segunda-feira, 21 de agosto de 2017

D. Gemma: o demônio entra nas almas e nas sociedades pela porta do laicismo

Mons Andrea Gemma, bispo emérito de Isernia-Venafro
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Continuamos com a recensão do livro "Eu, bispo exorcista" de Mons. Andrea Gemma.

Como observamos no primeiro post, D. Andrea Gemma, hoje bispo emérito, escreveu o livro quando estava à testa da diocese de Isernia-Venafro, narrando suas experiêncas na prática do exorcismo.

Dom Andrea Gemma deixou a diocese a seu sucessor em 2007, quando atingiu o limite de idade fixado pelo Direito Canônico.

No livro, o bispo confirma a espantosa influência que tem no mundo moderno e no andamento da sociedade humana o príncipe das trevas e o poder vitorioso do exorcismo sobre ele.

Ele fornece uma atualizada confirmação de quanto o bem-aventurado Pe. Francisco Palau y Quer O.C.D. denunciou ao respeito.
A Igreja em crise não usa as suas armas

O bispo procurou inspiração nos textos do Vaticano II, e eis as suas conclusões:

“Ide e folheai todos os documentos do Concílio Vaticano II, [...]

“verificai se se fala, e quantas vezes, do demônio e das suas obras. Sabeis que naqueles dezesseis documentos, pensados e ponderados, não existe sequer a palavra inferno, nem a palavra ‘demônio’?

“Incrível, mas verdadeiro, basta ir verificar...” (p. 88).

Ele debruçou-se sobre os textos litúrgicos antigos e novos. E ficou estupefato:

“Sempre lamentei que na reforma da Missa se tenha tirado aquela oração a São Miguel [Exorcismo Breve], que Leão XIII, não sem inspiração do alto, quis que fosse recitada no fim de cada celebração.

“Muitas vezes o demônio, pela voz dos possessos, fez saber que gostou muitíssimo dessa abolição! [...]

“O que é que sugeriu e sugere evitar-se o mais possível, nos textos litúrgicos, a menção a Satanás, às suas nefastas intervenções, às consequências da sua ação destrutiva?

“Quem possa, que me responda. E com argumentos válidos, por favor. [...]

“Hoje a obra assassina do demônio é mais evidente do que nunca [...]. Então, não somente não era o caso de expurgar as fórmulas deprecatórias e imprecatórias, mas sim de multiplicá-las e reforçá-las.

“Porém, infelizmente não foi assim” (p. 27).

O ambiente laicizado hodierno: vitória do demônio

D. Andrea reparou que os históricos dos que padecem malefícios e o dos possessos eram muito parecidos.

É imensa, diz ele, a quantidade de ocasiões que o contexto atual oferece às serpentes infernais para se apossarem das suas vítimas.

“A maior vitória do diabo consiste em convencer os homens de que ele não existe”.

Esta verdade indiscutível levou o prelado à conclusão de que o ambiente moderno serve de luva ideal para as garras infernais.

Laicismo e materialismo abrem as portas da possessão
A todo momento, esse ambiente sugere que não há Deus nem demônio, nem Céu nem inferno. 

E os espíritos malignos atacam e invadem os corpos das suas vítimas de inúmeras formas.

Há cultos satânicos explícitos.

Mas também implícitos, como certas técnicas de meditação e algumas terapias alternativas, superstições, jogos, sites Internet ou modas tipo Nova Era ou músicas tipo rock and roll.

Como é que a humanidade gerou esse ambiente enganosamente neutro e materialista, porém tão útil para os espíritos das trevas?

A Revolução gera ambiente propício à ação diabólica

D. Andrea dá uma elucidativa explicação histórica. Ela se aproxima muito da denúncia do processo revolucionário que o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira formula na sua obra magistral Revolução e Contra-Revolução.

Não descartamos que o culto bispo italiano tenha tirado dela alguma inspiração:

“A laicização da nossa sociedade é o fruto de um longo e complexo processo que durou cerca de cinco séculos, e que se desenvolveu em três etapas fundamentais, três revoluções no campo cultural e social, mas com lances também cruentos, que levaram à gradual transformação do mundo antigo, tradicional, para dar na sociedade atual, pós-moderna e secularizada”.

D. Andrea descreve essas sucessivas revoluções: primeiro a revolução protestante, que causou um grande desgarramento da sociedade cristã medieval; segundo o Iluminismo e a Revolução Francesa; terceiro a Revolução comunista marxista.

Por fim, acrescenta, uma quarta etapa ou Revolução: a do movimento estudantil dos anos 60, que contestou a família, generalizou o uso da droga, propugnou a libertação dos vínculos morais, e sobretudo revoltou-se contra toda autoridade.

Esse processo gerou uma sociedade e uma cultura que tendencialmente seduzem os homens para a ideia de que Deus e a religião são coisas absurdas (pp. 113 ss).

Há os que se deixam levar por essa influência, ensina D. Andrea. Mas há também os que reagem de um modo exasperado e caem no exagero oposto: as novas e enganosas formas de religiosidade.

Todo esses são fáceis presas de Lúcifer.

Armas para derrotar os demônios

D. Andrea exorta os fiéis a recorrerem às armas que vencem o demônio: a Fé, os Livros Sagrados, o jejum, os sacramentos.

E, sobretudo, a oração por meio de Nossa Senhora, a “inimiga eterna de Satanás” (p. 16).

Dom Andrea no Vaticano
Entre as orações específicas, ele recomenda a renúncia formal a Satanás, como se faz na renovação das promessas do batismo, e o exorcismo breve:

“São Miguel Arcanjo, defendei-nos no combate; cobri-nos com vosso escudo contra os embustes e ciladas do demônio. Subjugue-o Deus, instantemente o pedimos, e vós, Príncipe da Milícia Celeste, pelo divino poder, precipitai no inferno a Satanás e aos outros espíritos malignos que andam pelo mundo para perder as almas. Amém” (p. 17).

