segunda-feira, 29 de maio de 2017

Santa Brígida e o julgamento do mau papa, dos maus clérigos e laicos católicos, dos judeus e dos pagãos

Santa Brígida da Suécia, igreja de Bollnäs-Rengsjö, Suécia, c.1500
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





continuação do post anterior: Santa Brígida e o juízo de Deus a cinco homens simbólicos desde o mau papa até os bons católicos


prossegue a visão:

“Agora declaro meu desgosto para contigo, cabeça de minha Igreja, tu que te sentas em minha cátedra.

“Concedi este cargo a Pedro e a seus sucessores para que se sentassem com uma tripla dignidade e autoridade:

“primeiro, para que pudessem ter o poder de ligar e desligar as almas do pecado;

“segundo, para que pudessem abrir o Céu aos penitentes;

“terceiro, para que fechassem o Céu aos condenados e àqueles que me desprezam.

“Mas tu, que deverias estar absolvendo almas e me as oferecendo, és realmente um assassino das minhas almas.

“Designei Pedro como pastor e servo de minhas ovelhas, mas tu as dispersas e as feres, és pior que Lúcifer.

“Ele tinha inveja de mim e não perseguiu para matar ninguém mais que a mim, de forma que pudesse governar em meu lugar.

“Mas tu és o pior, porque não só me matas ao apartar-me de ti por teu mau trabalho senão que, também, matas as almas devido ao teu mau exemplo.

“Eu redimi almas com meu sangue e te as recomendei como a um amigo fiel.

“Mas tu as devolves ao inimigo do qual eu as resgatei, és mais injusto que Pilatos.

domingo, 28 de maio de 2017

Santa Brígida e o juízo de Deus a cinco homens simbólicos:
desde o mau papa até o bom católico

Santa Brígida de Suécia: suas visões impressionaram profundamente
Santa Brígida da Suécia: suas visões impressionaram profundamente
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Dados hagiográficos sobre Santa Brígida da Suécia e suas visões


Brígida Birgersdotter (1303-1373), ou Santa Brígida da Suécia, foi filha de um governador casado com a filha de outro governador. Santa Brígida, portanto, pertencia à nobreza, classe alta de seu país.

Quando tinha sete anos teve uma visão de Nossa Senhora e quando tinha dez sonhou com Jesus coberto de sangue. Desde esse momento foi grande devota da Paixão de Nosso Senhor.

Casou quando tinha 14 anos e viveu felizmente com seu esposo durante 28 anos. Por fim, os dois decidiram se dedicar à vida consagrada.

Brígida foi chamada à Corte na qualidade de dama de companhia da rainha. Ali aplicou todos os seus esforços para endireitar o casal real débil e viciado. O casal ouvia seus conselhos, mas voltava a cair nos mesmos defeitos.

Sua vida foi marcada por visões, milagres, romarias e um grande trabalho de apostolado com os pobres e os incrédulos.

Ela foi difamada e perseguida por causa de seus sonhos e visões.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

1º Centenário de Fátima:
promessas, recusas castigos e grandes perdões

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em Fátima Nossa Senhora prometeu um prêmio e um castigo:

…”é o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo de seus crimes por meio da guerra,

da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. (…) Se atenderem a meus pedidos,

a Rússia se converterá e terão paz; se não, espalhará seus erros pelo mundo,

promovendo guerras e perseguições à Igreja; os bons serão martirizados,

o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas;

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Nossa Senhora fez com os pastorinhos de Fátima o que fará com a humanidade no triunfo de seu Imaculado Coração

Santa Jacinta Marto, na Reixida, Cortes, 17-09-1917
Santa Jacinta Marto, na Reixida, Cortes, 17-09-1917
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O Padre João De Marchi I.M.C., é um dos autores melhor conceituados que escreveram sobre as aparições de Fátima.

Ele escreveu, entre outros livros, “Era uma Senhora mais brilhante do que o sol…” (Seminário das Missões de Nossa Senhora de Fátima, Cova da Iria, 3a. Edição):



“A verdadeira diretora espiritual de Jacinta, Francisco e Lúcia foi, essencialmente, Nossa Senhora.

“A bondosa Senhora da Cova da Iria tomou à sua conta a realização dessa obra-prima e, como não poderia deixar de ser, a levou a cabo com pleno êxito.

“Das suas mãos prodigiosas saíram três anjos revestidos de carne, mas que, ao mesmo tempo, eram três autênticos heróis. A matéria prima era de uma plasticidade admirável e da Artista o que mais dizer?

“Na sua escola os três serranitos deram em breve tempo passadas de gigantes no caminho da perfeição.

“Nela se verificou à letra as palavras de um grande devoto de Maria, São Luiz Maria Grignion de Monfort: Na escola da Virgem, a alma progride mais numa semana do que num ano fora dEla.

“A pedagogia da Mãe de Deus não sofre confrontos.