quinta-feira, 30 de setembro de 2021

A troca de vontades vivida por Sœur Marie des Vallées

Santa Catarina de Siena trocando seu coração com Cristo, Giovanni di Paolo (1403 — 1482), Metropolitan Museum of Art, New York
Santa Catarina de Siena trocando seu coração com Cristo,
Giovanni di Paolo (1403 — 1482), Metropolitan Museum of Art, New York.
Essa santa foi uma das raras almas que ganharam esse privilégio
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









Continuação do post anterior: Sœur Marie sobre o estado da Igreja




O oferecimento do Pe. Pierre Coton SJ


Como é que a “santa de Coutances” chegou à convicção de trocar sua vontade com a do próprio Jesus? São João Eudes no-lo explica.

Durante quase dois anos, Sœur Marie rezou todos os dias diante do Santíssimo Sacramento uma oração do Manual de devoção (p.71 e ss.), de autoria do Rev. Pe. Pierre Coton S.J. (1564-1626).

O Pe. Coton foi confessor dos reis Henrique IV e Luis XIII, além de Provincial da Companhia de Jesus na França.

Nele o ilustre jesuíta oferece a Deus sua própria vontade de maneira irrevogável, renunciando a todos seus direitos com o fim de nunca pecar.

segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Sœur Marie sobre o estado da Igreja

Madonna delle Milizie, Sicilia. Fundo: anjos por Guariento di Arpo
Madonna delle Milizie, Sicilia. Fundo: anjos por Guariento di Arpo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Continuação do post anterior: Sœur Marie e a conversão universal vindoura



Nossa Senhora comanda a guerra ao mal


Um dia em que Sœur Marie caminhava para o santuário de Notre-Dame de la Délivrance junto com outras almas piedosas, as forças lhe faltaram.

Jesus então lhe disse que ela tinha necessidade da carruagem de Nossa Senhora, ao que Sœur Marie respondeu que não tinha coragem de fazer tal pedido.

Nosso Senhor lhe respondeu que Ele próprio pediria a carruagem à Sua Mãe.

E Sœur Marie “recebeu uma força tão grande, que era como se ela nunca se tivesse cansado, porque essa carruagem, que é a força divina, lhe foi dada para andar quando toda a força natural desfaleceu, embora conservasse sempre as mesmas sensações de cansaço, como se essa força não lhe tivesse sido dada”, registrou São João Eudes. (p. 369)

Nossa Senhora a chamava no dialeto da Normandia, minha ‘grande servidora’ e uma vez Cristo lhe apareceu perguntando para onde tinha ido sua Mãe.

Sœur Marie foi procurá-la e “viu-a vir sobre um carro de triunfo repleto de armas de toda espécie.

“Ela [Sœur Marie] se voltou para Nosso Senhor e disse: ‘Eis que vossa Mãe vem sobre um carro cheio de armas. O que Ela vai fazer com tudo isso?

“É que Ela vai para a guerra. (...)

“O que Ela vai fazer dessas armas?

segunda-feira, 20 de setembro de 2021

Sœur Marie e a conversão universal vindoura

Bem-aventurados, Fra Angelico, Berlin (1395 – 1455)
Bem-aventurados, Fra Angelico, Berlim (1395 – 1455)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Continuação do post anterior: A “grande tribulação” que purificará o mundo



Nosso Senhor também lhe fez ver o gáudio universal que tomaria conta do mundo pela conversão geral que viria após a “tribulação espantosa” que Lhe anunciava e que foi abordada no post anterior: A “grande tribulação” que purificará o mundo.

Assim o registra São João Eudes: “Tendo sido destruído o pecado por toda parte, todo o mundo se converterá a Deus, segundo o oráculo do Espírito Santo: Et convertentur ad Dominum fines terrae”.

Foi isso que Nosso Senhor fez saber à Sœur Marie através de numerosas palavras, várias figuras e explicando o significado de um grande número de passagens das Sagradas Escrituras.

“Ele lhe disse muitas vezes que chegará um tempo em que fará chover um dilúvio de graças que inundará o mundo todo, e que naquele momento embriagará com o vinho do Seu amor um grande número de pessoas.

“Mais especialmente aquelas que trabalharão pela salvação das almas, e que Ele dará belos vasos de ouro a todas as igrejas, isto é, bons pastores e bons sacerdotes, como Ele mesmo explicou, e que converterá todas as almas que levam impressa a imagem de Deus” (p. 283).

