãs carmelitanas terceiras, que deram origem às congregações de Carmelitas Missionárias Teresianas e às Carmelitas Missionárias.

Pregou missões populares e difundiu a devoção a Nossa Senhora. Foi beatificado em 24 de abril de 1988. Sua festa litúrgica se celebra em 7 de novembro.

O Beato Palau professou seus votos na Ordem do Carmo em 15 de novembro de 1833, tempo de perseguição religiosa.

Em 25 de julho de 1835 as turbas republicanas, socialistas e comunistas incendiaram as casas religiosas, inclusive o convento do Beato. Ele se exilou numa gruta em Aytona conhecida como Cueva del Padre Palau que hoje é santuário mariano objeto de romarias.

Após novas convulsões, ele foi constrangido ao exílio na França, onde residiu por onze anos, até 1851, numa gruta perto do santuário de Notre Dame du Livron. Sua fama de santidade e os milagres que o povo lhe atribuía, atraiu a inimizade do clero local que se sentia “diminuído” por um religioso estrangeiro.

Voltou à Espanha em 13 de abril de 1851. Nomeado diretor espiritual do seminário diocesano de Barcelona, ele organizou a “Escola da Virtude” nos bairros operários.

O extraordinário sucesso da Escola para tirar o povo da influência revolucionária anticristã motivou arruaças socialistas e comunistas.

O governo liberal desterrou então o Beato Palau para a ilha de Ibiza, onde residiu durante seis anos e fundou um eremitério consagrado a Nossa Senhora do Carmo, primeiro santuário mariano da ilha.

Autor de vários livros, no fim de sua vida criou e foi o principal redator do semanário literário, político e religioso “El Ermitaño”, onde publicou suas reflexões sobre o presente e o futuro da Igreja e da humanidade.

Seus escritos se destacam pelas luzes proféticas. Sua linguagem utiliza muitas figuras e símbolos.

No fim de vida o Beato fez muitos exorcismos e pediu ao Papa Pio IX uma mobilização em massa do clero para exorcizar os demônios que possuem o mundo. Enviou ao Concilio Vaticano I uma raciocinada petição sobre o tema.

Em “El Ermitaño” o Beato Palau via os problemas religiosos, políticos, sociais, econômicos – e até os tecnológicos – como fazendo parte de um só e imenso movimento que, animado por Lúcifer e seus sequazes, procurava derrubar a Igreja Católica e a ordem social cristã.

Arguto e intenso analista das informações que chegavam a Barcelona através de jornais e telégrafos, ele teceu panoramas inspirados pela Fé e pela teologia nos quais é difícil recusar a inspiração profética.

O bem-aventurado Palau julgava que o conhecimento da Revolução, de sua existência, suas metas, seus métodos e agentes, é a chave para decifrar o aparentemente tão caótico acontecer moderno.

Ele dizia que se não se considerasse a realidade à luz dela, perder-se-ia a noção do que se está dando em torno de nós.

Mas seus contemporâneos mal viam a Revolução. Esta tinha cegado suas vítimas, estava se apossando dos poderes temporais e espirituais e imprimia o rumo dos fatos na terra. Explicava ele:

“o miserável mortal não vê (...) que há uma combinação para o mal, (...) sustentada e defendida por todos os poderosos da terra, animados, dirigidos e ordenados sob as ordens de um só príncipe, que é o diabo.

“Não vê esse anjo revolucionário que, executando um plano coerente que vai percorrendo os séculos, conseguiu fazer-se coroar com a glória e o poder de todos os reis do mundo civilizado” (“El reino de Satán sobre la tierra”, El Ermitaño, Nº 32, 10-6-1869).

O bem-aventurado deplorava que as boas iniciativas sofressem frustrações uma após outra. A causa disso radicava em que os seguidores das causas justas não atinavam para a unidade e a universalidade da Revolução:

“O que é a revolução da Espanha? – Um chifre, uma coroa sobre uma das sete cabeças do dragão infernal, essa cabeça se tornou visível nos atos de demolição e destruição de toda a ordem social; (...)

“essa cabeça vai formando um mesmo corpo de delito com as demais nações, formando em todas elas uma maldade única, um exército único, um só dragão, uma coisa só, e essa unidade e sustentada pelo príncipe tenebroso” (id. ibid).

