segunda-feira, 18 de junho de 2018

Fátima dará morte à tribulação da humanidade:
revelação cinco séculos antes das aparições! (4 e fim)

Prenúncio do triunfo de Fátima quase cinco séculos antes das aparições
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs











No século XIX, nova visão confirma o anúncio


Mas também estes outros manuscritos caíram no esquecimento. Em boa parte devido às perseguições religiosas, que por duas vezes fecharam o convento das dominicanas de Alba.

E assim transcorreram mais dois séculos. Até que em 1855 (No original, ora consta 1885, ora 1855) a então Abadessa Benedita Deogratias Ghibellini,

 “recebeu a revelação, de uma alma santa, do conteúdo daquela crônica desaparecida e o confiou verbalmente à sua sucessora, com a obrigação de transmiti-la, sempre em segredo e não publicamente, até que se tenha verificado cada coisa”. (Documento 3)

Em 22 de maio de 1923, a Priora Madre Stefana Mattei comunicou o segredo a Soror Lúcia Mantello. Esta fez um breve estágio nas dominicanas antes de se tornar religiosa salesiana.

Ela não teve em mãos os antigos documentos, e apenas transcreveu esta outra revelação transmitida por cada abadessa à sua sucessora, e que fazia referência às crônicas que estavam desaparecidas.

Nos apontamentos esquemáticos da irmã Lúcia, lê-se:

“Uma antiquíssima crônica do Mosteiro narrava a visão de Soror Filipina dei Storgi [...].

“Soror Filipina moribunda (16 outubro 1454) tem uma visão (a Beata e as freiras estão presentes) [...].

“Personagens da visão: Nossa Senhora do Rosário, São Domingos, Santa Catarina de Siena, o Beato Umberto, o abade Guilherme de Sabóia-Acaia: todos vêm ao encontro. Depois, após uma interrupção, um olhar no futuro: [...] Umberto II no exílio em Portugal; [...]

“Nossa Senhora de Fátima salvará a humanidade [...]. Amém!” (Documento 3)

Quando os documentos de séculos anteriores foram reencontrados, a concordância entre eles serviu de preciosa prova recíproca da autenticidade de ambas as revelações.

Confirmações posteriores do triunfo da Virgem

Os documentos que aqui analisamos dão uma ideia da imensidade do plano que a Providência tem a respeito de Fátima. Iniciou esse plano por ocasião da fundação do Reino de Portugal, e o foi preparando ao longo dos séculos.

Prenúncio do triunfo de Fátima quase cinco séculos antes das apariçõesAlém do mais, foi comunicando-o a certas almas muito queridas por Maria Santíssima. Elas ficaram como testemunhas, para nos reconfortar neste tempo do auge da tribulação.

E nos dizem, através de uma narração providencial, que no final, contra todas as aparências em sentido contrário, o maligno será derrotado e Nossa Senhora triunfará!

Hoje, o “monstro do Oriente, tribulação da humanidade”, revelado a Soror Filipina, desencadeia suas mais “terríveis guerras”.

Com efeito, no Ocidente os “erros da Rússia” causam revoluções, lutas de classe, invasões de toda espécie; e a onda de imoralidade e irreligião que devasta as sociedades, a família, a cultura e até a ordem eclesiástica.

O mesmo Islã, que na região de Fátima fora esmagado, volta agora com furor redobrado pela ação do vírus revolucionário.

Porém, quanto mais iminente parece a instauração do caos final, contra toda verossimilhança humana e natural dar-se-á a vitória do Imaculado Coração de Maria, conforme a promessa de Nossa Senhora em Fátima, em 1917.

Dela participarão os homens que, tocados pela graça, fizerem penitência e tenham uma grande conversão.

Admirável entrelaçamento de fatos históricos

Catedral de Alba, cidade das visões
Catedral de Alba, cidade das visões
A história do príncipe Felipe de Sabóia-Acaia e de sua filha soror Filipina fala-nos da beleza e da grandeza de duas formas de penitência. Uma, a do pecador. Outra, a do inocente.

Os dois trilharam a via da penitência, em meio aos acontecimentos mais inverossímeis. No fim, os inverossímeis, aceitos com coração contrito e humilhado, deram num superior acerto.

Os fatos históricos ligados ao local escolhido por Nossa Senhora apresentam-nos um ideal de devoção a Ela e de excelência de Civilização Cristã, sob o signo da Cruz e da espada.