Ele também lhe disse: “Não sou rei da terra, porque não reino sobre ela; o rei dela é o pecado, pois é ele que reina sobre ela; mas Eu virei em breve e destruirei esse monstro e reinarei em todo o universo”. (p. 293)


Em 20 de dezembro de 1644 Deus lhe ordenou ir à igreja rezando um rosário completo com versículos específicos em cada conta. E lhe explicou:

“Este rosário pede pelo mundo todo. O primeiro terço representa a Igreja, o segundo a nobreza, o terceiro o povo. Foi-lhe pedido rezar assim para pedir a conversão de todos”. (p.285)

No dia 6 de maio de 1646, Nosso Senhor lhe prometeu: “Aplanarei as montanhas e as farei frutificar com toda espécie de bons frutos. Encherei os vales com leite e mel. Das minhas cinco feridas farei manar cinco rios que inundarão a terra inteira”. (p. 287)

Esses cinco rios serão de misericórdia, brotarão das cinco chagas e simbolizam: a chaga da mão direita: o poder de Deus; a chaga da mão esquerda: a Igreja; a chaga do pé direito: os judeus; a chaga do pé esquerdo: a gentilidade. 

quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Há 175 anos apareceu Nossa Senhora em La Salette

Mélanie e Maximin, os dois videntes, desceram para ver uma grande luz, dentro da qual havia uma Dama
Mélanie e Maximin, os dois videntes,
desceram para ver uma grande luz, dentro da qual havia uma Dama
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Na manhã do 19 de setembro de 1846 Maximin acompanhou Mélanie para cuidar do gado. Era um dia bonito, o céu estava sem nuvens e o sol brilhava intensamente.

Subiram o morro de La Salette (França) até uma altura de 1.800 metros, sem poderem imaginar o evento sobrenatural que haveriam de testemunhar.

Maximin queria brincar. Ela lhe propôs seu entretenimento preferido: fazer o que ela chamava de paraíso, isto é, uma casinha de pedras toda recoberta de ramalhetes feitos com flores silvestres, que desabrocham naturalmente nas alturas.

Chegando a uma curva do terreno protegida dos ventos, começaram a levantar o paraíso. No local há muita ardósia, pedra que forma placas e se prestava para o brinquedo.

segunda-feira, 13 de setembro de 2021

A “grande tribulação” que purificará o mundo

A “grande tribulação” que purificará o mundo
A “grande tribulação” que purificará o mundo.
Triunfo da morte, detalhe, Pieter Bruegel  (1525-1530 — 1569)
Museo del Prado, Madri
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Continuação do post anterior: Sœur Marie obtém a promessa dos Apóstolos dos Últimos Tempos



Truculência pelo bem dos pecadores


Sœur Marie des Vallées apelava a Deus animada do desejo ardente de exterminar o pecado e salvar as almas dos pecadores.

Embora falasse truculentamente contra o pecado e os pecadores, não desejava a sua perdição, mas a sua conversão.

Sœur Marie chegou a se interpor entre Deus encolerizado e o mundo em perdição, a fim de impedir que Deus o castigasse como merecia – o que equivaleria à sua destruição.

Assim o testemunhou, entre outros, à venerável Madre Maria do Santíssimo Sacramento do Carmelo de Amiens onde também entrou a bem-aventurada Maria da Encarnação O.C.D. (1566-1618) considerada “mãe e fundadora do Carmelo (descalço) na França”.

Seus trabalhos e financiamentos renderam quatorze Carmelos reformados segundo a regra de Santa Teresa de Jesus.

Fez essa obra quando ainda leiga casada, mãe de sete filhos, sendo lembrada pelo nome civil Barbara Acarie, ou Madame Acarie e até a “belle Acarie” pela sua beleza.

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Sœur Marie obteve a promessa dos Apóstolos do Últimos Tempos

Sagrado Coração de Jesus, col. part.
Sagrado Coração de Jesus, col. part.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Continuação do post anterior: A via de Marie des Vallées, esperança para o mundo em desvario



São João Eudes entabulou relações religiosas com Sœur Marie des Vallées, em agosto de 1641.

Tal aconteceu porque naquela data o santo pregador fora enviado pelo bispo de Coutances, Mons. de Matignon, para acompanhar o caso de uma possessa.

Em contato com ela, o Doutor do Sagrado Coração logo percebeu tratar-se do caso extraordinário de uma alma de escol perseguidíssima pelo demônio e por seus asseclas feiticeiros.

Devemos, portanto, ao Santo todos os escritos que dispomos sobre Sœur Marie des Vallées, pois ele foi seu confessor e diretor espiritual até a morte.

Paradoxalmente, o diretor acabou sendo o dirigido, no sentido de que ela lhe transmitiu da parte de Deus a missão de difundir a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, ao Coração de Maria, aos dois Corações considerados como um só, e a ‘troca de vontades’ do fiel com esse Coração, como veremos.

No mesmo ano — 1641 — em que as duas santas almas entravam em contato, Santa Margarida Maria Alacoque, confidente e intermediária das mensagens do Sagrado Coração ao rei Luís XIV, ingressava no convento das visitandinas em Paray-le-Monial, na Borgonha, assaz distante da Normandia.