“Se a revolução da Espanha é olhada segundo os cálculos da política, seu triunfo não tem explicação. Se julgamos com as leis da prudência humana aquilo que noticia a imprensa, tudo aparece tenebroso, incerto e movediço.

“Porém, se consideramos que a Revolução está combinada desde séculos passados com a da Itália, com a da França, com a dos protestantes, (...) nossos juízos e cálculos serão mais acertados e proveitosos” (“España: la esperanza de los católicos”, El Ermitaño, Nº 10, 7-1-1869).

Os “sacramentos” da Revolução e a possessão diabólica

O Beato Palau sofreu atroz perseguição das forças das trevas, angélicas e humanas
O Beato Palau sofreu atroz perseguição
das forças das trevas, angélicas e humanas.
Teve larga experiência pastoral com as possessões
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: “Sacerdotes” da Revolução anticristã promovem o retorno ao paganismo



O bem-aventurado Palau considerava que assim como os verdadeiros sacerdotes de Nosso Senhor Jesus Cristo distribuem os Sacramentos, os verdadeiros chefes e altos ministros da Revolução recorrem às artes mágicas numa forma e dimensão insuspeitada.

Suas manobras políticas ou sociais embutem bruxedos que funcionam como anti-“sacramentos” revolucionários, portadores de uma influência de Satanás.

O Ritual Romano (Rituale Romanum, Titulus XI, caput I, De exorcizandis obsessis a daemonio, n. 20, Desclée et socii, Romae-Tornaci-Parisiis, 1926, p. 446) adverte que nos casos de malefícios, possessões e práticas mágicas, o mago ou a feiticeira manda entregar à vítima algum fetiche ou objeto embruxado.

A esse objeto está unida tal o qual influência diabólica. Certos chefes revolucionários que estão em contato com os demônios recorrem a práticas análogas.

Mas eles não se servem de feitiços vulgares. Em lugar disso, a influência diabólica está ligada a leis ou normas anticristãs ou antinaturais.

Isso não é de espantar. Por exemplo, em nossos dias, Lucien Greaves, porta-voz do grupo Satanic Temple dos EUA, reivindicou o “casamento” homossexual como um “sacramento” da religião diabólica, segundo informou o site LifeSiteNews.

Assim explicava o bem-aventurado Palau:

“Se o malfeitor é um homem da política, (...) eis o malefício político. Consiste ele em danificar não o indivíduo ou a família, mas diretamente uma nação inteira.

“Como? Por meio de leis ímpias, bárbaras, que despojam a nação de tudo quanto há nela de santo e sagrado. Desses centros procedem os decretos emitidos contra os prelados, contra as Ordens religiosas, contra a religião. (...)

“o malefício político tem o apoio do poder dos demônios de hierarquia superior. (...) o malefício político é o mais terrível porque pega em massa uma ou mais nações, o mundo inteiro” (“El dogma católico con referencia a la redención de la sociedad actual”, El Ermitaño, Nº 170, 8-2-1872).

Nas camadas mais subterrâneas do “sacerdócio” revolucionário, a entrega da alma ao demônio é voluntaria:

“Nesta associação abominável o segredo de tudo quanto se pratica é imposto sob pena de morte, sendo os demônios encarregados de castigar o perjuro. O sigilo raras vezes é rompido.

“Esses homens e essas mulheres são uma espécie de energúmenos, mas voluntários, e porque já em vida fizeram entrega de sua alma, corpo, pessoa e bens ao diabo, é raro o caso de que algum deles possa se converter a Deus” (“Relaciones entre los espíritus e el hombre”, El Ermitaño, Nº 119, 16-2-1871).

O P. Palau identificava o centro desse sacerdócio na atividade de sociedades secretas.


O Beato Pio IX alertou muitas vezes sobre as conspirações secretas contra a Igreja
O Beato Pio IX alertou muitas vezes sobre as conspirações secretas contra a Igreja
Excede os limites do presente trabalho entrar em questão tão vasta . Remetemos os interessados às obras de Mons. Henri Delassus, especialmente: “La conjuration antichrétienne – Le Temple Maçonnique voulant s'élever sur les ruines de l'Église Catholique”, Société Saint-Augustin – Desclée De Brouwer et Cie, Lille, 1910, 3 vol.