E recomenda também não se deixar seduzir pelo ambiente revolucionário hodierno nem pelas falsas novidades nas formas de religiosidade — inclusive no âmbito católico —, que tanto e tão bem servem de ocasião para os malefícios e possessões por parte do pai da mentira.

Com essas cautelas e armas espirituais, o católico resistirá e sairá vitorioso, confiando sempre na promessa divina: “As portas do inferno não prevalecerão” (Mt 16,18).


Vídeo: Dom Andrea Gemma fala sobre o exorcismo (em italiano)
Bispo emérito da diocese de Isernia-Venafro, único bispo exorcista que fica na Itália. (Em italiano)




Nossa Senhora destrói o pacto assinado pelo monge Teófilo com o demônio




















segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Bispo descreve experiências exorcizando demônios

Mons Andrea Gemma, bispo de Isernia-Venafro
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em diversos posts reproduzimos o pensamento do Bem-aventurado Pe. Francisco Palau y Quer O.C.D. a respeito da influência do demônio em nossos dias. CONFIRA

Vendo-a descrita como sendo tão grande, poderia se achar que o santo autor foi levado pelo seu fervor e pelo seu temperamento espanhol.

Não teria ele exagerado com boas intenções didáticas ou de oratória?

Para atender à questão, achamos oportuno apresentar o livro “Eu, bispo exorcista”, de Mons. Andrea Gemma, bispo emérito, de Isernia-Venafro, Itália.

Nele o bispo descreve suas experiências de exorcista e as surpreendentes conclusões a que foi levado durante uma década de prática do Exorcistado

(D. Andrea Gemma, “Io, vescovo esorcista” (“Eu, bispo exorcista”), Editora Mondadori, Milão, 2002, 208 pp. Todas as citações do post são extraídas desse livro. Não sabemos se o livro foi vertido ao português)

D. Andrea Gemma escreveu o livro quando estava à testa da diocese de Isernia-Venafro, narrando suas experiências na prática do exorcismo.

Ele deixou a diocese a seu sucessor em 2007, quando atingiu o limite de idade fixado pelo Direito Canônico.

Na manhã de 29 de junho de 1992, o novo bispo de Isernia-Venafro, D. Andrea Gemma, saía da Basílica Vaticana, olhando pensativo para a Praça de São Pedro.

As palavras de São Mateus, ”as portas do inferno não prevalecerão” (Mt 16,18), ecoavam em seu espírito com um atrativo sobrenatural. E lhe inspiravam graves considerações:

1) a ação do demônio não só não diminuiu, mas multiplicou-se;

2) o demônio é consciente de que dispõe de pouco tempo;

3) Nosso Senhor Jesus Cristo deu à Igreja enorme poder contra Satanás;

4) para não ser derrotado, o demônio faz tudo para agir no silêncio;

5) chegou o momento de desmascarar a ação insidiosa de Lúcifer e enfrentá-lo de viseira erguida, com as armas de que a Igreja dispõe. (pp. 11-12).

Por que não se fala da necessidade de exorcismo?

Voltando à sua diocese, a 170 km de Roma, D. Andrea decidiu pôr em prática o mandato divino “expulsai os demônios” (Mc 16,17).

Porque, explica ele, para o bispo, exorcizar “não é uma escolha, é obrigação” (p. 21).

Dever grave de instituir exorcistas
E cita o Pe. Gabriele Amorth que foi durante muitos anos exorcista oficial da diocese de Roma:

“Um bispo que não estabelece pelo menos um exorcista na sua diocese não está isento de pecado mortal por grave omissão” (p. 24).

O resultado foi surpreendente. O poder do inferno se lhe revelou em todo o seu horror e em toda a sua extensão.

“Quantas vezes — escreve o bispo —, nos meus colóquios cotidianos, frequentemente difíceis, com os doentes de todo tipo, esta verdade se punha diante de mim:

‘Por que não nos falaram antes destas coisas? Por que não nos alertaram com uma adequada instrução? Por que não nos preservaram a nós, grei de Cristo, da devastação dos lobos famintos?” (p. 113).

“Se todos os bispos fossem como você, estaríamos completamente vencidos, e imediatamente” (p. 12), gritou-lhe um demônio por meio de uma mulher possessa, acrescentando com desdém em uma outra ocasião: “[mas] vocês são poucos” (p. 62).

Poder da promessa de Nossa Senhora em Fátima

Em 1992, o bispo publicou a pastoral As portas do inferno não prevalecerão. Nela, alertava:

“A ação infestante e obscura de Satanás [...] está, acreditai-me, mais difundida e é mais nefasta do que se possa pensar” (p. 15).

Na pastoral, D. Andrea convocou a diocese para “uma luta sem quartel, concertada e eficaz contra o mal e as suas artes” (p. 16).

O bispo promoveu orações públicas que congregavam multidões vindas de muito longe.

O Maligno se externava visivelmente, e aqueles que sofriam alguma ação diabólica eram levados à sacristia para serem objeto de exorcismos específicos.

Mons Andrea Gemma e Nossa Senhora de Fátima
O bispo não imaginava que sua pastoral daria a volta ao mundo.

Ela foi traduzida em várias línguas.

Por meio de cartas ou da imprensa, pessoas de toda Itália e até do exterior, apelaram a seu socorro porque sentiam alguma ação diabólica ou estavam possessas.

Isso lhe mostrou que muitos fiéis estavam esperando algo do gênero, diz no livro.

Nos exorcismos, D. Andrea pôde constatar o enorme poder de Nossa Senhora e da Igreja sobre as potências do abismo:

“Se quero ver o demônio realmente furioso, basta jogar-lhe água benta, pronunciando esta minha doce certeza: ‘por fim, o Coração materno de Maria triunfará’.

“‘Sim!!!’, me responde, sempre rangendo os dentes.

“Mas algumas vezes acrescenta um desafio: ‘neste meio tempo, quantos levaremos conosco’...” (p. 63).

D. Andrea interrogou várias vezes os demônios possuidores:

— ”Vós, que vexais as vossas vítimas, tirais algum proveito ou alívio disso?

