segunda-feira, 26 de julho de 2021

Deus promete os Apóstolos dos Últimos Tempos
e um dilúvio do Espírito Santo

Soeur Marie des Vallées
Soeur Marie des Vallées
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Continuação do post anterior: Sociedade secreta de feiticeiros se volta contra Soeur Marie des Vallées




Marie manifestou muitas vezes o dom de profecia em suas visões, que jamais eram exteriores, mas sempre interiores.

Ela parecia investida da missão de abrir os olhos dos eclesiásticos e das almas consagradas para suas graves falências, escreveu seu grande anotador São João Eudes.

Essa missão fez com que seus historiadores se perguntassem se não teria sido análoga à dos profetas do Antigo Testamento em relação à decadência da classe sacerdotal hebreia.

Marie deplorava as negligências das pessoas consagradas e a acumulação de benefícios eclesiásticos, o enriquecimento pessoal com os bens da Igreja, a corrida atrás de cargos hierárquicos mais lucrativos, o abandono das regras de moral e da disciplina religiosa...

segunda-feira, 19 de julho de 2021

Sociedade secreta de feiticeiros
se volta contra Soeur Marie des Vallées

Soeur Marie des Vallées, dita La Sainte de Coutances
Soeur Marie des Vallées, dita A Santa de Coutances
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Continuação do post anterior: Soeur Marie des Vallées e a feitiçaria incubada no “Século das Luzes”



Soeur Marie des Vallées nasceu o dia 15 de fevereiro de 1590 em Saint-Sauveur-Lendelin, aldeia perto de Coutances, Normandia. Foi a terceira criança de um casal católico pouco praticante.

Desde criança Marie foi muito voltada para a religião. Após a morte de seus pais, sua juventude foi um calvário, passando de lar em lar, confiada a tios relaxados moralmente e/ou brutais no tratamento.

Aos dezenove anos era bonita e inteligente, não faltando candidatos para casamento. Nos costumes da região, ficar celibatário era considerado uma maldição e até sinal de possessão, mas Marie queria conservar sua virgindade.

Um pretendente recusado apelou para uma feiticeira. Essa soltou sobre ela um bruxedo que a atormentou durante três anos. Assanharam-se contra ela vários sorciers (bruxos ou feiticeiros), entre os quais um sacerdote.

Marie apelou então para o bispo diocesano de Coutances, Dom Nicolas de Briroy, que a acolheu em instalações do bispado e recomendou que fosse exorcizada.

quinta-feira, 15 de julho de 2021

Nossa Senhora do Carmo, guia da luta dos profetas

Nossa Senhora do Carmo, Filipinas. Fundo: Monte Carmelo
Nossa Senhora do Carmo, Filipinas. Fundo: Monte Carmelo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







No 16 de julho a Igreja comemora a festa de Nossa Senhora do Carmo.

Sua invocação Virgem Flor do Carmo é a mais antiga e remonta a oito séculos antes de seu feliz natalício.

Como pode ser que a Mãe de Deus fosse venerada oitocentos anos antes de nascer?

A história é maravilhosa e intimamente ligada à montanha do Carmelo em Terra Santa.

Para aparentemente complicar mais as coisas, arqueólogos e historiadores registram que civilizações pagãs também cultuavam uma virgem que daria à luz o salvador do mundo.

Na elevação onde fica a cidade de Chartres, França, sede de uma das mais belas catedrais de Nossa Senhora, em tempos pré-cristãos, os bruxos dos pagãos druidas, ditos charnuts, tinham essa crença e a chamavam “Virgo Paritura” (“A virgem que dará a luz”).

De onde viera essa noção e quem a levou?

terça-feira, 6 de julho de 2021

Soeur Marie des Vallées e a feitiçaria incubada no “Século das Luzes”

Soeur Marie des Vallées assiste à Missa de São João Eudes. Chapelle Notre Dame de la Roquelle
Soeur Marie des Vallées assiste à Missa de São João Eudes.
Chapelle Notre Dame de la Roquelle
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs










O chamado Século das Luzes foi também uma época de grandes santos e almas de escol que opuseram uma luta heroica ao trabalho oculto das sociedades secretas.

Além dos santos mencionados no post anterior poderíamos acrescentar São Vicente de Paul (1581 – 1660), e a venerável Marguerita do Santíssimo Sacramento O.C.D. (1619-1648) a quem o Menino Jesus e São Luis denunciaram a corrupção reinante na França, se oferecendo ela como vítima para afastar a cólera celeste.

A carmelita iniciou o culto ao Menino Jesus de Beaune conhecido como “le petit Roi de grâce”, devoção que se espalhou na nobreza e atraiu ao próprio Luis XIII.

Essa devoção ao Menino Jesus se espalhou pela França contrariando o jansenismo reinante, sendo Santa Teresinha do Menino de Jesus no século XIX uma de suas mais proeminentes figuras.

Entre essas almas de escol houve leigos como o barão Gaston de Renty (1611 - 1649) muitas vezes presidente da Companhia do Santíssimo Sacramento.

Essa era composta por membros da nobreza e elites análogas e combatia no campo cultural-moral a revolução cultural que preparava a Revolução Francesa.