O Papa Leão XIII, de feliz memória, resumiu o ensino dos Papas sobre a maçonaria nos seguintes termos:

“’Dois amores formaram duas cidades: o amor de si mesmo, atingindo até o desprezo de Deus, uma cidade terrena; e o amor de Deus, atingindo até o desprezo de si mesmo, uma cidade celestial’ [Santo Agostinho].

“Em cada período do tempo uma tem estado em conflito com a outra, com uma variedade e multiplicidade de armas e de batalhas, embora nem sempre com igual ardor e assalto.

“Nesta época, entretanto, os partisans (guerrilheiros) do mal parecem estar se reunindo, e estar combatendo com veemência unida, liderados ou auxiliados por aquela sociedade fortemente organizada e difundida chamada os Maçons.

“Não mais fazendo qualquer segredo de seus propósitos, eles estão agora abruptamente levantando-se contra o próprio Deus.

“Eles estão planejando a destruição da santa Igreja publicamente e abertamente, e isso com o propósito estabelecido de despojar completamente as nações da Cristandade, se isso fosse possível, das bênçãos obtidas para nós através de Jesus Cristo nosso Salvador. (…)

“Os Pontífices Romanos nossos predecessores, em sua incessante vigilância pela segurança do povo Cristão, foram rápidos em detectar a presença e o propósito desse inimigo capital tão logo ele saltou para a luz ao invés de esconder-se como uma tenebrosa conspiração; e, além disso, eles aproveitaram e tomaram providências, pois a eles isso competia, e não permitiram a si mesmos serem tomados pelos estratagemas e armadilhas armadas para enganá-los.

“A primeira advertência do perigo foi dada por Clemente XII no ano de 1738, e sua constituição foi confirmada e renovada por Bento XIV.

“Pio VII seguiu o mesmo caminho; e Leão XII, por sua constituição apostólica, Quo Graviora, juntou os atos e decretos dos Pontífices anteriores sobre o assunto, e os ratificou e confirmou para sempre. No mesmo sentido pronunciou-se Pio VIII, Gregório XVI, e, muitas vezes, Pio IX.

“Tão logo a constituição e o espírito da seita maçônica foram claramente descobertos por manifestos sinais de suas ações, pela investigação de suas causas, pela publicação de suas leis, e de seus ritos e comentários, com a frequente adição do testemunho pessoal daqueles que estiveram no segredo, esta sé apostólica denunciou a seita dos Maçons, e publicamente declarou sua constituição, como contrária à lei e ao direito, perniciosa tanto à Cristandade como ao Estado; e proibiu qualquer um de entrar na sociedade, sob as penas que a Igreja costuma infligir sobre as pessoas excepcionalmente culpadas.

“Os sectários, indignados por isto, pensando em eludir ou diminuir a força destes decretos, parcialmente por desprezo, e parcialmente por calúnia, acusaram os soberanos Pontífices que os passaram ou de exceder os limites da moderação em seus decretos ou de decretar o que não era justo.”

(Leão XIII, Encíclica Humanum Genus, 20 de abril de 1884, apud Acción Católica Española, Colección de Encíclicas e documentos pontificios, 4ª ed., Publicaciones da Junta Técnica Nacional, Madrid, 1955, LXI+1644+351 págs., págs 36 e ss. No site do Vaticano).

“Nos antros tenebrosos das lojas, os franco-maçons constituem com os demônios uma família e uma sociedade, comunicando-se com eles sob mil formas e meios.

“O diabo-rei está com o Grande Oriente à testa da franco-maçonaria como Cristo com Pio IX à frente de toda a Igreja: Pio IX é a cabeça visível da Igreja, e Cristo é a cabeça invisível.

“O Grande Oriente é a cabeça visível do império do mal, e o diabo-rei é sua cabeça invisível. Não há soberano na terra que não esteja iniciado nos segredos da franco-maçonaria” (“Milagros del espiritismo”, El Ermitaño, Nº 138, 29-6-1871).