— Não, pelo contrário, nós sofremos um maior agravamento das nossas penas.

— E, então, por que o fazeis?

— Por ódio, por ódio, por ódio” (p. 61).


Vídeo: Dom Andrea Gemma fala sobre o exorcismo (em italiano)
Bispo emérito da diocese de Isernia-Venafro, Itália, responde a perguntas sobre o exorcismo. Descreve também exemplos de sua vida de exorcista. (Em italiano)




Nossa Senhora destrói o pacto assinado pelo monge Teófilo com o demônio




















segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Como será o Anticristo?

O Anticristo recebe as instruções de Lúcifer. Luca Signorelli (1445 - 1523), basílica de Orvieto, Itália
O Anticristo recebe as instruções de Lúcifer.
Luca Signorelli (1445 - 1523), basílica de Orvieto, Itália
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: Beato carmelita: a convergência ecumênica favorece o ambiente para a ditatorial religião universal do Anticristo





Em todas as considerações sobre eventos futuros, o Beato Palau amava as verdades vistas de frente, solidamente ancoradas, respeitando as anfractuosidades da vida concreta, por mais duras ou complicadas que fossem.

Ele analisava as hipóteses ponderada e minuciosamente, prestes em tudo a corrigir o que fosse necessário para fazer reluzir melhor a verdade.

Ele sabia objetar contra seus próprios raciocínios e fazia seu o melhor dos contra-argumentos.

Nada de mais contrário a ele do que as simplificações fáceis ou os panoramas alegremente descolados da realidade ou do razoável.

Por isso mesmo abordava os assuntos mais delicados e complexos, que pedem a mais cautelosa e matizada resposta.

Entre esses temas complicados ele incluía o saber discernir de modo prudente, mas preciso, o perfil do Anticristo, para o qual a Revolução prepara os caminhos.

Seus escritos refletem a diversidade de opiniões existentes sobre o assunto entre os melhores intérpretes tradicionais das Escrituras.

O Catecismo da Igreja Católica sobre o Anticristo

Promulgado em 11 de outubro de 1992
pela Constituição Apostólica FIDEI DEPOSITUM

Fonte: site da Santa Sé,
Primeira Parte, segunda seção, capítulo II


A ÚLTIMA PROVA DA IGREJA

“675. Antes da vinda de Cristo, a Igreja deverá passar por uma prova final, que abalará a fé de numerosos crentes.

“A perseguição, que acompanha a sua peregrinação na Terra, porá a descoberto o «mistério da iniquidade», sob a forma duma impostura religiosa, que trará aos homens uma solução aparente para os seus problemas, à custa da apostasia da verdade.

“A suprema impostura religiosa é a do Anticristo, isto é, dum pseudo-messianismo em que o homem se glorifica a si mesmo, substituindo-se a Deus e ao Messias Encarnado.” (...)

“677. A Igreja não entrará na glória do Reino senão através dessa última Páscoa, em que seguirá o Senhor na sua morte e ressurreição.

“O Reino não se consumará, pois, por um triunfo histórico da Igreja segundo um progresso ascendente, mas por uma vitória de Deus sobre o último desencadear do mal , que fará descer do céu a sua Esposa.

“O triunfo de Deus sobre a revolta do mal tomará a forma de Juízo final, após o último abalo cósmico deste mundo passageiro.”
Para ele, era indubitável que o Anticristo receberá, numa paródia da Encarnação, o poder de Satanás.

Mas essa paródia blasfema de Cristo poderia se realizar num indivíduo ou também num grupo:

“O Anticristo é o triunfo do diabo e do pecado em guerra contra Cristo e sua Igreja no terreno da política e da força brutal.

“É o diabo encarnado e tornado visível no poder comunicado a homens” (“El Anticristo”, El Ermitaño, Nº 16, 18-2-1869).

Não espanta, pois, que em muitas ocasiões ele chame de Anticristo ao conjunto da Revolução e seus seguidores, considerando-os um só ente moral, ou uma só pessoa mística:
“O Anticristo é o império do mal sobre a terra, protegido, escudado, e auxiliado pelos poderes políticos dos reis.

“O Anticristo é o dragão encarnado neles, personificado em suas doutrinas e em sua autoridade.

“E o Anticristo se revela e se revelará cada dia mais em signis et portentis mendacibus, entrando em comunicação familiar com todos aqueles que queiram encontrar abrigo sob suas bandeiras” (“El dragón”, El Ermitaño, Nº 46, 16-9-1869).

'El Ermitaño' foi o jornal do Beato nos últimos anos de vida. Na foto o nº 59
'El Ermitaño' foi o jornal do Beato nos últimos anos de vida. Na foto o nº 59
O B. Palau supunha também que um indivíduo de carne e osso haveria de ser exaltado como expressão suprema da Revolução. A ele se aplicaria por antonomásia o nome de Anticristo.

O demônio é um puro espírito e, enquanto tal, não pode ser percebido fisicamente pelos homens.

Para fazer-se adorar por uma humanidade ateizada e carnal na etapa última da Revolução, ele precisa se manifestar através de algum ser visível e palpável.

O demônio, então, escolheria um ser humano no qual faria transparecer suas energias infernais como sendo “divinas”.

Seria uma paródia extrema e blasfema da Encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por causa disso é estigmatizado como Anticristo.

De onde sairia esse demiurgo? Assim responde, falando sobre os revolucionários iniciados nas artes que manipulam energias ocultas:

“Esses homens têm suas escolas normais ou lojas (...) e nelas os demônios se tornam visíveis não enquanto tais, mas sob a aparência de anjos de paz, guardiães dos interesses sociais. Dessas lojas sairá treinado o Anticristo. (...)

“Essa sociedade maléfica (...) terá sempre maior incremento, até que apareça sem máscara, visível, à testa do Anticristo” (“El dogma católico con referencia a la redención de la sociedad actual”, El Ermitaño, Nº 170, 8-2-1872).