Fátima é terra de eleição da Virgem Santíssima e, por isso mesmo, terra de cruzada.

Tendo esse panorama histórico como fundo de quadro, compreende-se que a penitência e a conversão colocarão a humanidade arrependida na trilha dos séculos de fé e de heroísmo em que Fátima nasceu.

Ou seja, uma época na qual um São Bernardo pregava as excelsitudes de Maria e exortava ardentemente à cruzada; em que um D. Afonso Henriques, nobres e templários conduziam à vitória o estandarte da Cruz, derrotando a então soberba islâmica.

E mais tarde seus sucessores, atravessando os oceanos, aportaram com o estandarte da Cruz, estampado nas velas de suas embarcações, em lugares distantes como o Brasil, cujo primeiro nome foi Terra de Santa Cruz.

Fim


segunda-feira, 11 de junho de 2018

Vitória de Fátima após 'guerra terrível'
profetizada quinhentos anos antes das aparições! (3)

Nossa Senhora de Fátima. Fundo da montagem: capela octogonal de Tomar
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









Fátima e circunvizinhanças estavam profundamente impregnadas pela irradiação marial cisterciense e pelo espírito de cruzada templário. Esses emanavam de dois grandes polos abaciais: Alcobaça e Tomar.

Tal irradiação redundou na construção de múltiplas fortalezas da Ordem do Templo e abadias, igrejas e capelas dedicadas a Nossa Senhora, em plena época de cruzadas.

“A luta contra o Islã – confirma o Cônego Barthas – continuou ao longo de todo o século XII.

“Vários dos belos feitos de armas que fizeram de Portugal o cavaleiro da Cruz contra o Crescente se desenrolaram na região que circunda Fátima”. (Cônego C. Barthas e Pe. G. da Fonseca SJ, Fatima, merveille inouïe, Fátima, Ed. Toulouse, 1943, p. 20)

Fátima estava localizada num cruzamento das rotas que ligavam os castelos de Leiria, Tomar, Santarém, Ourém e Porto de Mós, percorridas por reis, nobres e cavaleiros templários.

Uma velha tradição, ainda viva em 1917, contava que, passando o Beato Nun'Álvares Pereira por Fátima em 1385, seu cavalo “teria ajoelhado e, à vista disso, D. Nuno teria dito: 'aqui há de dar-se um grande milagre'”. (Pe. Luciano Coelho Cristino, Descobrir o passado, preservar o futuro, Ajefatima, 1999, p. 12.)

Na Serra de Fátima, o bem-aventurado condestável teria planejado a histórica batalha de Aljubarrota, que garantiu a independência de Portugal.

Castelo de Porto de Mós
Na origem da cidade de Fátima figura um pequeno mosteiro erigido por cistercienses vindos de Alcobaça.

Daquele cenóbio só restam os fundamentos, que servem de base para a atual igreja paroquial, erigida no século XVIII.

As tradições locais também fazem numerosas referências a antigas capelas junto às quais moraram outrora ermitões com fama de santidade.

Além do mais, a rainha Mafalda incentivou a criação de numerosas abadias e igrejas em outras localidades do reino, várias das quais ainda existentes.

Qual delas teria sido “a igreja construída por Mafalda (ou Matilde) de Sabóia, irmã do Beato Umberto e primeira rainha de Portugal, em honra e por devoção à Santíssima Virgem, no lugar chamado 'Rocha de Fátima'“, que Felipe foi visitar, e de que falam os documentos? (documento 1)

É difícil dizê-lo. Ficamos aguardando esclarecimentos que as pesquisas históricas possam trazer.

O Príncipe Felipe morre sem encontrar a filha

O fato é que o Príncipe Felipe, após anos de ausência, voltou para a sua terra natal. Apresentou-se primeiro ao bispo de Tarantasia, D. Eduardo de Saboia (+ 1395), seu tio. Depois iniciou a procura de sua filha, dissimulado sob pseudônimo.

Hautecombe abadia e mausoleu dos duques da Saboia
Hautecombe: abadia e mausoleu dos duques da Saboia
Os anos passaram-se. As rugas surgidas na face, as roupas de mendigo, nada lembravam em Felipe o jovem e temido chefe de armas que outrora fora. Ninguém o reconheceu.

E sua procura foi infrutífera, apesar de visitar casas de familiares.