Também de modo mais difuso, porém mais perceptível ao homem comum, dito “sacerdócio” se exerce através das práticas supersticiosas e mágicas que procuram entrar em contato com espíritos do além.

Estas últimas apresentavam no século XIX formas que hoje se metamorfoseiam. E também incluem a camaleônica proliferação de satanismo, com rótulos genéricos como New Age e suspeitas “medicinas alternativas”.

“O espiritismo – dizia o bem-aventurado – é o sacerdócio do paganismo moderno, e seus apóstolos fazem coisas deveras prodigiosas. Entre outras, têm o poder de curar, não pela graça, mas um poder comunicado por Belzebu, príncipe de todos os demônios” (id. ibid.).

Monumento público ao Anjo Caído, Madri, Espanha
Monumento público ao Anjo Caído, Madri, Espanha
O Beato Palau identificava três níveis de demônios em função de seu contato com os homens.

Em geral, os que se apossam dos corpos humanos pertencem a categorias menos relevantes.

Os demônios de um grau superior tomam conta de figuras revolucionárias de destaque como, por exemplo, Lutero, Robespierre ou Lenine.

Por fim, a terceira e pior categoria está em conúbio com os máximos dirigentes da Revolução, que habitualmente agem despercebidos do comum dos homens e inclusive de muitos revolucionários.

“Eu vejo – explicava – todas as forças inimigas divididas em três grandes corpos de exército: cada um dele dispõe de milhões de combatentes.

Um deles está alojado nos corpos humanos, (...)

Outro corpo de exército ocupa (...) as altas regiões da política. Destronados todos os Reis católicos, seus tronos estão ocupados por homens possuídos pelo diabo (...)

“Há outro exército, que é o que dirige os dois primeiros. Seu quartel-general está montado numa sociedade de homens que se intitulam espíritas, ou com o nome de magos e maléficos. (...)

Os demônios (...) dirigem desses clubes maçônicos todas suas forças engajadas na batalha contra Cristo e sua Igreja” (“Crónica del teatro de la guerra”, El Ermitaño, Nº 85, 23-6-1870).

A experiência pastoral, especialmente a prática de exorcista, permitia ao B. Palau denunciar com documentos e exemplos concretos essa colusão de homens e demônios.

Em numerosos artigos de “El Ermitaño” estão descritos exorcismos praticados pelo Beato Palau com confissões dos demônios possuidores, e/ou a transcrição de pactos com Satanás.

A consideração do recurso revolucionário aos demônios em nada desanimava o bem-aventurado que, acreditava firmemente que os anjos da luz combatem do lado do bem.

Tais anjos, além de seus incalculáveis poderes naturais, são portadores da graça divina.

E acima deles o Beato Palau venerava a Santíssima Virgem, Rainha dos Anjos e general supremo, que ordena as milícias celestes a iniciarem os movimentos para o esmagamento da Revolução, de seus chefes e sequazes.

Se os fiéis se voltarem para Ela e para as coortes celestes invocando o seu socorro, terão aliados invencíveis.

A Revolução infiltrada na Igreja

As mencionadas associações mais ou menos secretas estavam amplamente disseminadas e articuladas na sociedade civil, a partir da qual se introduziram na esfera eclesiástica.

Detalhe do Juízo Final. Stefan Lochner (1410-1451), Wallraf-Richartz-Museum, Colônia
Detalhe do Juízo Final. Stefan Lochner (1410-1451), Wallraf-Richartz-Museum, Colônia
Num diálogo figurativo a respeito do Concilio Vaticano I, o Beato Palau põe nos lábios de Deus a seguinte explicação:

“Pela corrupção dos costumes [Satanás] entrou no Sancta Sanctorum, e enquanto dirige todos os reis e poderes políticos da terra em batalha contra mim lá no lado de fora da cidade santa, de dentro de meu próprio alcácer paralisa minha ação, entorpece minhas empresas e frustra meus projetos” (“Roma vista desde la cima del monte”, El Ermitaño, Nº 58, 9-12-1869).

Referindo-se aos aludidos “sacerdotes” do demônio, escreveu:

“alguns desses homens e mulheres apresentam uma virtude religiosa aparente, confessam, ouvem missa, comungam frequentemente.