Terá, pois, íntimas relações com formas de satanismo tipo Nova Era ou certas “medicinas alternativas” mais ou menos empapadas de parapsicologia ou ocultismo.

Procederá da estirpe de Judas enquistada na Igreja? Não encontramos no bem-aventurado nada que permita afirmá-lo ou negá-lo taxativamente.

Inspirado na segunda carta de São Paulo aos Tessalonicenses (II Tes, 1-12), o bem-aventurado apontava que o Anticristo teria talento para enganar com fantasias falazes, cativar com ilusões enganosas e fazer fulgurar sedutoramente a mentira.

Numa cova em Aitona, Espanha, o Beato montou sua ermida perseguido pelo ódio anticlerical.
Numa cova em Aitona, Espanha, o Beato montou sua ermida perseguido pelo ódio anticlerical.

Veja o comentário de Santo Tomás de Aquino a essa epístola em: O Anticristo, segundo Santo Tomás de Aquino


Por isso aparecerá como um mago ou grande ilusionista, que fascinará e/ou deixará perplexas as almas através de influxos comunicados pelo rei da ambiguidade infernal.

Essa faculdade enfeitiçadora voltar-se-á especialmente para aqueles que não caíram nas rédeas da Revolução.

Inclusive suas imposturas prodigiosas poderão ser confundidas com virtude, ou derivadas de poderes como os eclesiásticos podem conferir:

“O Anticristo será o mago mais famoso e célebre que jamais houve” (“Milagros del espiritismo”, El Ermitaño, Nº 138, 29-6-1871), dizia.

“À frente e à cabeça desses magos famosos está para chegar aquele célebre homem, de quem foi profetizado que se apresentará ao mundo in omni operationi Satan, com signos portentosos para seduzir até aqueles que têm seus nomes inscritos no livro da vida, se possível fosse” (“Cosas de mi pueblo”, El Ermitaño, Nº 139, 6-7-1871).

Ser-lhe-á concedido um breve tempo para tentar os últimos fiéis, segundo o bem-aventurado.



Sobre a personalidade do Anticristo, São João Damasceno ensina:

“Não será o diabo encarnado, mas sim um homem filho da fornicação, que será formado no segredo e estabelecerá subitamente seu reino. De início fingirá santidade; mas logo arrancará a máscara e perseguirá a Igreja de Deus”

(São João Damasceno, La fé ortodoxa, IV, 26, Patristiche Texte und Studien, Berlin-New-York, 12, p. 232-234, apud, Écrits sur l'islam – Présentation, commentaires et traduction par Raymond Le Coz, Les éditions du Cerf, París, 1992, 269 págs., p. 90).

Antes desse grande enganador se exibir descaradamente aos últimos homens de fé, o Beato Palau também designava com o rótulo de Anticristo o corpo moral da Revolução que lhe prepara o advento:

“A Revolução é todo o poder político dos governos da terra, e sua cabeça é o Anticristo.

“Vemos já todo o corpo, isto é, todos os reis da terra ligados por uma única ordem: Guerra a Deus!

“Só falta que apareça a cabeça, e essa vai receber seus poderes vindos do diabo.

“No Anticristo, o diabo atingirá o poder no mais alto degrau que lhe pode ser consentido sobre a terra” (“Crímenes y atrocidades de la magia maléfica”, El Ermitaño, Nº 33, 17-6-1869).

“Isto é o que temos em vista: vemos o corpo do Anticristo; sua cabeça não aparece ainda, mas sim vemos já formado seu império”, a Revolução (“Fin del mundo: aparición de Elías Tesbites”, El Ermitaño, Nº 120, 23-2-1871).

Olhando para o Anticristo, as revoluções anteriores – Revolução protestante, Revolução Francesa, Revolução bolchevique e Revolução de Maio de 68 – se reconhecerão nele e sentir-se-ão interpretadas e realizadas.

Isso lhe atrairá a confiança das diversas formas de revolucionários, inclusive dos indispostos entre si, que se aglutinarão em torno de sua maléfica figura.

As falsas religiões descobrirão nele traços da divindade que adoram e em volta dele se dará uma convergência ecumênica universal.

Quando se revelará ele aos homens? Virá em nossos dias?

Ou só veremos a manifestação de alguma prefigura?

O bem-aventurado achava que a marcha extremamente avançada da Revolução prepara diretamente sua iminente aparição.

  Um ecumenismo imprudente será explorado pelo Anticristo para impor sua religião universal panteísta
Um ecumenismo imprudente será explorado pelo Anticristo para impor sua religião universal panteísta
Mas, ao mesmo tempo, estava convencido de que a Misericórdia divina cortaria o passo da iniquidade revolucionária.

Porque Deus, na sua misericórdia – dizia ele –, enviaria alguém revestido da missão de Elias profeta, para converter as nações e lhes conceder um derradeiro período de paz e de ordem.

Quase meio século antes das aparições de Nossa Senhora em Fátima, o bem-aventurado pressentia profeticamente aquilo que Nossa Senhora anunciou aos três pastorzinhos:

depois de grandes castigos corretivos, o mundo se converterá e terá paz. Quer dizer, virá o reino triunfal do Imaculado Coração de Maria.(Cfr. Antonio Augusto Borelli Machado, Fátima – Mensagem de tragédia ou de esperança?, ArtPress, SP, 46ª ed., 1997).

Nesta perspectiva, tudo o que toca ao Anticristo está num suspense.

Para tentar decifrá-lo, o Beato Palau voltava sua mente para os mistérios que envolvem o grande profeta do Carmo e sua vinda futura para combater o próprio Anticristo.


segunda-feira, 31 de julho de 2017

Beato carmelita: convergência ecumênica
prepara a religião universal do Anticristo

Para o santo e clarividente carmelita, uma confusão imprudente entre as religiões, favorece o ambiente para o Anticristo instaurar sua ditatorial religião universal. Foto: encontro ecumênico de Assis, em 27 de outubro de 1986
Para o santo e clarividente carmelita, uma confusão imprudente entre as religiões,
favorece o ambiente para o Anticristo instaurar sua ditatorial religião universal.
Foto: encontro ecumênico de Assis, em 27 de outubro de 1986
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: A marcha alucinada do mundo e a rede de intercomunicação global





O império ou república universal planetária, que o bem-aventurado Palau via se formar segundo planos luciferinos anticristãos, deverá ter como consequência e pilar fundamental o afloramento de uma religião universal.