Entre elas a da sua sobrinha, a Bem-aventurada Margarida de Saboia-Acaia.

A Bem-aventurada Margarida de Saboia-Acaia (21-6-1390 – 23-11-1474) , foi filha de Amadeu I de Sabóia-Acaia, Senhor do Piemonte e irmão do Príncipe Felipe. Casou-se com Teodoro II Paleologo, Marquês de Monferrato.

Viúva aos 28 anos, fundou o mosteiro de dominicanas de clausura de Santa Maria Madalena, em Alba.

Sendo venerada como santa, São Pio V aprovou em 1566 seu culto no mosteiro, e Clemente X estendeu-o a toda a Ordem Dominicana. Foi proclamada Beata em 1-9-1838.

Em dezembro de 2001, com aprovação da Congregação dos Santos, o seu corpo foi exumado, verificando-se estar incorrupto, sem sinais de embalsamamento.

Na última vez que o Príncipe Felipe esteve com ela, em dezembro de 1418, desvendou-lhe sua verdadeira identidade, narrou-lhe o milagre na hora da execução e a vida posterior.

Por fim, confiou-lhe a sua mais preciosa relíquia – a medalha do Beato Umberto –, pedindo que a entregasse à sua filha, caso ela aparecesse.

“Uma vez feita esta extrema revelação – diz um dos documentos -, por disposição divina, ele expirou na noite seguinte na igreja de São Francisco, sobre o sepulcro do irmão Ludovico de Saboia, enquanto ansiava voltar ao túmulo do Beato Umberto em Altacomba [Hautecombe em francês]”.( documento 1)

Holocausto aceito e o prenúncio de Fátima

A Beata Margarida ficou com a medalha. A filha do Príncipe Felipe tinha, juntamente com sua genitora, desaparecido havia muito tempo.

“Um certo monstro do Oriente, tribulação da humanidade”,
que seria morto por Nossa Senhora do Santo Rosário de Fátima
Na realidade, ela entrara “junto com a mãe no mosteiro Santa Catarina de Alba, tomando o nome de Soror Filipina, pelo pai que ela acreditava morto”. (documento 3)

Anos depois, a Bem-aventurada Margarida foi a Alba. Ali fundou o mosteiro de Santa Maria Madalena.

Certo dia, Soror Filipina pediu sua transferência para o novo mosteiro. Tinha para isso uma autorização do Papa Nicolau V, datada de 16 de janeiro de 1448.

Mas apenas na hora da morte confessou à abadessa ser sua prima.

Também foi só nesse momento que Soror Filipina tomou conhecimento, por meio da Beata Margarida, da virtuosa morte de seu pai, por cuja salvação oferecera sua vida religiosa, assim como da passagem dele por Fátima. E enlevada, recebeu a milagrosa medalha.

Soror Filipina passou toda a sua vida na ignorância da aceitação de seu sacrifício.

Na hora da morte, a admirável arquitetonia de sua vida se lhe apresentou de modo fulgurante.

Mais ainda. O Céu premiou-a com a visão do triunfo futuro de Nossa Senhora sobre “um certo monstro do Oriente, tribulação da humanidade”, [...] que seria morto por Nossa Senhora do Santo Rosário de Fátima, se todos os homens a tivessem invocado com grande penitência”.(documento 2)

Providencial conservação dos documentos

A história, entretanto, não termina aí. Como foi dito, em 1454 todos os presentes lavraram documento para a posteridade, narrando a portentosa visão de Soror Filipina.

Dois séculos depois, em 1638, o Padre Jacinto Baresio O.P. publicou uma história da nobre família Sabóia, a pedido da Duquesa de Mântua, Margarida de Sabóia-Gonzaga, então vice-rainha (regente) de Portugal.

Na hora de escrevê-lo, o Pe. Baresio analisou a crônica de Soror Filipina e julgou que o episódio da execução do Príncipe Felipe poderia macular a reputação da dinastia. Então simplesmente queimou o escrito !

Porém, assim que ele partiu, a abadessa e as mais antigas religiosas do mosteiro, que tinham lido o original, reconstituíram seu conteúdo, rubricando cada uma o texto em sinal de autenticidade, em 7 de outubro de 1640.