“Mas, o que digo? Horror! Recolhem as hóstias, levam-nas para casa e as apresentam em suas satânicas funções para pisoteá-las.

“Esses são os Judas dentro do próprio santuário, que introduziram os demônios no lugar que não lhes corresponde, e enchem o templo de Deus de abominações” (“El malefício”, El Ermitaño, Nº 103, 27-10-1870).

“Satanás entrou no santuário – acrescentava –, e o encheu de abominações, sustentado por poderes que se dizem católicos, e de dentro do próprio santuário faz a guerra contra nós, uma guerra atroz, a más perigosa que a Igreja jamais teve de travar. (...)

“porque convêm ao inimigo nos combater de dentro da própria fortaleza, por isso leva o uniforme de católico, e o nome, e com o nome apresenta certas realizações religiosas, para fascinar as turbas e levar a confusão até o Céu” (“Campamento de epidemia en Vallcarca”, El Ermitaño, Nº 99, 29-9-1870).

Em 1968, S.S. Paulo VI afirmou que “a fumaça de Satanás entrou no lugar sagrado” (Discurso para o Pontifício Seminário Lombardo, 7-12-68, Insegnamenti di Paolo VI, Tipografia Poliglotta Vaticana, 1968, vol. VI, p. 1188; e Homilia “Resistite Fortes in fide”, 29-6-1972, ibid., 1972, vol. X, p. 707).

Cem anos antes, o Beato Palau já denunciava com horror essa penetração na Igreja.


Continua no próximo post: Revolucionários forçam marcha alucinada do mundo e a rede de intercomunicação global


Vídeos sobre o exorcismo hoje. Fala Mons. Rubens Miraglia Zani, pároco de Nossa Senhora do Líbano, Baurú-SP:








segunda-feira, 12 de junho de 2017

2017: onda de sacrilégios contra a Eucaristía,
contra Nossa Senhora e contra os Santos

Capela com o relicário do cérebro de don Bosco na basílica, antes do roubo sacrílego. No destaque: a artística urna com a preciosa relíquia do santo
Capela com o relicário do cérebro de don Bosco na basílica, antes do roubo sacrílego.
No destaque fotográfico: a artística urna com a preciosa relíquia do santo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O ano de 2017 vem sendo marcado por uma onda de sacrílegos atentados contra Nossa Senhora em diversos países coincidindo estranhamente com o centenário das Aparições de Fátima.

Eis alguns satânicos exemplos:

Roubada urna com o cérebro de São João Bosco

O mundo católico inteiro estremeceu pelo roubo da urna-relicário que contem parte do cérebro de São João Bosco, segundo informou “Il Corriere della Sera” e a grande imprensa italiana.

O relicário se encontrava na Basílica de Colle Don Bosco, no município de Castelnuovo, Asti, numa capela por trás do altar principal.

É o local exato em que o grande don Bosco nasceu o dia 16 de agosto de 1815.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Santa Brígida: a condenação eterna do mau papa
e dos maus; e prêmio aos católicos fiéis

Santa Brígida viu a condenação eterna do mau papa, dos maus clérigos e leigos católicos, do judeu e do pagão e o prêmio divino e sem fim aos católicos fiéis
Santa Brígida viu a condenação eterna do mau papa, dos maus clérigos e leigos católicos,
do judeu e do pagão e o prêmio divino e sem fim aos católicos fiéis
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




continuação do post anterior: Santa Brígida e o julgamento do mau papa, dos maus clérigos e laicos católicos, dos judeus e dos pagãos




prossegue a visão:


“São João Batista respondeu:

“És como um espelho imaculado. Vemos e sabemos todas as coisas em ti como em um espelho, sem necessidade de palavras.

“És a doçura incomparável na qual saboreamos todo o bem. É como a mais afiada das espadas e um Justo Juiz”.

O Senhor lhe respondeu:

“Amigo meu, o que disse é certo. Meus eleitos veem toda a bondade e justiça em mim.