Há hoje um ecumenismo imprudente que parece caminhar para esse fim.

“Oficialmente não haverá outra religião senão a do Estado. Um só Deus, uma só religião.

“E esse Deus será o Anticristo, e essa religião, a anticristã”, escreveu (“Incendio de barracas en Barcelona”, El Ermitaño Nº 170, 8-2-1872).

Nela deverão se amalgamar todas as crenças, numa convergência caótica favorecida e até estimulada pelas transformações globalizantes que acontecerão na esfera temporal.

Tudo isso sem muitas preocupações pela verdade ou pelo erro, pelo que é moral ou imoral, no ambiente consagrado pela expressão “ditadura do relativismo”.

Mas, previa o B. Palau, essa confluência de todos com todos não trará a verdadeira paz.

Pelo contrario, disfarçada de conhecimento e compreensão recíproca entre religiões, seitas e filosofias, essa enxurrada ecumenista, na prática, espalhará a confusão e a inevitável discórdia da humanidade para atingir um paroxismo que beirará no desespero:

“Unidos pelo vapor e pela eletricidade num mesmo vagão, ficarão o cristão, o mouro, o judeu, o protestante, o cismático, o missionário, a monja, o frade, a prostituta.

“Postos lado a lado todos os programas religiosos de todas as nações, na religião será inevitável outro choque, mais terrível sem comparação que o político.

“Essa guerra religiosa jogará o pai contra o filho, um vizinho contra outro, um povo contra outro povo e uma nação contra outra.

“Completar-se-á a dissolução social no orbe inteiro a partir do seio da família, e chegará até o trono do rei nos palácios” (id. ibid.).

Em encontro ecumênico, ídolo de Buda sobre o sacrário do altar. Assis, 27 de outubro de 1986.
Em encontro ecumênico, ídolo de Buda sobre o sacrário do altar. Assis, 27 de outubro de 1986.
O bem-aventurado discerniu o fundo satânico dessa religião universal num convite lançado pelo espiritismo:

“Essa seita acaba de fazer um convite geral a todas as religiões por ordem dos espíritos superiores, para que todas, inclusive o catolicismo, se unam e constituam uma só religião sob a direção dela.

“Podemos chegar mais longe? O que é que é isto? Aonde iremos a parar?” (“Plan del espiritismo”, El Ermitaño, Nº 29, 20-5-1869).

Um século antes da perfuração do túnel debaixo do Canal da Mancha, o bem-aventurado comentou um projeto de unir a Grã-Bretanha ao Continente:

“Pensa-se criar uma ponte gigantesca entre Calais e Douvres, que porá a Inglaterra em comunicação com o continente.

“Segundo o plano apresentado pelo engenheiro francês M. Boutet, a ponte se apoiará sobre vinte e nove arcos, e se tem completa segurança de colocar os pilares correspondentes, rodeados além do mais de cabos, que em vez de serem um perigo, servirão de abrigo para os buques nas terríveis tempestades do estreito.

“No Istmo de Suez será inaugurado um canal que põe em comunicação as águas do Mediterrâneo com o mar das Índias, em outubro do ano em curso.

“Damos estas noticias porque os fatos a que se referem desenvolvem e explicam as profecias relativas ao império universal, primeiro sobre a terra do Anticristo, e depois de Cristo e de sua Igreja.

“Pela monstruosa ponte teremos a Inglaterra unida às demais nações da Europa, e pelo canal de Suez o presidente da república federal comunicará com as quatro partes do globo” (“Monarquía democrática”, El Ermitaño, Nº 32, 10-6-1869).

Na inauguração do Canal de Suez, o bem-aventurado registrou outro indício premonitório dessa religião universal:

A inauguração do Canal de Suez foi comemorada com leviana euforia. Pareceu prenuncio de paz globalizada pela confluência comercial dos povos e o encontro das religiões. O Beato previa um gigantesco desentendimento entre povos e crenças.
A inauguração do Canal de Suez foi comemorada com leviana euforia.
Pareceu prenuncio de paz globalizada
pela confluência comercial dos povos e o encontro das religiões.
O Beato previa um gigantesco desentendimento entre povos e crenças.
“O canal de Suez já foi aberto para a navegação de todas as nações. No momento de comunicar o Mediterrâneo com os mares da Índia, as águas foram abençoadas simultaneamente por um sacerdote católico, um pope grego, um pastor protestante, um armênio, um ulema e um budista” (“El Istmo de Suez”, El Ermitaño, Nº 58, 9-12-1869).

Um século antes, o B. Palau discernia em gestos como esse – hoje repetitivamente banais – um ecumenismo imprudente, penetrado pelo espírito da Revolução.

A religião planetária se estava gestando. Mas seu fim último não era levar todas as almas para a única Igreja verdadeira.

Pelo contrario, urdia-se uma falsa convergência ecumênica que preparava para adorar Satanás como que habitando em alguma figura que se fará conhecer como único e sumo representante da Revolução.


Como é que conceitos como “ecumenismo” podem ser distorcidos a ponto de transmitir o oposto do que significam? A este respeito veja-se a obra do Prof. Plinio Corrêa de Oliveira Baldeação ideológica inadvertida e diálogo, Editora Vera Cruz, 5ª ed. 1974.

“A palavra “ecumenismo” – explica o Prof. Corrêa de Oliveira – tem, de si, um sentido excelente.