Em 1655, uma religiosa que só anotou suas iniciais deixou mais um documento escrito, confirmando tudo quanto dizia o anterior, nos seguintes termos:

“Dizem as memórias escritas que lá, na Lusitânia, há uma igreja numa cidadinha que se chama Fátima, edificada por uma antepassada de nossa Santa Fundadora Margarida de Sabóia, Mafalda rainha de Portugal e filha de Amadeu terceiro de Sabóia,

e que uma estátua da Virgem Santíssima falará sobre acontecimentos futuros muito graves, porque Satanás fará uma guerra terrível; porém perderá, porque a Virgem Santíssima Mãe de Deus e do Santíssimo Rosário de Fátima, 'mais forte que um exército em ordem de batalha', vencê-lo-á para sempre”.


A. D. 1655. São Domingos, te confio estas folhas.

Soror C. R. M.” ( Documento 2)




segunda-feira, 4 de junho de 2018

Plano providencial com Fátima anunciado
cinco séculos antes das aparições! (2)

Prenúncio do triunfo de Fátima quase cinco séculos antes das aparições
Prenúncio do triunfo de Fátima quase cinco séculos antes das aparições
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs










A História pode ser comparada a uma imensa encenação, difícil de excogitar. O cenário é a própria Criação.

No centro do cenário, os homens se movem, falam, fazem e desfazem, enquanto Deus, na sua infinita sabedoria, atua nos bastidores, no Céu, oculto aos olhos dos homens de pouca fé.

Ele vai modelando, como um diretor soberano, o desenrolar dessa peça suprema, através das causas segundas – como é o caso dos espíritos angélicos, dos homens e da natureza – e, em certas circunstâncias peculiares, mediante sua intervenção direta.

No fim da História, verificar-se-á que o longo enredo de séculos de lutas, vitórias e tragédias da humanidade não foi uma sucessão confusa de fatos, mas a realização de um superior plano divino.

No Juízo Final a História aparecer-nos-á, não como um amontoado de acontecimentos, segundo a visão de certos manuais escolares.

Mas mostrar-se-á com a ordem reluzente de uma fabulosa catedral, em que ao esplendor das linhas arquitetônicas somar-se-á a riqueza e a magnificência dos pormenores, formando o conjunto uma obra-prima de perfeição insuperável.

segunda-feira, 28 de maio de 2018

O monstro do Oriente preanunciado em Fátima
cinco séculos antes das aparições! (1)

Prenúncio do triunfo de Fátima cinco séculos antes das aparições
Prenúncio do triunfo de Fátima cinco séculos antes das aparições
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







No século XV,
o Céu revelou a esplêndida vitória de Nossa Senhora de Fátima.

Assim como a investida do Islã foi esmagada
em terras lusas na época da fundação de Fátima,
os “erros da Rússia” serão vencidos em nossa época.


No remoto dia 16 de outubro de 1454, no Mosteiro de Santa Maria Madalena das religiosas dominicanas de Alba, no sul de Turim, Itália, Soror Filipina agonizava.

Em torno do leito dessa dominicana de santa vida, tinha-se reunido toda a comunidade religiosa, acompanhando-a com as orações pelos moribundos.

Estavam presentes a abadessa e fundadora do mosteiro, Bem-aventurada Margarida de Saboia, e o confessor das religiosas, Pe. Bellini.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Os três dias de trevas (segunda parte)

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Continuação do post anterior: Os três dias de trevas (primeira parte)








O B. Palau comentou com certo pormenor a visão dos “três dias de trevas” atribuída à Beata Taigi, aproveitando a versão que havia chegado às suas mãos:

“O fato, escreveu, se anuncia da seguinte forma: enquanto num dia claro e sereno o sol estará em seu percurso, repentinamente se farão trevas tão densas que poderão ser apalpadas e tocadas, as quais cobrirão a face da terra.

“O céu se apresentará sob um aspecto tão espantoso que, vendo-o, as pessoas fugirão e se esconderão no mais recôndito de suas casas, fechando portas e janelas como no momento de uma tempestade arrepiadora.

“Espectros horripilantes aparecerão nos ares, dando uivos espantosos. Se por um momento a lua abrir caminho entre as trevas, apresentar-se-á vestida de sangue para quem tenha coragem de olhá-la.

“Esses serão dias de ira e de maldição, dias em que o anjo exterminador, como a morte montada em corcel acompanhado pelo inferno, visitará a casa do ímpio, do incrédulo, desse homem que cheio de arrogância desafia a onipotência de Deus, assim como visitou o Egito matando numa noite seus filhos varões primogênitos.