“Os espíritos diabólicos ainda o fazem, mesmo que não na luz, mas em sua própria consciência.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Santa Brígida e o julgamento do mau papa, dos maus clérigos e laicos católicos, dos judeus e dos pagãos

Santa Brígida da Suécia, igreja de Bollnäs-Rengsjö, Suécia, c.1500
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





continuação do post anterior: Santa Brígida e o juízo de Deus a cinco homens simbólicos desde o mau papa até os bons católicos


prossegue a visão:

“Agora declaro meu desgosto para contigo, cabeça de minha Igreja, tu que te sentas em minha cátedra.

“Concedi este cargo a Pedro e a seus sucessores para que se sentassem com uma tripla dignidade e autoridade:

“primeiro, para que pudessem ter o poder de ligar e desligar as almas do pecado;

“segundo, para que pudessem abrir o Céu aos penitentes;

“terceiro, para que fechassem o Céu aos condenados e àqueles que me desprezam.

“Mas tu, que deverias estar absolvendo almas e me as oferecendo, és realmente um assassino das minhas almas.

“Designei Pedro como pastor e servo de minhas ovelhas, mas tu as dispersas e as feres, és pior que Lúcifer.

“Ele tinha inveja de mim e não perseguiu para matar ninguém mais que a mim, de forma que pudesse governar em meu lugar.

“Mas tu és o pior, porque não só me matas ao apartar-me de ti por teu mau trabalho senão que, também, matas as almas devido ao teu mau exemplo.

“Eu redimi almas com meu sangue e te as recomendei como a um amigo fiel.

“Mas tu as devolves ao inimigo do qual eu as resgatei, és mais injusto que Pilatos.

domingo, 28 de maio de 2017

Santa Brígida e o juízo de Deus a cinco homens simbólicos:
desde o mau papa até o bom católico

Santa Brígida de Suécia: suas visões impressionaram profundamente
Santa Brígida da Suécia: suas visões impressionaram profundamente
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Dados hagiográficos sobre Santa Brígida da Suécia e suas visões


Brígida Birgersdotter (1303-1373), ou Santa Brígida da Suécia, foi filha de um governador casado com a filha de outro governador. Santa Brígida, portanto, pertencia à nobreza, classe alta de seu país.

Quando tinha sete anos teve uma visão de Nossa Senhora e quando tinha dez sonhou com Jesus coberto de sangue. Desde esse momento foi grande devota da Paixão de Nosso Senhor.

Casou quando tinha 14 anos e viveu felizmente com seu esposo durante 28 anos. Por fim, os dois decidiram se dedicar à vida consagrada.

Brígida foi chamada à Corte na qualidade de dama de companhia da rainha. Ali aplicou todos os seus esforços para endireitar o casal real débil e viciado. O casal ouvia seus conselhos, mas voltava a cair nos mesmos defeitos.

Sua vida foi marcada por visões, milagres, romarias e um grande trabalho de apostolado com os pobres e os incrédulos.

Ela foi difamada e perseguida por causa de seus sonhos e visões.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

1º Centenário de Fátima:
promessas, recusas castigos e grandes perdões

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em Fátima Nossa Senhora prometeu um prêmio e um castigo:

…”é o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo de seus crimes por meio da guerra,

da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. (…) Se atenderem a meus pedidos,

a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo,

promovendo guerras e perseguições à Igreja; os bons serão martirizados,

o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas;

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Nossa Senhora fez com os pastorinhos de Fátima o que fará com a humanidade no triunfo de seu Imaculado Coração

Santa Jacinta Marto, na Reixida, Cortes, 17-09-1917
Santa Jacinta Marto, na Reixida, Cortes, 17-09-1917
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O Padre João De Marchi I.M.C., é um dos autores melhor conceituados que escreveram sobre as aparições de Fátima.

Ele escreveu, entre outros livros, “Era uma Senhora mais brilhante do que o sol…” (Seminário das Missões de Nossa Senhora de Fátima, Cova da Iria, 3a. Edição):



“A verdadeira diretora espiritual de Jacinta, Francisco e Lúcia foi, essencialmente, Nossa Senhora.

“A bondosa Senhora da Cova da Iria tomou à sua conta a realização dessa obra-prima e, como não poderia deixar de ser, a levou a cabo com pleno êxito.

“Das suas mãos prodigiosas saíram três anjos revestidos de carne, mas que, ao mesmo tempo, eram três autênticos heróis. A matéria prima era de uma plasticidade admirável e da Artista o que mais dizer?

“Na sua escola os três serranitos deram em breve tempo passadas de gigantes no caminho da perfeição.

“Nela se verificou à letra as palavras de um grande devoto de Maria, São Luiz Maria Grignion de Monfort: Na escola da Virgem, a alma progride mais numa semana do que num ano fora dEla.

“A pedagogia da Mãe de Deus não sofre confrontos.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Uma pergunta sobre a frase
“Roma perderá a fé e se tornará sede do Anticristo”

Grande incêndio de Roma no ano 64, Thomas Cole (1801 – 1848)
Grande incêndio de Roma no ano 64, Thomas Cole (1801 – 1848)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Recebemos a seguinte pergunta, e como a preocupação que revela é assaz espalhada a reproduzimos neste post. Ei-la:
Olá,

Nossa Senhora em La Salette disse mesmo esta frase: "Roma perderá a fé e se tornará sede do anti-cristo"?

Eu creio que isso é possível. Quero saber e a frase está nas profecias reconhecidas e oficiais.

Muito obrigado!
T.M.

Prezado T.M.,

Efetivamente, essa frase se encontra no texto recebido pelo Beato Papa Pio IX, e está nos originais que se encontram no Vaticano e que foram analisados e publicados pelos padres René Laurentin e Michel Corteville.

Igualmente consta da tese de láurea do Pe. Michel Corteville aprovada pelo Angelicum, a famosa Universidade dominicana de Roma.

Por vezes, porém, tem sido utilizada de modo extrapolado ou exagerado. Até a propganda russo-cismática tenta explorá-la desavergonhadamente contra a Cátedra de Pedro, o Papado de Roma.


O Segredo de La Salette ‒ que desde 1858 não é mais segredo, i. é, foi publicado na integridade ‒ faz uma descrição histórica dos acontecimentos futuros, desde aquela época até o fim do mundo.

E essa frase se encontra na parte relativa ao fim do mundo.

Segundo a sequência do Segredo, o fim do mundo não é para já, porque antes haverá ainda um reinado do Evangelho que durará alguns séculos. Faz violência ao texto e ao contexto aplicá-la chãmente à nossa época.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Santa Francisca Romana sobre o inferno
e como se precaver contra as insídias diabólicas

Santa Francisca Romana (1384-1440) com um anjo protetor.
De nobre e rica estirpe, teve três filhos
e fundou as Oblatas de Maria.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Santa Francisca Romana (1384-1440), de nobre e rica família, casou-se muito jovem, teve três filhos, fundou as “Oblatas de Maria” e em março de 1433 também fundou o mosteiro em Tor de' Specchi, perto do Campidoglio (Roma).

Quando seu marido morreu, em 1436, ela se mudou para esse mesmo mosteiro e se tornou a prioresa.

Ernest Hello, em sua obra “Physionomies de saints”, escreve o seguinte sobre a santa:

“A vida de Francisca reside nas visões. Suas visões mais singulares, mais estupendas, mais características, são as visões do inferno. Inúmeros suplícios, variados como os crimes, lhe foram mostrados no conjunto e nas minúcias”.

“Santa Francisca Romana viu o ouro e a prata derretidos, acumulados pelos demônios nas gargantas dos avarentos”.

Ela descreveu o inferno, onde reina uma ordem às avessas, quer dizer a desordem como o princípio constitutivo da anti-ordem de satanás:

O que é uma pessoa passar uma hora com ouro ou prata derretidos e quentes dentro da garganta, sem anestésicos, sem os mil cuidados dos nossos hospitais?

Então, imaginem o que é passar a eternidade com ouro e prata derretidos na garganta. Querer engolir e não poder, queimaduras horrorosas, sensações atrozes.

Tudo isto Santa Francisca Romana viu como martírio dos avarentos.

“Viu as hierarquias de demônios, suas funções, seus suplícios e os crimes a que eles presidem”.

“Viu Lúcifer, consagrado ao orgulho, chefe geral dos orgulhosos, rei de todos os demônios e de todos os condenados. Esse rei é muito mais desgraçado do que todos os seus súditos”.