“No entanto, ela é susceptível também de um significado irênico. Admitidas todas as religiões como “verdades” relativas, postas entre si num diálogo hegeliano, o ecumenismo toma o aspecto de uma marcha dialética de todas elas para uma religião única e universal, integrada sinteticamente pelos fragmentos de verdade presentes em cada uma, e despojada das escórias das contradições atualmente existentes.

“Visto assim, o ecumenismo é uma imensa preparação de todas as religiões, feita através do diálogo hegeliano, para, uma vez unificadas, entrarem em ulterior diálogo com a antítese comunista.” (op. cit., p. 101).

O império da Revolução e o Anticristo

Para o clarividente Beato Palau, a república federal universal que estava sendo preparada consistiria num estado de coisas edificado em desafiante abstração do Criador.

Contemplando a imensa – mas periclitante – Babel revolucionária, fruto de suas mãos, os homens seriam tomados de uma autossatisfação raiando na adoração.

Essa república universal sem fronteiras e sem autoridades respeitáveis seria a realização mais ousada do “Não servirei!” de Lúcifer, entoado por vozes humanas.

Surgiria um mundo que se levanta caprichosamente segundo leis dadas pelos homens a si próprios, desconhecendo a autoridade do Legislador Supremo.

Assim sendo, o bem-aventurado estava certo de que os tempos do Anticristo profetizados no Apocalipse estavam se tornando realidade já na sua época, mas que haveria de atingir sua plenitude proximamente:

“Aquilo que São João viu em visão profética [N.R.: Apocalipse] nós o olhamos com os nossos próprios olhos. Satanás, diz no capítulo XX, será desencadeado, sairá de seu cárcere e seduzirá as nações que vivem nas quatro partes do mundo Essa corrupção, sedução e apostasia é já um fato consumado” (“Antonia”, El Ermitaño, Nº 81, 26-5-1870).

O império ou república universal concretizaria o sonho do filho da perdição previsto por São Paulo na sua segunda epístola aos Tessalonicenses (II Tess, 1-12).

Veja o comentário de Santo Tomás de Aquino a essa epístola em: O Anticristo, segundo Santo Tomás de Aquino


Comentando essa epístola, o Beato Palau escreveu:

“No que se refere à vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo (...) antes deve vir a apostasia e deve se manifestar o homem da iniquidade, o filho da perdição, que se opõe e se insurge contra tudo o que se chama Deus ou é adorado, até se sentar no templo de Deus e se proclamar Deus a si próprio” (II Tes, II, 1-12).


Na encíclica E supremi apostolatus, de 4 de outubro de 1903, São Pio X ensina:

“Quem pesa estas coisas tem direito de temer que uma tal perversão dos espíritos seja o começo dos males anunciados para o fim dos tempos, e como que a sua tomada de contato com a terra, e que verdadeiramente o filho de perdição de que fala o Apóstolo (2 Tess 2,3) já tenha feito o seu advento entre nós, tamanha é a audácia e tamanha a sanha com que por toda parte se lança o ataque à religião, com que se investe contra os dogmas da fé, com que se tende obstinadamente a aniquilar toda a relação do homem com a Divindade!

“Em compensação, e é este, no dizer do mesmo Apóstolo, o caráter próprio do Anticristo, com uma temeridade sem nome o homem usurpou o lugar do Criador, elevando-se acima de tudo o que traz o nome de Deus.

“E isso a tal ponto que, impotente para extinguir completamente em si a noção de Deus, ele sacode entretanto o jugo da sua majestade, e dedica a si mesmo o mundo visível à guisa de templo, onde pretende receber as adorações dos seus semelhantes.

“Senta-se no templo de Deus, onde se mostra como se fosse o próprio Deus (2 Tess 2,2)”.

(San Pio X, Encíclica E supremi apostolatus, in Escritos Doctrinales, Ediciones Palabra, Madrid, 4ª ed., 1975, 557 págs., pp. 19-21).

Para os espíritos superficiais, desinteressados face à existência e aos objetivos da Revolução, a instalação desse poder de atração universal terá algo de repentino.

Para dar uma ideia de um fato tão surpreendente, o B. Palau apelava para os exemplos das fulgurantes campanhas militares de Napoleão I e de Guilherme de Prússia.

O mundo ainda não conhecia as conquistas desconcertantes de que a guerra psicológica revolucionária é capaz, nem os bruscos surgimentos de líderes políticos e mudanças da opinião pública operadas pelos meios de comunicação social:

“O Anticristo vai nos pegar de surpresa – dizia.

“Hoje somos aquilo que somos, mas amanhã na hora de acordar ser-nos-á anunciado que um gênio guerreiro desfez as potências mais fortes do globo, e que tendo nós perdido a nacionalidade, estamos sob o seu domínio.

“No dia seguinte um decreto imperial anunciará a supressão do culto católico em todo o universo.

“Em outro dia serão publicadas as penas em que incorrem aqueles que não se rendam às leis do imperador” (“Roma”, El Ermitaño, Nº 12, 21-1-1869).

Continua no próximo post: Como será a pessoa do Anticristo


segunda-feira, 24 de julho de 2017

A intercomunicação global e a marcha alucinada do mundo
apressam o reino do Anticristo

Triunfo da morte, detalhe. Pieter Bruegel  (1525-1530 — 1569) Museo del Prado, Madri.
Triunfo da morte, detalhe. Prefigura da marcha enlouquecida da Revolução.
Pieter Bruegel  (1525-1530 — 1569) Museo del Prado, Madri.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: Os “sacramentos” da Revolução e a possessão diabólica



O Beato Palau via a Revolução avançando como um bólido descontrolado, impedido de se deter:

“o império do mal pegou velocidade, e corre com tanta maior rapidez quanto maior é o crime que pesa sobre ele, tendo-lhe ficado impossível se deter.

“Na sua corrida, quebra, esmaga, destrói, esfrangalha, vence todos os obstáculos que lhe opomos para fazer que retroceda.

“Progresso! Para frente! Progresso! Bradam seus condutores” (“Faraón y el Anticristo”, El Ermitaño, Nº 77, 28-4-1870).