“Perecerão de espanto muitíssimas pessoas, que acreditarão ter chegado o mundo a seu fim, e sentir-se-ão envolvidas por uma noite eterna.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Os três dias de trevas (primeira parte)

Corpo da Beata Anna Maria Taigi, igreja de São Crisógono, Roma.
Corpo da Beata Anna Maria Taigi, igreja de São Crisógono, Roma.




Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs












Continuação do post anterior: Os apóstolos dos últimos tempos desmascararão a conjuração na Igreja 










O capitulo final do desfazimento da Revolução bem poderá culminar nos chamados “três dias de trevas”.

Eles têm um fundamento bíblico e foram objeto de comentários e/ou visiones de almas santas ou privilegiadas.

A revelação particular mais famosa sobre esses três dias de trevas é atribuída à Bem-aventurada Ana Maria Taigi (1769-1837). Veja: A contemplativa da luta entre a Luz e as Trevas

Nos tempos do Bem-aventurado essa visão já tinha notoriedade. Sua versão mais autorizada se lê no processo de beatificação da Beata Taigi.

Encontra-se no testemunho de Mons. Raffaele Natali, confidente da vidente e anotador de suas visões durante décadas, quem depôs nestes termos:

segunda-feira, 7 de maio de 2018

Os apóstolos dos últimos tempos
desmascararão a conjuração na Igreja

O diabo sendo acorrentado. Nossa Senhora de Quito, col.part.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Continuação do post anterior: A Igreja renovada pelo Espírito Santo contra-ataca



Em seu principal livro “Mis relaciones con la Iglesia”, o Beato Palau descreve outros sinais característicos dos chamados apóstolos dos últimos tempos:

“acorrentarão o príncipe tenebroso que corrompeu todos os reis da Terra; arrancarão dos falsos pastores a pele de ovelha e exibirão sua hipocrisia ante todo o rebanho” (in “Obras Selectas”, Editorial Monte Carmelo, Burgos, 1988, pp. 916, p. 583).


Dessa maneira, segundo o Beato cujo pensamento ora expomos, na derrubada da Revolução resplandecerá de modo incomparável o poder de Deus, que durante os dias da Revolução parecia estar de braços cruzados:

“A ira de Deus, que agora castiga invisível e espiritualmente a raça de Adão, permitindo o triunfo do erro, tornar-se-á visível e tão visível, que ninguém, absolutamente ninguém, poderá duvidar da onipotência do Deus que agora os católicos invocamos e que parece fazer-se de surdo. Esse dia virá quando ninguém acreditar nele” (“La noche”, El Ermitaño, Nº 169, 1-2-1872).

Os espíritos das trevas ficarão sobremaneira confundidos e desconjuntados. Procurarão fazer vingança em seus cúmplices humanos, que são seus instrumentos por permissão de Deus:

“Com ira, anátema e maldição — explicava — Deus visitará o incrédulo, e, entre os incrédulos, aquele que diz ser católico, (...)

“católico da raça daqueles que escarnecem de tudo quanto ensina o catolicismo sobre a justiça divina e sobre os demônios, que são seus executores.

segunda-feira, 30 de abril de 2018

A Igreja contra-ataca, renovada pelo Espírito Santo

A tempestade ameaçava afundar a barca de Pedro, mas Jesus dormia,
Rembrandt van Rijn (1606 – 1669), Isabella Stewart Gardner Museum.
“23. Subiu ele a uma barca com seus discípulos.
24. De repente, desencadeou-se sobre o mar uma tempestade tão grande,
      que as ondas cobriam a barca.
      Ele, no entanto, dormia.
25. Os discípulos achegaram-se a ele e o acordaram, dizendo:
      Senhor, salva-nos, nós perecemos!
26. E Jesus perguntou: Por que este medo, gente de pouca fé?
      Então, levantando-se, deu ordens aos ventos e ao mar,
      e fez-se uma grande calmaria.
27. Admirados, diziam:
      Quem é este homem a quem até os ventos e o mar obedecem?”
      São Mateus, 8, 23-27.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Continuação do post anterior: Proteção divina do Papado em meio a tentativa de demolição




O domínio acachapante da Revolução, segundo as clarividentes previsões do santo carmelita, irá se debilitando. O fato enlouquecerá o chefe do processo revolucionário, que desatará seu ódio.

Por ocasião dos desesperados furores persecutórios de Satanás, a Igreja buscará refugio em lugares menos ao alcance da tempestade. Ali resistirá aos assaltos agônicos do furor revolucionário.

Nesses momentos extremos de aparente esmagamento e risco de extinção, ponderava o bem-aventurado, o Espírito Santo enviará seu sopro regenerador sobre a Igreja perseguida.

E Ela, renovada por graças extraordinárias, empreenderá a contraofensiva:

“A Igreja mudará uma segunda vez a face do mundo, mas antes terá que descer ao silêncio dos sepulcros.

“Com seus templos arruinados, Ela se recolherá na solidão das montanhas. Ali receberá o Espírito Santo na plenitude dos dons que precisa para salvar a sociedade moderna” (“La Internacional”, El Ermitaño, Nº 147, 31-8-1871.).

segunda-feira, 16 de abril de 2018

O sonho das duas colunas de Don Bosco:
a crise, a morte do Papa, o novo Papa e o triunfo à luz de La Salette

O sonho das duas colunas, basílica de Maria Ausiliatrice, Turim
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em 26 de maio de 1862 São João Bosco tinha prometido a seus jovens que lhes narraria algo muito agradável nos últimos dias do mês.

Em 30 de maio, pois, de noite contou-lhes uma parábola ou sonho segundo ele quis denominá-la.

Eis suas palavras:

“Quero-lhes contar um sonho. É certo que o que sonha não raciocina; contudo, eu que contaria a Vós até meus pecados se não temesse que saíssem fugindo assustados, ou que caísse a casa, este o vou contar para seu bem espiritual. Este sonho o tive faz alguns dias.

“Figurem-se que estão comigo junto à praia, ou melhor, sobre um escolho isolado, do qual não veem mais terra que a que têm debaixo dos pés.

“Em toda aquela vasta superfície líquida via-se uma multidão incontável de naves dispostas em ordem de batalha, cujas proas terminavam em um afiado esporão de ferro em forma de lança que fere e transpassa todo aquilo contra o qual arremete.

“Estas naves estão armadas de canhões, carregadas de fuzis e de armas de diferentes classes; de material incendiário e também de livros, e dirigem-se contra outra nave muito maior e mais alta, tentando cravar-lhe o esporão, incendiá-la ou ao menos fazer-lhe o maior dano possível.

“A esta majestosa nave, provida de tudo, fazem escolta numerosas navezinhas que dela recebiam as ordens, realizando as oportunas manobras para defender-se da frota inimiga. O vento lhes era adverso e a agitação do mar parece favorecer aos inimigos.

“Em meio da imensidão do mar levantam-se, sobre as ondas, duas robustas colunas, muito altas, pouco distantes a uma da outra.

“Sobre uma delas está a estátua da Virgem Imaculada, a cujos pés vê-se um amplo cartaz com esta inscrição: Auxilium Christianorum. (Auxilio dos Cristãos)

“Sobre a outra coluna, que é muito mais alta e mais grossa, há uma Hóstia de tamanho proporcionado ao pedestal e debaixo dela outro cartaz com estas palavras: Salus credentium. (Salvação dos crentes)

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Carta de São João Bosco ao imperador Francisco José:
“Minha ira está para estalar sobre a Terra”

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




No Segredo de La Salette Nossa Senhora considera que o futuro da Igreja e o futuro da ordem temporal estão intimamente ligados.

E Ela fala especialmente dos castigos que podem cair sobre as nações católicas mais amadas: a Itália e a França, se essas não ouvem sua voz.

Esses castigos virão também sobre as demais nações e sobre a própria Igreja, se não mostrarem arrependimento e não fizerem penitência.

Na carta a seguir de São João Bosco ao imperador da Áustria-Hungria - naquele tempo o maior chefe de Estado da Europa - encontramos a mesma percepção dessa interrelação.

São João Bosco prenuncia que tempos tempestuosos se avizinham para a Igreja e para as nações.

Esses dias difíceis adviriam como castigo pelo abandono da prática da Lei de Deus.

O santo, então, comunica da parte de Deus ao imperador católico toda uma estratégia de ação política internacional, visando o bem da Igreja e da Cristandade.

Convida-o até a ser o braço armado de Deus Ele próprio: a "vara de Seu poder" e o "benfeitor da humanidade".

São João Bosco
São João Bosco
Infelizmente, o imperador Francisco José não ouviu a voz do Santo dotado de luzes proféticas e não executou o plano político de Deus.