O B. Palau não tinha ilusões. Se o mundo encharcado de orgulho e sensualidade não se convertesse, a catástrofe prefigurada pelo desastre do trem de Gerona tornar-se-ia espantosa realidade.

Quando sucederia isso?

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Os “sacramentos” da Revolução e a possessão diabólica

O Beato Palau sofreu atroz perseguição das forças das trevas, angélicas e humanas
O Beato Palau sofreu atroz perseguição
das forças das trevas, angélicas e humanas.
Teve larga experiência pastoral com as possessões
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: “Sacerdotes” da Revolução anticristã promovem o retorno ao paganismo



O bem-aventurado Palau considerava que assim como os verdadeiros sacerdotes de Nosso Senhor Jesus Cristo distribuem os Sacramentos, os verdadeiros chefes e altos ministros da Revolução recorrem às artes mágicas numa forma e dimensão insuspeitada.

Suas manobras políticas ou sociais embutem bruxedos que funcionam como anti-“sacramentos” revolucionários, portadores de uma influência de Satanás.

O Ritual Romano (Rituale Romanum, Titulus XI, caput I, De exorcizandis obsessis a daemonio, n. 20, Desclée et socii, Romae-Tornaci-Parisiis, 1926, p. 446) adverte que nos casos de malefícios, possessões e práticas mágicas, o mago ou a feiticeira manda entregar à vítima algum fetiche ou objeto embruxado.

A esse objeto está unida tal o qual influência diabólica. Certos chefes revolucionários que estão em contato com os demônios recorrem a práticas análogas.

Mas eles não se servem de feitiços vulgares. Em lugar disso, a influência diabólica está ligada a leis ou normas anticristãs ou antinaturais.

Isso não é de espantar. Por exemplo, em nossos dias, Lucien Greaves, porta-voz do grupo Satanic Temple dos EUA, reivindicou o “casamento” homossexual como um “sacramento” da religião diabólica, segundo informou o site LifeSiteNews.

Assim explicava o bem-aventurado Palau:

segunda-feira, 10 de julho de 2017

“Sacerdotes” da Revolução anticristã
hoje promovem o retorno ao paganismo

Na reunião da quase totalidade dos chefes de governo do mundo na Rio+20 (2012)
cerimônias esotéricas para atrair "energias escuras" sobre os políticos reunidos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: A Revolução é a revolta atual do demônio contra a Igreja e a Cristandade



Na medida em que a Revolução demole os restos da civilização cristã, ela vai afundando o mundo nas águas estancadas e fétidas de um novo paganismo, pior que o da Antiguidade ou dos povos mais decadentes:

“Dominados os reis, as massas do povo indo atrás de seus governos, resulta que neste mundo político material visível voltou a se constituir o paganismo antigo, embora acomodado em sua forma à especialíssima situação da época” (“Relaciones entre los espíritus y el hombre”, El Ermitaño, Nº 117, 2-2-1871).

Essas afirmações podiam parecer ousadas no século XIX, que avançava alegremente deslumbrado pelo progresso das invenções. Mas ainda não se proclamava abertamente o culto de Gaia – a deusa terra dos ecologistas.

Tampouco se generalizavam, como agora, os sombrios cultos pagãos do Oriente – budismo, hinduísmo etc. – nem as práticas e crenças supersticiosas ou fetichistas de tribos africanas ou americanas sob o rótulo de uma Nova Era.

E os arraiais “católicos-progressistas”, missionários comuno-tribalistas ou carismáticos, não andavam em busca de “novas formas” de oração ou energias vindas das profundezas, ou nas tribos mais primitivas da Amazônia!

Para o Pe. Palau, adotar os decadentes cultos pagãos representa uma apostasia radical do doce jugo de Nosso Senhor Jesus Cristo. E o bem-aventurado comparava essa deserção de massa a um novo deicídio executado na pessoa da Igreja:

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Beato Palau: ver a Revolução para entender o que está acontecendo

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs
Beato Francisco Palau y Quer O.C.D. (1811-1872)
Beato Francisco Palau y Quer O.C.D. (1811-1872)
Nota biográfica do Beato Francisco Palau O.C.D.

O bem-aventurado Francisco Palau y Quer O.C.D. nasceu no dia 20 de dezembro de 1811 em Aytona, na província espanhola de Lérida, e faleceu em 20 de março de 1872 socorrendo as vítimas de uma epidemia em Tarragona, Espanha.

Fundou em Barcelona a “Escola da Virtude”, modelo de ensino catequético, e em 1860-61 as congregações de irmãos e irmãs carmelitanas terceiras, que deram origem às congregações de Carmelitas Missionárias Teresianas e às Carmelitas Missionárias.

Pregou missões populares e difundiu a devoção a Nossa Senhora. Foi beatificado em 24 de abril de 1988. Sua festa litúrgica se celebra em 7 de novembro.

O Beato Palau professou seus votos na Ordem do Carmo em 15 de novembro de 1833, tempo de perseguição religiosa.

Em 25 de julho de 1835 as turbas republicanas, socialistas e comunistas incendiaram as casas religiosas, inclusive o convento do Beato. Ele se exilou numa gruta em Aytona conhecida como Cueva del Padre Palau que hoje é santuário mariano objeto de romarias.

Após novas convulsões, ele foi constrangido ao exílio na França, onde residiu por onze anos, até 1851, numa gruta perto do santuário de Notre Dame du Livron. Sua fama de santidade e os milagres que o povo lhe atribuía, atraiu a inimizade do clero local que se sentia “diminuído” por um religioso estrangeiro.

Voltou à Espanha em 13 de abril de 1851. Nomeado diretor espiritual do seminário diocesano de Barcelona, ele organizou a “Escola da Virtude” nos bairros operários.

O extraordinário sucesso da Escola para tirar o povo da influência revolucionária anticristã motivou arruaças socialistas e comunistas.

O governo liberal desterrou então o Beato Palau para a ilha de Ibiza, onde residiu durante seis anos e fundou um eremitério consagrado a Nossa Senhora do Carmo, primeiro santuário mariano da ilha.

Autor de vários livros, no fim de sua vida criou e foi o principal redator do semanário literário, político e religioso “El Ermitaño”, onde publicou suas reflexões sobre o presente e o futuro da Igreja e da humanidade.

Seus escritos se destacam pelas luzes proféticas. Sua linguagem utiliza muitas figuras e símbolos.

No fim de vida o Beato fez muitos exorcismos e pediu ao Papa Pio IX uma mobilização em massa do clero para exorcizar os demônios que possuem o mundo. Enviou ao Concilio Vaticano I uma raciocinada petição sobre o tema.

Em “El Ermitaño” o Beato Palau via os problemas religiosos, políticos, sociais, econômicos – e até os tecnológicos – como fazendo parte de um só e imenso movimento que, animado por Lúcifer e seus sequazes, procurava derrubar a Igreja Católica e a ordem social cristã.

Arguto e intenso analista das informações que chegavam a Barcelona através de jornais e telégrafos, ele teceu panoramas inspirados pela Fé e pela teologia nos quais é difícil recusar a inspiração profética.

O bem-aventurado Palau julgava que o conhecimento da Revolução, de sua existência, suas metas, seus métodos e agentes, é a chave para decifrar o aparentemente tão caótico acontecer moderno.

Ele dizia que se não se considerasse a realidade à luz dela, perder-se-ia a noção do que se está dando em torno de nós.

Mas seus contemporâneos mal viam a Revolução. Esta tinha cegado suas vítimas, estava se apossando dos poderes temporais e espirituais e imprimia o rumo dos fatos na terra. Explicava ele:

“o miserável mortal não vê (...) que há uma combinação para o mal, (...) sustentada e defendida por todos os poderosos da terra, animados, dirigidos e ordenados sob as ordens de um só príncipe, que é o diabo.

“Não vê esse anjo revolucionário que, executando um plano coerente que vai percorrendo os séculos, conseguiu fazer-se coroar com a glória e o poder de todos os reis do mundo civilizado” (“El reino de Satán sobre la tierra”, El Ermitaño, Nº 32, 10-6-1869).

O bem-aventurado deplorava que as boas iniciativas sofressem frustrações uma após outra. A causa disso radicava em que os seguidores das causas justas não atinavam para a unidade e a universalidade da Revolução:

“O que é a revolução da Espanha? – Um chifre, uma coroa sobre uma das sete cabeças do dragão infernal, essa cabeça se tornou visível nos atos de demolição e destruição de toda a ordem social; (...)

“essa cabeça vai formando um mesmo corpo de delito com as demais nações, formando em todas elas uma maldade única, um exército único, um só dragão, uma coisa só, e essa unidade e sustentada pelo príncipe tenebroso” (id. ibid).

“Se a revolução da Espanha é olhada segundo os cálculos da política, seu triunfo não tem explicação. Se julgamos com as leis da prudência humana aquilo que noticia a imprensa, tudo aparece tenebroso, incerto e movediço.

“Porém, se consideramos que a Revolução está combinada desde séculos passados com a da Itália, com a da França, com a dos protestantes, (...) nossos juízos e cálculos serão mais acertados e proveitosos” (“España: la esperanza de los católicos”, El Ermitaño, Nº 10, 7-1-1869).

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Beato Palau: a Revolução é a revolta atual do demônio
contra a Igreja e a Cristandade

A Revolução é o assalto de Satanás contra a Igreja e a Cristandade
A Revolução é o assalto de Satanás contra a Igreja e a Cristandade
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: Beato Palau: ver a Revolução para entender o que está acontecendo



Retrospectivamente, o Beato Palau identificava quatro grandes ofensivas históricas sucessivas perpetradas pelo inferno contra a Igreja e a Civilização Cristã, visando erradicar os efeitos abençoados da Redenção.

1. A primeira consistiu no islamismo. Por meio dele, o inimigo da humanidade conseguiu arrebatar da Igreja a Terra Santa e enormes extensões cristianizadas da Ásia e da África.

Essa ofensiva continua, mas como não conseguiu completar sua meta na História por meio dela, o demônio desencadeou uma ofensiva diversa.

2. A segunda grande ofensiva foram os cismas – principalmente o grego –, que desgarraram da Igreja colossais setores da Cristandade outrora pertencentes ao império greco-bizantino com sede em Constantinopla e a totalidade da Rússia.

Salvo gloriosas exceções, o Oriente evangelizado sucumbiu aos assaltos. Porém ainda ficava o Ocidente.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Incêndios em Portugal: quando a Mãe é ofendida,
como reagirá o Filho?

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





No centenário das Aparições em que Nossa Senhora de Fátima advertiu os homens para abandonarem a imoralidade, estamos assistindo a fatos assustadores e inimaginados.

Que ano poderia ser mais propício para a hierarquia católica retomar com fervor e clareza a pregação moral católica, alicerçada nas palavras de Nossa Senhora em Fátima?

A moral familiar, por exemplo, tão necessitada de uma restauração. Essa só poderá vir com um auxílio sobrenatural, com a frequentação dos sacramentos, com a recitação do Terço e a prática das devoções tradicionais.

E o comunismo, a tintura-mãe de todas as formas da imoralidade? Ele continua sendo espalhado desde a Rússia, mas também pelos agentes da Revolução Cultural, amigos da “nova-Rússia”, instalados em muitos governos do Ocidente!

Nada! Nada digno de destaque está sendo feito face à grave decadência moral que devasta o mundo.

S.S.Francisco I foi a Fátima, canonizou os santos pastorinhos Jacinta e Francisco. Mas o apelo à conversão pedido em Fátima e que desejávamos ouvir do Santo Padre com o vigor com que o Beato Urbano II convocou as Cruzadas, não veio.

Fez-se um impressionante silêncio.

Silêncio? Só silêncio?

Multiplicam-se as blasfêmias e atentados sacrílegos. O inferno já nada respeita.