Francisco José se aliou com a Prússia, país protestante com quem Deus lhe dissera de não se aliar.

A Prússia arrastrou o império Austro-Húngaro a uma derrota espantosa na I Guerra Mundial.

Francisco José morreu em 1916 em plena guerra.

Seu império foi dissolvido poucos anos depois.

Eis a carta de São João Bosco:

  
Ao Imperador da Áustria

segunda-feira, 2 de abril de 2018

São João Bosco insiste em outra carta a Pio IX:
o Papa perseguido sairá de Roma

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Turim, 10 de março 1861

Beatíssimo Padre,

Aproveito a oportunidade favorável de que um zeloso cooperador do jornal “L'Armonia” vai a Roma para dirigir duas palavras a Vossa Santidade.

Quantas coisas um pobre sacerdote quereria dizer ao chefe da Cristandade! Reduzamos tudo à máxima brevidade.

Eu direi, entretanto, que após muitos distúrbios, no momento presente estamos em paz, fato que me permite trabalhar livremente em favor de meus jovens e pela impressão das “Leituras Católicas”.

De um ano para cá, nossas escolas cresceram ao quádruplo. Atualmente, na nossa casa temos perto de quinhentos jovens, que dão boas esperanças e se preparam para o estado eclesiástico.

Nosso clero até agora se mantém corajosamente firme; mas aproximam-se grandes provações, e se o Senhor não nos fortificar com sua graça eu temo algum naufrágio.

Promessas, ameaças, pressões são os três inimigos que nos têm atacado; mas agora se avizinha o tempo da perseguição.

Os fiéis são fervorosos; mas a cada dia um grande número passa da tibieza para um indiferentismo apático, que é a maior praga do catolicismo em nossos países.

sábado, 31 de março de 2018

Domingo de Páscoa: Ressurreição triunfal de Nosso Senhor.
Que venha o triunfo da Igreja!

Cristo ressurrecto, basílica dos Santos Pedro e Paulo, Malta. Fundo: rosácea catedral de Chartres, França.
Cristo ressurrecto, basílica dos Santos Pedro e Paulo, Malta.
Fundo: rosácea catedral de Chartres, França.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Assim que a alma de Nosso Senhor voltou ao corpo, Ele apareceu a Nossa Senhora.

Como terá sido esse encontro?

Ele pode ter aparecido como Senhor esplendoroso,

Rei, como nunca ninguém foi nem será rei.

Ou, com um sorriso que lembrava o primeiro olhar no presépio de Belém.

O que Ele comunicou a Ela?

O que Nossa Senhora terá dito, vendo-O e amando-O perfeitamente?

Foi o primeiro louvor que Jesus recebeu após a Ressurreição, feito em nome da Igreja toda.

quarta-feira, 28 de março de 2018

A Santa Ceia: o dom infinito da Eucaristia e o drama

Última Ceia, Instituição da Eucaristia, Giusto da Guanto, c. 1474.
Última Ceia, Instituição da Eucaristia, Giusto da Guanto, c. 1474.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Na Santa Ceia, Jesus Cristo instituiu o Santo Sacrifício da Missa.

Para os judeus era a festividade da Páscoa.

Quer dizer da saída do Egito, da libertação da escravidão.

O inicio do caminho para a Terra Prometida.

No centro da refeição estava o cordeiro pascal.

Em lembrança do cordeiro que Moisés mandou sacrificar e comer antes de partir.

Em prefigura do Cordeiro de Deus que viria remir os homens.

E eis que o Cordeiro de Deus estava ai oferecendo Seu próprio Corpo!

Mas Ele estava profundamente triste.

Ele sabia que um dos Apóstolos O tinha traído.

Jesus descobriu a João o sinal do traidor:

o primeiro a pôr a mão no pão consagrado: Judas Iscariotes!

Ele fugiu para praticar o crime combinado com o Sinédrio.

Que situação tristíssima!

Os Apóstolos estavam em decadência espiritual na hora da Paixão.

sábado, 24 de março de 2018

Domingo de Ramos, ontem e hoje

Jesus entrando em Jerusalém, no Domingo de Ramos.
Jesus entrando em Jerusalém, no Domingo de Ramos.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs










Te aplaudiam, meu Senhor! Te aplaudimos também nós…

Te reconheciam rei de Israel, Hosana Filho de Davi!

Te reconhecemos também nós…

Estendiam suas capas e tapetes no chão em Teu passo.

Fizemos o mesmo também nós...

Agitavam ramos de oliveira e palmas em sinal de alegria!

Nos Domingos de Ramos, agitamos também nós...

segunda-feira, 19 de março de 2018

Don Bosco: o sonho do cavalo vermelho (1862):
a ‘democracia sectária’?, ou o comunismo?

O cavalo vermelho do Apocalipse.
Ottheinrich-Bibel, Bayerische Staatsbibliothek, Cgm 8010
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Don Bosco teve vários sonhos proféticos. Temos citado no nosso blog alguns deles. Um dos mais conhecidos é o do "cavalo vermelho" de que fala o Apocalipse capítulo VI, versículo IV.

Don Bosco viu em sonho esse cavalo simbólico avançar sobre o mundo contemporâneo.

O que simbolizava esse cavalo? Na abalizada edição das "Memorie Biografiche" (volume 7, capítulo 22) vemos que os companheiros do Santo o interpretaram como um símbolo da "democracia sectária" que hostilizava a obra salesiana.

Nada de mais normal, a "democracia sectária" que se espraiava pela Itália no século XIX era filha da Revolução Francesa.

Aliás, poderia se falar que hoje também sobrevive essa mesma "democracia sectária". Ela tem os mesmos objetivos e métodos anticristãos mas apela a argumentos como o "laicismo", a "ideologia de gênero", etc.

Porém, alguns interpretaram - e com fundamento - que o "cavalo vermelho" é também símbolo do comunismo que já produzia seus péssimos efeitos no tempo de Don Bosco.

Na perspectiva da mensagem de La Salette, as duas interpretações têm procedência, pois o comunismo é o filho criminoso da Revolução Francesa. 

E o "cavalo vermelho" do Apocalipse pode significar os dois, ou um ou outro, pois os dois promoveram perseguições sangrentas contra a Igreja, um na continuidade do outro.

A discussão não está encerrada. Apresentamos a nossos leitores, o texto completo de dito sonho segundo a abalizada edição das Memorie Biografiche, para que cada um possa formar sua opinião.

Eis o sono, acompanhado dos comentários dos companheiros do grande Santo italiano:

segunda-feira, 12 de março de 2018

São João Bosco ao Beato Pio IX:
flagelos que virão sobre a Itália, a França e a Igreja

Sonho de São João Bosco comunicado ao Papa Beato Pio IX
Sonho de São João Bosco comunicado ao Papa Beato Pio IX
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em 5 de janeiro 1870 São João Bosco redigiu uma carta profética endereçada ao Papa reinante, o Beato Pio IX, que foi entregue em 12 de fevereiro de 1870.

Esta carta vai no mesmo sentido daquela que reproduzimos em post anterior: São João Bosco profetiza para o Beato Pio IX: um Papa abandona Roma em ruínas, mas percebe que deve retornar

No dia 6 de janeiro de 1870, festa da Epifania ou dos Reis Magos, se reuniu a segunda Sessão do Concílio Vaticano I.

Nela, os padres conciliares fizeram, um por um a começar pelo Sumo Pontífice, a solene profissão de fé que prescreve o ritual.

Na véspera daquela histórica cerimônia, don Bosco viu num sonho o que segue.

 O próprio Santo escreveu aquilo que viu e ouviu. Trata-se do sonho 75:

segunda-feira, 5 de março de 2018

São João Bosco anuncia a Pio IX:
um Papa abandonará Roma em ruínas, mas voltará

A queda de Roma, Thomas Cole (1801 – 1848). New-York Historical Society.
A queda de Roma, Thomas Cole (1801 – 1848). New-York Historical Society.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






No Segredo de La Salette, Nossa Senhora anunciou um histórico castigo proximamente vindouro sobre a cidade de Roma, com sanguinária perseguição do clero, apostasias inclusive de bispos e destruição de igrejas e conventos.

Entre o 24 de maio e o 24 junho de 1873, São João Bosco escreveu uma carta profética ao bem-aventurado Papa Pio IX, então felizmente reinante em meio a tempestades temíveis suscitadas pelos inimigos da Igreja, internos e externos.

A semelhança de certos aspectos da profecia do grande santo italiano com a previsão de Nossa Senhora em La Salette se patenteia nos termos em que está redigida a carta: