segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Beata Aiello: “Falsos profetas”, conspiração da imoralidade,
flagelo da Rússia e a intervenção de Nossa Senhora

Beata Elena Aiello: mística que desde o leito dirigia grande obra de caridade
Beata Elena Aiello: mística que desde o leito dirigia grande obra de caridade
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Continuação no post anterior: “Beata Elena Aiello: mensagens que ratificam La Salette e Fátima”



Ouvindo esses avisos [N.R.: conferir post anterior], Irmã Elena atreveu-se a perguntar: “O que será da Itália que amo tanto?”

E ouviu severas palavras:

“Nela se cometem muitos pecados.

“Falsos profetas circundam o Cristo na terra. Essas almas me ferem mais que os pecadores [...].

“O demônio desencadeou a mais terrível batalha contra Deus e a Igreja, e levou muitas almas pela via da perdição [...]”.

Também em La Salette, Nossa Senhora advertiu contra os maus eclesiásticos – “falsos profetas” – que, apresentando-se como teóricos ou justificadores da imoralidade com sofismas teológicos diversos, precipitam os institutos religiosos e grande número de simples fiéis em abismos insondáveis de corrupção.

Prossegue a Beata Elena Aiello, narrando o que ouviu do Céu sobre uma conspiração universal sistematizada, feita a partir de antros ocultos para corromper os homens:

“O pecado de impureza foi transformado numa arte sedutora, diabólica: a maior parte dos homens vive na lama. Esse pecado vai trazer a ruína e a morte.

“O mundo tornar-se-á um vulcão de fogo, um torrente de sangue; a maior parte dos homens será destruída; todos estarão indefesos [...].

“As forças do mal agem especialmente entre a juventude e estão prontas para se desencadearem sobre o mundo inteiro, não fazem mais mistério algum de seu objetivo.

“O homem está imerso na lamacenta maré de corrução que tenta afundar o mundo [...].

“A humanidade está sendo levada a banir Jesus Cristo da família, por isso o mal vai crescendo sempre mais [...] o pecado de impureza chegou ao auge [...]”.
Blindados russos modernizados em recente parada na Praça Vermelha de Moscou
Blindados russos modernizados em recente parada na Praça Vermelha de Moscou

A Rússia, instrumento da punição

“A Rússia soltará todas as forças do mal sobre todas as nações e em dado momento destruirá a melhor parte de minha grei: esta passará pela purificação, que será tida como o mais grave flagelo na história do mundo.

“O materialismo avança [...]. Virá uma guerra que destruirá povos e nações, os homens caminharão sobre os cadáveres [...].

“A Igreja está ferida por dentro e externamente.

“Então, as trevas cobrirão a terra porque estão dominadas por Satanás. As forças do mal avançam, e as forças do bem retrocedem [...]” (Das mensagens de 1952/53).

A “autodemolição” da Igreja

“As igrejas estão desertas: as almas consagradas deixam-Me sozinho no tabernáculo. Poucos são os que Me amam.

“A Igreja será muito atormentada; uma terça parte dos homens se salvará [...]. A hora presente é uma das mais terríveis para a humanidade [...].

“Meus ministros não pregam mais o Evangelho [...].

“O mundo tornou-se um vasto túmulo de mortos e moribundos: a inocência das crianças é objeto de insídias; a juventude é perdida pelo escândalo e pela desordem da vida conjugal [...]”.

“Eis a salvação para esses males. Mas o mundo não ouve [...]

“O mundo só pode salvar-se em parte com o sofrimento e com a oração.

Os estigmas apareciam na Beata durante as Sextas-feiras Santas
Os estigmas apareciam na Beata durante as Sextas-feiras Santas
“Estes avisos não devem ficar sepultados, mas devem ser conservados zelosamente, a fim de que a nova geração [NdT: quer dizer, os sobreviventes do grande flagelo) saibam que os homens e os povos foram avisados a tempo para retornarem a Deus [...].

“Os homens serão punidos de acordo com as dívidas contraídas com a Justiça Divina [...].

“Os pecadores, os ímpios serão destruídos, as almas justas, os devotos de meu Rosário não morrerão, mas padecerão a dor da morte [...].

“Todos assistirão com a alma agoniada [...] o céu se tingirá de vermelho [...] a tempestade será de fogo e desencadear-se-á pelo mundo inteiro [...]” (Das mensagens de 1955).

O papel dos “erros da Rússia”

“A Rússia espalhará os novos erros em todo o mundo, promovendo a guerra e a perseguição contra a Igreja...

“A Itália é a rainha das nações, mas se não rezar tornar-se-á pior que a Rússia e será muito atormentada.

“Roma deve pagar seus erros e seus graves pecados. A Itália, sede do Vigário de Cristo, será humilhada.

“O materialismo se faz sempre mais agressivo [...]. A Rússia espalhará seus erros no mundo inteiro [...].

“Virá uma guerra jamais vista: todas as nações descerão ao campo de batalha; a guerra fratricida está próxima [...].

“Os governantes dos povos não querem a luz de Deus; entre esses estão os da Itália, porque eles se servem de Meu Nome e de Meu Filho Jesus, dizem ser cristãos, mas estão contra as leis evangélicas [...]”.

Três dias de trevas

Saque de Roma. Anônimo italiano séc. XVI-XVII, col. priv.
Saque de Roma. Anônimo italiano séc. XVI-XVII, col. priv.
“Aparecerá no céu uma nuvem que crescerá e submergirá povos e nações. Uma nuvem vermelha como o fogo atravessará o céu [...].

“tudo isso durará três dias e três noites, durante esses três dias será necessário ficar em casa [...] os cadáveres cobrirão toda a terra [...]”.

A Irmã Elena contou que Nossa Senhora lhe explicou o flagelo que virá para castigar os malvados com estas expressões:

“Virá pela manhã e será precedido por um terrível furacão de vento que abalará tudo.

“Depois o próprio Jesus Cristo aparecerá numa nuvem e se ouvirá um brado de justiça em toda a terra. Todos começarão a empalidecer-se e a tremer de pavor.

“Na sequência desse brado espantoso, densas trevas envolverão toda a terra e se desencadeará uma tremenda tempestade de fogo, que incinerará todos os ruins e malvados.

“Vereis cair em pedaços fumegantes as carnes dos corpos dos ímpios. Procurarão cavernas para se proteger, mas será em vão!”.

A arma do Santo Rosário

A última despedida à Beata Elena
A última despedida à Beata Elena
“Até os bons morrerão de pavor, mas Nossa Senhora disse que aparecerá na Terra e salvará do flagelo todos os bons, particularmente aqueles que recitarem o Terço de seu Santo Rosário!”

O comunismo: revolução articulada no mundo contra a Igreja

“O comunismo se propaga pelo mundo inteiro; o materialismo tem uma grande organização como nunca se viu igual na face da Terra.

“Ele derrubou os direitos da Igreja, depositária do Santo Evangelho. Suas forças são poderosas, difunde seus erros suscitando guerras, revoluções, perseguições contra a Igreja.

“Por isso, os religiosos, os sacerdotes, todo o Clero, as almas a mim consagradas e os devotos de meu Coração devem estar na primeira linha para combater o materialismo com seu exemplo, vivendo uma vida santa, devem salvar as almas.

“Devem se engajar com seu apostolado no combate ao materialismo para conquistar o reino de Cristo.

“Se não se rezar, a Itália será invadida pelas tropas russas [...].

“O pecado de impureza faz estragos na juventude, entre as crianças; a família cristã não existe mais; não fazem mais mistério: querem expulsar Cristo das famílias, das escolas, das oficinas, da sociedade, das consciências [...]”.

O castigo de Roma

Crepúsculo em Roma
Crepúsculo em Roma
“Roma será punida [...] a Rússia elevar-se-á por cima de todas as nações, especialmente da Itália, e plantará a bandeira vermelha na cúpula de São Pedro [...].

“a Rússia preparou armas secretas contra os Estados Unidos, contra a França e contra a Alemanha. A guerra está próxima. O Reno, a partir da Suíça, estará cheio de cadáveres e de sangue.

“O Papa terá muito que sofrer. O leão rugindo avançará sobre a Cátedra de Pedro para difundir seus erros. O fel da Rússia envenenará todas as nações, especialmente a Itália [...].

“Os homens não reconhecem mais seu Deus; seu deus é o pecado, o prazer, a desonestidade; [...].

“a Rússia é guiada por Satanás, porque quer o domínio absoluto de toda a Terra [...]. A Igreja será perseguida e o Papa e os sacerdotes terão que sofrer muito”.

No momento do ataque supremo, Nossa Senhora intervirá

No mesmo sentido, a Irmã Elena descreve isto, que viu numa visão:

“Vão ao Vaticano, prendem o Papa [...] o Papa está sozinho, rezando [...] pegam-no, jogam-no por terra, amarram-no [...].

“Ó, meu Deus, socorro, socorro, esses brutos vão matar o Papa. Ó Deus, batem nele [...] o que se vê [...].

“Nossa Senhora se aproxima; os homens caem mortos por terra. Nossa Senhora reergue o Papa, toma-o pelo braço e o cobre com seu manto.

“Ó Deus, o que estou vendo! Desgarram-se as bandeiras, caem as hastes, caem as varas, não tenhais medo porque os celerados sem Deus não o atingem [...].

“Bradam: ‘Não, não queremos que Deus reine sobre nós; Satanás deve reinar’.

“Nossa Senhora mantém o Papa sob o seu manto [...]”.

Neste momento, a Irmã Elena gritou: “O Jesus, salvai o mundo que tem necessidade de perdão” (Mensagens de 1956 a 1961). (...) (págs. 50-55).


(Fonte: Vincenzo Speziale, Suor Elena Aiello Profeta di Dio ‒ Vita, opere e scritti della venerabile madre, Reverdito Edizioni, Trento (ISBN 88 7978 059 X).


Imagens documentais da Beata Elena Aiello





Excertos das visões da Beata Elena Aiello



quinta-feira, 12 de outubro de 2017

O Milagre do Sol: aviso misericordioso
para um mundo que fecha olhos e ouvidos

Atividade solar, reconstituída nos laboratórios da NASA com base em fotografias de tempos normais
Atividade solar normal montada com fotografias recentes dos laboratórios da NASA.
A animação giratória não é natural e foi obtida por montagem técnica.
Mas permite imaginar como teria sido o Milagre do Sol, fenômeno que saiu do normal.
Marcos Luiz Garcia

escritor, conferencista
e colaborador da ABIM






Neste 13 de outubro [2017], comemoramos cem anos das maiores manifestações de amor e de zelo materno da Santíssima Virgem para conosco em Fátima.

Na aparição do 13 de outubro de 1917, Nossa Senhora insistiu na reza diária do Terço, respondendo à Lúcia que a alguns doentes Ela curaria, mas a outros não.

E explicou por que: “É preciso que se emendem, que peçam perdão de seus pecados”.

E, tomando um aspecto triste, disse: “Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor, que já está muito ofendido”. E desapareceu.

Em seguida, aconteceu o que Ela anunciara em setembro:

“Desaparecida Nossa Senhora na imensa distância do firmamento, desenrolaram-se aos olhos dos videntes três quadros, sucessivamente, simbolizando primeiro os mistérios gozosos do Rosário, depois os dolorosos e por fim os gloriosos [apenas Lúcia viu os três quadros; Francisco e Jacinta viram apenas o primeiro]:

“Apareceram, ao lado do sol, São José com o Menino Jesus, e Nossa Senhora do Rosário. Era a Sagrada Família.

“A Virgem estava vestida de branco, com um manto azul. São José também se vestia de branco e o Menino Jesus de vermelho claro. São José abençoou a multidão, traçando três vezes o sinal da Cruz. O Menino Jesus fez o mesmo.

“Seguiu-se a visão de Nossa Senhora das Dores e de Nosso Senhor acabrunhado de dor no caminho do Calvário.

Destaque do jornal 'O Século', de 15 de outubro de 1917: 'Como o sol bailou ao meio dia em Fátima'
Destaque do jornal 'O Século', de 15 de outubro de 1917:
'Como o sol bailou ao meio dia em Fátima'
“Nosso Senhor traçou um sinal da Cruz para abençoar o povo. Nossa Senhora não tinha a espada no peito. Lúcia via apenas a parte superior do Corpo de Nosso Senhor.

“Finalmente apareceu, numa visão gloriosa, Nossa Senhora do Carmo, coroada Rainha do Céu e da Terra, com o Menino Jesus ao colo”.

Após essas manifestações tão cheias de bondade e de amor materno, sucedeu o magnífico Milagre do Sol. Vejamos:

“Enquanto estas cenas se desenrolavam aos olhos dos videntes, a grande multidão de 50 a 70 mil espectadores assistia ao Milagre do sol.

“Chovera durante toda a aparição. Ao encerrar-se o colóquio de Lúcia com Nossa Senhora, no momento em que a Santíssima Virgem Se elevava e que Lúcia gritava ‘Olhem para o sol’.

“As nuvens se entreabriram, deixando ver o sol como um imenso disco de prata.

“Brilhava com intensidade jamais vista, mas não cegava. Isto durou apenas um instante.

“A imensa bola começou a ‘bailar’. Qual gigantesca roda de fogo, o sol girava rapidamente. Parou por certo tempo, para recomeçar, em seguida, a girar sobre si mesmo, vertiginosamente.

“Depois seus bordos tornaram-se escarlates e deslizou no céu, como um redemoinho, espargindo chamas vermelhas de fogo.

“Essa luz refletia-se no solo, nas árvores, nos arbustos, nas próprias faces das pessoas e nas roupas, tomando tonalidades brilhantes e diferentes cores.

“Animado três vezes de um movimento louco, o globo de fogo pareceu tremer, sacudir-se e precipitar-se em ziguezague sobre a multidão aterrorizada.

“Durou tudo uns dez minutos. Finalmente o sol voltou em ziguezague para o ponto de onde se tinha precipitado, ficando novamente tranquilo e brilhante, com o mesmo fulgor de todos os dias.

“O ciclo das aparições havia terminado.

Jornal 'O Século', edição de 15 de outubro de 1917: 'Como o sol bailou ao meio dia em Fátima'
Jornal 'O Século', edição de 15 de outubro de 1917: 'Como o sol bailou ao meio dia em Fátima'
“Muitas pessoas notaram que suas roupas, ensopadas pela chuva, tinham secado subitamente.

“O milagre do sol foi observado também por numerosas testemunhas situadas fora do local das aparições, até a 40 quilômetros de distância.”

Como negar que o Milagre do Sol tenha sido uma severíssima prefigura do que poderia vir?

Inclusive por ter-se operado logo após Nossa Senhora pedir para deixarmos de ofender a Deus que já está muito ofendido.

Ora, precisamente essa advertência que agora completa exatamente um século é um dos aspectos da Mensagem de Nossa Senhora mais tratados com indiferença, ou supremamente ignorados.

A humanidade decai a olhos vistos. A degradação está nas ruas, ostentada com cinismo e ruma indiferente para um precipício.

Deus Senhor nosso é livremente ofendido com pretexto de arte, mas quem tentar defende-lo é tido como inimigo da tolerância.

A malfadada Ideologia de Gênero com desconhecimento dos pais está sendo imposta despoticamente às crianças nas escolas.

Os médicos ginecologistas e obstretas nos exames pré-natais são proibidos de dizer aos pais se a criança que vai nascer é menino ou menina.

Os psicólogos não podem aconselhar alguém em grave depressão decorrente de seu conflito interior nem aplicar a solução eficaz para solução de seu problema derivado de uma opção moralmente destrutora, etc.

Nossa Senhora em Fátima advertiu o mundo para abandonar o rumo que deu no caos atual
Nossa Senhora em Fátima advertiu o mundo para abandonar o rumo que deu no caos atual
Esses são apenas amostras de um estado de coisas diametralmente contrário a Jesus Cristo.

Entretanto, aqueles que mais deveriam defendê-Lo, e que estão dotados de toda força que lhes confere sua alta condição eclesiástica, não o fazem.

Diante disso, o que pensar do Milagre do Sol?

Nossa Senhora avisou a humanidade do que vem.

Que uso fazem os homens, e os mais categorizados, dessa imensa misericórdia?

Não adianta se encher a boca falando de “misericórdia, misericórdia” sem mudar de vida.

Não nos espantemos se a Justiça divina cair sobre o mundo pecador. Porque avisado ele foi. E muitas vezes. E de modo soleníssimo.


terça-feira, 10 de outubro de 2017

A solução está em Aparecida e não em Brasília

Nossa Senhora Aparecida
Nossa Senhora Aparecida
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





No Terceiro Centenário de Nossa Senhora Aparecida


Existem devoções nacionais a Nossa Senhora, como é o caso de Aparecida, da mesma maneira que há grandes invocações que têm uma realeza entre as invocações de Nossa Senhora, como é o caso de Nossa Senhora do Rosário.

Quase não existe um país da Terra que não tenha uma grande devoção a Nossa Senhora e de que Ela não seja, debaixo de algum título, a Padroeira.

Também existem as invocações a Nossa Senhora das regiões e das cidades, como é, por exemplo, Nossa Senhora da Penha, em São Paulo.

E, às vezes, ainda há imagens de Nossa Senhora particularmente invocadas numa paróquia, numa parte de uma cidade, etc.

Há até famílias que têm uma devoção especial por alguma imagem de Nossa Senhora por alguma relação especial dEla com aquela família.

Por exemplo, na minha família paterna há devoção a Nossa Senhora da Piedade, é mais uma acomodação desse trato de Nossa Senhora com os homens, individualmente.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Beata Elena Aiello: mensagens divinas
tornam candentes os avisos de Fátima e La Salette

Beata Elena Aiello, jovem religiosa
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A Bem-aventurada Elena Emília Aiello é pouco conhecida no Brasil.

Mas bem mereceria sê-lo muito mais. Como na sua Itália natal, onde sua fama de santidade e a benemérita atividade caritativa da Ordem que ela fundou estão sempre crescendo.

A Beata é também famosa pelos dons sobrenaturais com que foi beneficiada pelo Altíssimo. Recebeu os estigmas e numerosas revelações de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Nelas, Ele se mostra primordialmente preocupado, e até agoniado – se se pode dizer assim – pela degringolada da ordem política e social dos países até então católicos, em particular da Itália.

Com insistente premência, Ele retoma as palavras de Sua Santíssima Mãe em Fátima, colocando como que uma lente de aumento sobre os males que ameaçam o mundo, a Igreja e o Papado se os homens não fizerem penitência.

Essas mensagens foram especialmente intensas na década de 1950, marcada por um otimismo enganoso que predispôs o ambiente psicológico que penetrou em todas as esferas, inclusive na eclesiástica, e influenciou a fundo as elaborações do Concílio Vaticano II.

Mas essas advertências haviam começado décadas antes. Cabe destacar a correspondência da Bem-aventurada Aiello com a irmã do então líder máximo da Itália, Benito Mussolini, exortando o duce a não se engajar na fatídica II Guerra Mundial. Tratou-se de Edvige Mussolini (1888 – 1952), casada com Michele Mancini.

Benito Mussolini repeliu com orgulhoso desdém a ardorosa advertência da Beata da parte de Nosso Senhor. A visão profética da Beata cumpriu-se de cheio em relação ao chefe máximo da Itália e um dos mais poderosos homens da política europeia. A Itália perdeu a guerra e o duce teve uma espantosa morte.

O tremendo cumprimento dessa profecia torna ainda mais dignas de crédito as advertências divinas recebidas por ela no período “pré-conciliar”, relativas a fatos futuros de próxima efetivação.

As palavras são suficientemente claras e dispensam comentário.

Breves dados biográficos


A Beata Elena Emília Aiello nasceu em Montalto Uffugo, província de Cosenza, região da Calábria, no dia 10 de abril de 1895, e faleceu em Roma no dia 19 de junho de 1961.

Seus pais, Pasquale e Teresa, que cuidavam de uma alfaiataria, encomendaram a formação catequética da filha às freiras do Preciosíssimo Sangue.

Elena ingressou como noviça nesse Instituto religioso. Mas após passar por dolorosas doenças e cirurgias sem anestesia, as religiosas julgaram que ela não tinha saúde para viver na congregação e enviaram-na para morrer em casa.

A Beata Elena Aiello em meio a alunas de sua obra
Entretanto, Jesus lhe apareceu e prometeu-lhe a cura, mas acrescentou que na Sexta-feira Santa de todos os anos ela sofreria as penas da Cruz. E assim foi: suava sangue e os estigmas apareciam em seu corpo, desaparecendo milagrosamente no Sábado Santo.

Nessas condições, ela fundou a Congregação das Irmãs Mínimas da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, cujo modelo de vida devia ser a própria Paixão do Redentor. A congregação tinha São Francisco de Paula como padroeiro.

Desde sua morte em Roma, estrepitosos milagres e conversões foram atribuídos à Irmã Elena Aiello.

Declarada venerável no dia 22 de janeiro de 1991 e beatificada no dia 14 de setembro de 2011, seus restos repousam na capela da Casa Mãe de seu Instituo, na Via dei Martiri 9, em Cosenza. Sua festa é comemorada no dia 19 de junho.

Os avisos de Fátima glosados por Nosso Senhor

Irmã Elena Aiello foi uma mística favorecida por inúmeras mensagens, várias delas surpreendentes por sua profunda afinidade com o Segredo de La Salette, que é objeto do interesse deste blog.

Mas também e de modo impressionante com o Segredo de Fátima, muito mais próximo no tempo e cujo centenário celebramos em 2017.

La Salette e Fátima foram anúncios da mesma Mãe de Deus, intimamente associados à salvação das almas e à boa ordem na Igreja e na civilização. As semelhanças saltam, pois, aos olhos.

Mas, deteriorando-se ainda mais os horizontes de pecado e de crise universal, Nosso Senhor glosou, por assim dizer, as palavras de Nossa Senhora em Fátima, sublinhando-as com ênfases e pormenores para mover os corações.

Fonte de todas as Misericórdias, mas também Juiz de Justiça perfeita, Sua Majestade Infinita terá sido ouvida como merecia?


Reportagem da TV italiana RAI sobre a vida de Beata Aiello e seus estigmas




Eis por exemplo o que, em 1949, transmitiu através da Beata Elena:

“A ruína e a morte virão sobre o mundo. Virá um flagelo jamais visto na História da humanidade.

“Cairá do céu sobre todos os povos da Terra. Os ímpios serão destruídos [...] por causa dos ultrajes que se fazem contra a Divindade [...].

“O homem se rebelou contra Deus; há uma epidemia de imoralidade, e não só na alma dos adultos, mas inclusive das crianças, que atrairá a ruína e a morte sobre o mundo.

“Quantos sacrilégios! Até a Sede de meu Vigário é ultrajada, vilipendiada. Os meus ministros, a minha Igreja, combatida. O flagelo descerá na mão de meus anjos, poucos ficarão.”

À vista desses horizontes assustadores, a Irmã Elena perguntou se morrerão todos, e recebeu como resposta:

“Uma parte da humanidade será destruída. Meu Filho recebe muitas ultrajes dos homens [...].

“O mundo está em ruínas; a Rússia será queimada; virá desolação e morte, fogo nunca antes visto sobre a terra.

“Os poucos que ficarão reencontrarão ao seu Deus.

“Aqueles que não quiserem se arrepender de suas culpas afundarão todos num mar de fogo [...] a Itália será parcialmente salva...” (Mensagens escritas em 1949).

A “cultura da morte”, causa de uma verdadeira morte geral

Em 1951 o Céu voltou a bater às portas da alma da Beata, para insistir sobre a imoralidade sistematizada nas sociedades, que sob uma máscara de otimismo e liberalização sorridente penetrava nas leis.

Se algum dia – que Deus não permita – a bomba atômica for despejada sobre os homens
a causa não será um segredo: a dissolução geral dos costumes.
As advertências de Nossa Senhora e de almas santas não faltaram, e durante um século inteiro!
“O fedor de seus vícios – comunicou a mística – subiu até meu conspecto [...]. Esta sociedade perversa e dissoluta; quanta impureza, esse pecado que traz a ruína e a morte [...].

“O mundo será todo destruído na guerra; a Rússia será queimada [...] A ruína e a morte virão sobre o mundo [...].

“as armas de massa não só exterminarão os exércitos, mas as coisas mais santas e mais sagradas; crianças, doentes [...].

“esses governantes iníquos das nações estão todos fora da lei da Igreja ... Brada fortemente, [pois] a Itália só se salvará em parte.

“Eu convido os homens ao perdão e eles respondem com um furacão de ódio e violência contra Cristo, porque o furor os cega [...].

“O mundo estará todo em guerra. Terrível será o castigo que desabará sobre a humanidade [...].

“Ninguém pode compreender a horrenda tempestade que está para submergir a humanidade [...]. Desencadear-se-á uma revolução anticristã pelo mundo todo e de um modo trágico na Itália [...]”.


(Fonte: Vincenzo Speziale, “Suor Elena Aiello Profeta di Dio ‒ Vita, opere e scritti della venerabile madre”, Reverdito Edizioni, Trento (ISBN 88 7978 059 X).


Continua no próximo post: B. Aiello: “Falsos profetas”, conspiração da imoralidade, flagelo da Rússia e a intervenção de Nossa Senhora


Excertos das visões da Beata Elena Aiello



segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Beato Palau: Deus dispôs
uma missão extraordinária para nos libertar

Santo Elias primeiro devoto de Nossa Senhora no Monte Carmelo
Santo Elias primeiro devoto de Nossa Senhora no Monte Carmelo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





continuação do post anterior: a verdadeira Política se decide na presença de Deus



No Consistório apresentado pelo Pe. Palau onde verdadeiramente se decide o destino os homens (ver post anterior), certamente um lugar de fabulosas oposições, o bem-aventurado via algo parado.

Todos aguardavam o instante em que Deus enviaria alguém investido de uma missão para libertar as almas boas que se sentem cada vez mais oprimidas pela Revolução inspirada pelo inferno.

Quem seria o encarregado de executar essa missão na Terra? Seria o profeta Elias, como fazem entender passagens bíblicas e a opinião de Doutores da Igreja?

Ou seria alguém que agirá com os poderes do próprio Santo Elias, provavelmente secundado por discípulos?

O profeta Elias, cujo nome significa “Deus é o Senhor”, é um dos maiores do Antigo Testamento. Sua importância cresceu porque ele não teria morrido, mas foi levado aos céus em um carro de fogo (2Reis 2).

Pela sua importância, o profeta Malaquias diz: “Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível Dia do Senhor” (Malaquias 3,23)

A Bíblia assim apresenta o profeta: “Elias, tesbita, um dos habitantes de Galaad...” (1Reis 17,1) Sua gesta é contada a partir do capítulo 17 de 1Reis. Elias não teria morrido e habita num local desconhecido que os teólogos discutem.

O nome tesbita provém de sua cidade natal Tesba, ou Tisbé, em Galaad, hoje desaparecida.

Elias volta a aparecer na Transfiguração ao lado de Cristo e Moisés, e, segundo opinião dominante, é uma das duas testemunhas que reaparecerão no fim do mundo para pregar contra o Anticristo.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Beato Palau: a verdadeira Política se decide na presença de Deus

Detalhe da Disputa do Ssmo Sacramento,  Rafael Sanzio (1483-1520), Stanza del Sello, Vaticano.
Santos e doutores trocam ideias sobre o Santíssimo, mas participam filósofos e artistas até anticristãos.
O Beato Palau imaginava a humanidade aos pés de Deus digladiando
em torno das maiores questões - a Política - da qual depende o mundo.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O Pe. Palau via na Revolução universal conduzida pelo demônio contra Cristo e a Igreja o grande assunto político em torno do qual giram as questões realmente importantes.

Ele não pensava na agitação mesquinha dos políticos profissionais ou dos jornais de seu tempo, mas da Política com P maiúsculo.

Ou seja, aquela na qual se debate o mais precípuo dos fins terrenos do homem: o bem comum na prática das virtudes e seu destino eterno no Céu, ou, por oposição, o caos revolucionário e a perdição irrevogável no inferno.

Segundo ele, a política é por excelência um assunto para as inteligências. Nela não participam os seres sem intelecto.

Mas insistia que os ímpios e os míopes supõem que nela só participam as inteligências humanas, quando na realidade participam também as angélicas e as demoníacas. E, por cima de todas elas, o Juiz Supremo do universo e sua Corte celeste.

Sendo a Revolução a questão política central da qual depende o destino do mundo, o Beato Palau fazia estas interrogações:

O que fará Deus? Deixará tudo ser tragado pela Revolução? Destruirá o mundo em virtude do pecado revolucionário? Ou, pelo contrário, em atenção a Suas promessas, o resgatará da conjuração de Satanás?

O bem-aventurado tinha certeza de que Deus preparava a restauração do mundo. Como o faria? Quando? O que faltava? Que fatores apressavam ou retardavam o momento em que Nosso Senhor dirá “basta” à Revolução?

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Mais santos e beatos que elogiaram
e recomendaram a aparição de La Salette

São João Maria Vianney: “Monsenhor, há poucos sacerdotes em vossa diocese que tenham feito tanto quanto eu por La Salette”
São João Maria Vianney: “Monsenhor, há poucos sacerdotes em vossa diocese
que tenham feito tanto quanto eu por La Salette”
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





São João Maria Vianney

O célebre Cura de Ars, São João Maria Vianney (1786-1859), foi ordenado sacerdote na catedral de Grenoble, diocese da maravilhosa aparição. Ele foi acusado pelas maledicências de ser contra La Salette, sofrendo também análogas difamações.

Certa feita Maximin foi-lhe apresentado às pressas, e ocorreu um mal entendido que foi aproveitado contra os dois.

Tendo em vista desfazer essa confusão, Mons. de Bruillard, bispo de Grenoble, enviou carta ao santo sacerdote pedindo que desmentisse as murmurações.

Assim o fez São João Maria Vianney numa resposta onde podemos avaliar toda sua devoção à aparição:

“Ars, 5 de dezembro de 1850

“Monsenhor,

“Tenho uma grande confiança em Nossa Senhora de La Salette. Faço vir água da fonte. Abençoo e distribuo grande quantidade de medalhas e imagens representando esse fato.

“Distribuo pedacinhos da pedra sobre a qual a Santa Virgem teria sentado. Levo um pedaço continuamente comigo e até o fiz colocar num relicário.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Fátima: a Misericórdia e a Justiça de Nossa Senhora

Detalhe dos fiéis em Fátima olhando para o Milagre do Sol, em 13 de outubro de 1917
Detalhe dos fiéis em Fátima olhando para o Milagre do Sol, em 13 de outubro de 1917
Marcos Luiz Garcia

escritor, conferencista
e colaborador da ABIM







No dia 13 de setembro comemoram-se os cem anos da quinta aparição de Nossa Senhora.

eve-se ressaltar que nessa quinta aparição compareceram na Cova da Iria entre 15 e 20 mil pessoas.

Isso mostra de um lado como essas aparições se propagaram e, de outro, como Nossa Senhora já agia no fundo das almas visando atraí-las para a sua Mensagem salvadora.

Sempre solícita e procurando comover aqueles corações ávidos de Deus, nessa aparição Nossa Senhora se esmerou em apresentar algo de muito atraente, conforme relata a Irmã Lúcia em suas memórias:

“...o súbito refrescar da atmosfera, o empalidecer do Sol até ao ponto de se verem as estrelas, uma espécie de chuva como que de pétalas irisadas ou flocos de neve que desapareciam antes de pousarem na terra.

“Em particular, foi notado desta vez um globo luminoso que se movia lenta e majestosamente pelo céu, do nascente para o poente e, no fim da aparição, em sentido contrário”.

Portanto, um cenário maravilhoso para relacionar aquela manifestação com o Céu e, certamente, com o Triunfo do Imaculado Coração de Maria.

Mais uma vez Nossa Senhora pediu-lhes que rezassem o Terço todos os dias para alcançar o fim da guerra, prenunciando assim sua misericórdia com o mundo pela cessação da primeira guerra mundial.

Em seguida, Ela disse: “Em outubro virá também Nosso Senhor, Nossa Senhora das Dores e do Carmo, São José com o Menino Jesus, para abençoarem o mundo”.

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

São João Bosco e a aparição de La Salette

São Pio X a Mons. Cecchini (bispo que presidiu os funerais de Mélanie): “E nossa santa?”. Foto colorida a posteriori
São Pio X a Mons. Cecchini (bispo que presidiu os funerais de Mélanie):
“E nossa santa?”.
Foto colorida a posteriori
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Em posts anteriores tivemos ocasião de apresentar o testemunho de Santos que emitiram pareceres favoráveis à aparição de La Salette e, também da vidente Mélanie.

Entre eles sobressaem pela sua autoridade as atitudes do Beato Papa Pio IX contemporâneo da aparição, e São Pio X Papa de 1903 até 1914.

Veja mais: Opiniões favoráveis dos Papas São Pio X e Beato Pio IX sobre La Salette 

Também dedicamos um post especial ao depoimento de Santo Aníbal de Francia (1851-1927) que foi durante anos diretor espiritual da vidente Mélanie.

Leia mais: Santo Aníbal Di Francia: testemunha excepcional 

Consagramos este e o post subsequente a aprovações e manifestações de simpatia e devoção de outros santos canonizados pela Igreja, ou de almas de reconhecida virtude.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

A Rússia será católica!

Nossa Senhora de Fátima. Fundo: Moscou
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





“A Rússia será católica?” não é a interrogação de um sonhador. Em Fátima, Nossa Senhora patenteou predileção por esse país de dimensões imperiais ao dar entender que a instauração de seu Reino na terra teria como prolegômenos a conversão do mundo russo ao catolicismo.

Com efeito, a Providência suscitou grandes almas que consagraram suas vidas à conversão da Rússia dos Czares. Algumas delas abandonaram os erros que erodiam o país e se converteram no século XIX.

Elas intuíram com fé e muito raciocínio que o dia glorioso da conversão da Rússia acabará chegando.

Foi o caso do Pe. Ivan Gagarin, príncipe russo que ingressou na Companhia de Jesus e é autor de um livro que fez sensação em sua época: “A Rússia será católica?” (La Russie sera-t-elle catholique?, Paris, 1856). O professor Roberto de Mattei acaba de lhe dedicar dois substanciosos artigos em seu site “Corrispondenza Romana”.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

D. Gemma: o demônio entra nas almas e nas sociedades
pela porta do laicismo

Mons Andrea Gemma, bispo emérito de Isernia-Venafro
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Continuamos com a recensão do livro "Eu, bispo exorcista" de Mons. Andrea Gemma.

Como observamos no primeiro post, D. Andrea Gemma, hoje bispo emérito, escreveu o livro quando estava à testa da diocese de Isernia-Venafro, narrando suas experiêncas na prática do exorcismo.

Dom Andrea Gemma deixou a diocese a seu sucessor em 2007, quando atingiu o limite de idade fixado pelo Direito Canônico.

No livro, o bispo confirma a espantosa influência que tem no mundo moderno e no andamento da sociedade humana o príncipe das trevas e o poder vitorioso do exorcismo sobre ele.

Ele fornece uma atualizada confirmação de quanto o bem-aventurado Pe. Francisco Palau y Quer O.C.D. denunciou ao respeito.

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Bispo descreve experiências exorcizando demônios

Mons Andrea Gemma, bispo de Isernia-Venafro
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em diversos posts reproduzimos o pensamento do Bem-aventurado Pe. Francisco Palau y Quer O.C.D. a respeito da influência do demônio em nossos dias. CONFIRA

Vendo-a descrita como sendo tão grande, poderia se achar que o santo autor foi levado pelo seu fervor e pelo seu temperamento espanhol.

Não teria ele exagerado com boas intenções didáticas ou de oratória?

Para atender à questão, achamos oportuno apresentar o livro “Eu, bispo exorcista”, de Mons. Andrea Gemma, bispo emérito, de Isernia-Venafro, Itália.

Nele o bispo descreve suas experiências de exorcista e as surpreendentes conclusões a que foi levado durante uma década de prática do Exorcistado

(D. Andrea Gemma, “Io, vescovo esorcista” (“Eu, bispo exorcista”), Editora Mondadori, Milão, 2002, 208 pp. Todas as citações do post são extraídas desse livro. Não sabemos se o livro foi vertido ao português)

D. Andrea Gemma escreveu o livro quando estava à testa da diocese de Isernia-Venafro, narrando suas experiências na prática do exorcismo.

Ele deixou a diocese a seu sucessor em 2007, quando atingiu o limite de idade fixado pelo Direito Canônico.

Na manhã de 29 de junho de 1992, o novo bispo de Isernia-Venafro, D. Andrea Gemma, saía da Basílica Vaticana, olhando pensativo para a Praça de São Pedro.

As palavras de São Mateus, ”as portas do inferno não prevalecerão” (Mt 16,18), ecoavam em seu espírito com um atrativo sobrenatural. E lhe inspiravam graves considerações:

1) a ação do demônio não só não diminuiu, mas multiplicou-se;

2) o demônio é consciente de que dispõe de pouco tempo;

3) Nosso Senhor Jesus Cristo deu à Igreja enorme poder contra Satanás;

4) para não ser derrotado, o demônio faz tudo para agir no silêncio;

5) chegou o momento de desmascarar a ação insidiosa de Lúcifer e enfrentá-lo de viseira erguida, com as armas de que a Igreja dispõe. (pp. 11-12).

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Como será o Anticristo?

O Anticristo recebe as instruções de Lúcifer. Luca Signorelli (1445 - 1523), basílica de Orvieto, Itália
O Anticristo recebe as instruções de Lúcifer.
Luca Signorelli (1445 - 1523), basílica de Orvieto, Itália
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: Beato carmelita: a convergência ecumênica favorece o ambiente para a ditatorial religião universal do Anticristo





Em todas as considerações sobre eventos futuros, o Beato Palau amava as verdades vistas de frente, solidamente ancoradas, respeitando as anfractuosidades da vida concreta, por mais duras ou complicadas que fossem.

Ele analisava as hipóteses ponderada e minuciosamente, prestes em tudo a corrigir o que fosse necessário para fazer reluzir melhor a verdade.

Ele sabia objetar contra seus próprios raciocínios e fazia seu o melhor dos contra-argumentos.

Nada de mais contrário a ele do que as simplificações fáceis ou os panoramas alegremente descolados da realidade ou do razoável.

Por isso mesmo abordava os assuntos mais delicados e complexos, que pedem a mais cautelosa e matizada resposta.

Entre esses temas complicados ele incluía o saber discernir de modo prudente, mas preciso, o perfil do Anticristo, para o qual a Revolução prepara os caminhos.

Seus escritos refletem a diversidade de opiniões existentes sobre o assunto entre os melhores intérpretes tradicionais das Escrituras.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Beato carmelita: convergência ecumênica
prepara a religião universal do Anticristo

Para o santo e clarividente carmelita, uma confusão imprudente entre as religiões, favorece o ambiente para o Anticristo instaurar sua ditatorial religião universal. Foto: encontro ecumênico de Assis, em 27 de outubro de 1986
Para o santo e clarividente carmelita, uma confusão imprudente entre as religiões,
favorece o ambiente para o Anticristo instaurar sua ditatorial religião universal.
Foto: encontro ecumênico de Assis, em 27 de outubro de 1986
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: A marcha alucinada do mundo e a rede de intercomunicação global





O império ou república universal planetária, que o bem-aventurado Palau via se formar segundo planos luciferinos anticristãos, deverá ter como consequência e pilar fundamental o afloramento de uma religião universal.

Há hoje um ecumenismo imprudente que parece caminhar para esse fim.

“Oficialmente não haverá outra religião senão a do Estado. Um só Deus, uma só religião.

“E esse Deus será o Anticristo, e essa religião, a anticristã”, escreveu (“Incendio de barracas en Barcelona”, El Ermitaño Nº 170, 8-2-1872).

Nela deverão se amalgamar todas as crenças, numa convergência caótica favorecida e até estimulada pelas transformações globalizantes que acontecerão na esfera temporal.

Tudo isso sem muitas preocupações pela verdade ou pelo erro, pelo que é moral ou imoral, no ambiente consagrado pela expressão “ditadura do relativismo”.

Mas, previa o B. Palau, essa confluência de todos com todos não trará a verdadeira paz.

segunda-feira, 24 de julho de 2017

A intercomunicação global e a marcha alucinada do mundo
apressam o reino do Anticristo

Triunfo da morte, detalhe. Pieter Bruegel  (1525-1530 — 1569) Museo del Prado, Madri.
Triunfo da morte, detalhe. Prefigura da marcha enlouquecida da Revolução.
Pieter Bruegel  (1525-1530 — 1569) Museo del Prado, Madri.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: Os “sacramentos” da Revolução e a possessão diabólica



O Beato Palau via a Revolução avançando como um bólido descontrolado, impedido de se deter:

“o império do mal pegou velocidade, e corre com tanta maior rapidez quanto maior é o crime que pesa sobre ele, tendo-lhe ficado impossível se deter.

“Na sua corrida, quebra, esmaga, destrói, esfrangalha, vence todos os obstáculos que lhe opomos para fazer que retroceda.

“Progresso! Para frente! Progresso! Bradam seus condutores” (“Faraón y el Anticristo”, El Ermitaño, Nº 77, 28-4-1870).

O B. Palau não tinha ilusões. Se o mundo encharcado de orgulho e sensualidade não se convertesse, a catástrofe prefigurada pelo desastre do trem de Gerona tornar-se-ia espantosa realidade.

Quando sucederia isso?

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Os “sacramentos” da Revolução e a possessão diabólica

O Beato Palau sofreu atroz perseguição das forças das trevas, angélicas e humanas
O Beato Palau sofreu atroz perseguição
das forças das trevas, angélicas e humanas.
Teve larga experiência pastoral com as possessões
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: “Sacerdotes” da Revolução anticristã promovem o retorno ao paganismo



O bem-aventurado Palau considerava que assim como os verdadeiros sacerdotes de Nosso Senhor Jesus Cristo distribuem os Sacramentos, os verdadeiros chefes e altos ministros da Revolução recorrem às artes mágicas numa forma e dimensão insuspeitada.

Suas manobras políticas ou sociais embutem bruxedos que funcionam como anti-“sacramentos” revolucionários, portadores de uma influência de Satanás.

O Ritual Romano (Rituale Romanum, Titulus XI, caput I, De exorcizandis obsessis a daemonio, n. 20, Desclée et socii, Romae-Tornaci-Parisiis, 1926, p. 446) adverte que nos casos de malefícios, possessões e práticas mágicas, o mago ou a feiticeira manda entregar à vítima algum fetiche ou objeto embruxado.

A esse objeto está unida tal o qual influência diabólica. Certos chefes revolucionários que estão em contato com os demônios recorrem a práticas análogas.

Mas eles não se servem de feitiços vulgares. Em lugar disso, a influência diabólica está ligada a leis ou normas anticristãs ou antinaturais.

Isso não é de espantar. Por exemplo, em nossos dias, Lucien Greaves, porta-voz do grupo Satanic Temple dos EUA, reivindicou o “casamento” homossexual como um “sacramento” da religião diabólica, segundo informou o site LifeSiteNews.

Assim explicava o bem-aventurado Palau:

segunda-feira, 10 de julho de 2017

“Sacerdotes” da Revolução anticristã
hoje promovem o retorno ao paganismo

Na reunião da quase totalidade dos chefes de governo do mundo na Rio+20 (2012)
cerimônias esotéricas para atrair "energias escuras" sobre os políticos reunidos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Continuação do post anterior: A Revolução é a revolta atual do demônio contra a Igreja e a Cristandade



Na medida em que a Revolução demole os restos da civilização cristã, ela vai afundando o mundo nas águas estancadas e fétidas de um novo paganismo, pior que o da Antiguidade ou dos povos mais decadentes:

“Dominados os reis, as massas do povo indo atrás de seus governos, resulta que neste mundo político material visível voltou a se constituir o paganismo antigo, embora acomodado em sua forma à especialíssima situação da época” (“Relaciones entre los espíritus y el hombre”, El Ermitaño, Nº 117, 2-2-1871).

Essas afirmações podiam parecer ousadas no século XIX, que avançava alegremente deslumbrado pelo progresso das invenções. Mas ainda não se proclamava abertamente o culto de Gaia – a deusa terra dos ecologistas.

Tampouco se generalizavam, como agora, os sombrios cultos pagãos do Oriente – budismo, hinduísmo etc. – nem as práticas e crenças supersticiosas ou fetichistas de tribos africanas ou americanas sob o rótulo de uma Nova Era.

E os arraiais “católicos-progressistas”, missionários comuno-tribalistas ou carismáticos, não andavam em busca de “novas formas” de oração ou energias vindas das profundezas, ou nas tribos mais primitivas da Amazônia!

Para o Pe. Palau, adotar os decadentes cultos pagãos representa uma apostasia radical do doce jugo de Nosso Senhor Jesus Cristo. E o bem-aventurado comparava essa deserção de massa a um novo deicídio executado na pessoa da Igreja:

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Beato Palau: ver a Revolução para entender o que está acontecendo

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs
Beato Francisco Palau y Quer O.C.D. (1811-1872)
Beato Francisco Palau y Quer O.C.D. (1811-1872)
Nota biográfica do Beato Francisco Palau O.C.D.

O bem-aventurado Francisco Palau y Quer O.C.D. nasceu no dia 20 de dezembro de 1811 em Aytona, na província espanhola de Lérida, e faleceu em 20 de março de 1872 socorrendo as vítimas de uma epidemia em Tarragona, Espanha.

Fundou em Barcelona a “Escola da Virtude”, modelo de ensino catequético, e em 1860-61 as congregações de irmãos e irmãs carmelitanas terceiras, que deram origem às congregações de Carmelitas Missionárias Teresianas e às Carmelitas Missionárias.

Pregou missões populares e difundiu a devoção a Nossa Senhora. Foi beatificado em 24 de abril de 1988. Sua festa litúrgica se celebra em 7 de novembro.

O Beato Palau professou seus votos na Ordem do Carmo em 15 de novembro de 1833, tempo de perseguição religiosa.

Em 25 de julho de 1835 as turbas republicanas, socialistas e comunistas incendiaram as casas religiosas, inclusive o convento do Beato. Ele se exilou numa gruta em Aytona conhecida como Cueva del Padre Palau que hoje é santuário mariano objeto de romarias.

Após novas convulsões, ele foi constrangido ao exílio na França, onde residiu por onze anos, até 1851, numa gruta perto do santuário de Notre Dame du Livron. Sua fama de santidade e os milagres que o povo lhe atribuía, atraiu a inimizade do clero local que se sentia “diminuído” por um religioso estrangeiro.

Voltou à Espanha em 13 de abril de 1851. Nomeado diretor espiritual do seminário diocesano de Barcelona, ele organizou a “Escola da Virtude” nos bairros operários.

O extraordinário sucesso da Escola para tirar o povo da influência revolucionária anticristã motivou arruaças socialistas e comunistas.

O governo liberal desterrou então o Beato Palau para a ilha de Ibiza, onde residiu durante seis anos e fundou um eremitério consagrado a Nossa Senhora do Carmo, primeiro santuário mariano da ilha.

Autor de vários livros, no fim de sua vida criou e foi o principal redator do semanário literário, político e religioso “El Ermitaño”, onde publicou suas reflexões sobre o presente e o futuro da Igreja e da humanidade.

Seus escritos se destacam pelas luzes proféticas. Sua linguagem utiliza muitas figuras e símbolos.

No fim de vida o Beato fez muitos exorcismos e pediu ao Papa Pio IX uma mobilização em massa do clero para exorcizar os demônios que possuem o mundo. Enviou ao Concilio Vaticano I uma raciocinada petição sobre o tema.

Em “El Ermitaño” o Beato Palau via os problemas religiosos, políticos, sociais, econômicos – e até os tecnológicos – como fazendo parte de um só e imenso movimento que, animado por Lúcifer e seus sequazes, procurava derrubar a Igreja Católica e a ordem social cristã.

Arguto e intenso analista das informações que chegavam a Barcelona através de jornais e telégrafos, ele teceu panoramas inspirados pela Fé e pela teologia nos quais é difícil recusar a inspiração profética.

O bem-aventurado Palau julgava que o conhecimento da Revolução, de sua existência, suas metas, seus métodos e agentes, é a chave para decifrar o aparentemente tão caótico acontecer moderno.

Ele dizia que se não se considerasse a realidade à luz dela, perder-se-ia a noção do que se está dando em torno de nós.

Mas seus contemporâneos mal viam a Revolução. Esta tinha cegado suas vítimas, estava se apossando dos poderes temporais e espirituais e imprimia o rumo dos fatos na terra. Explicava ele:

“o miserável mortal não vê (...) que há uma combinação para o mal, (...) sustentada e defendida por todos os poderosos da terra, animados, dirigidos e ordenados sob as ordens de um só príncipe, que é o diabo.

“Não vê esse anjo revolucionário que, executando um plano coerente que vai percorrendo os séculos, conseguiu fazer-se coroar com a glória e o poder de todos os reis do mundo civilizado” (“El reino de Satán sobre la tierra”, El Ermitaño, Nº 32, 10-6-1869).

O bem-aventurado deplorava que as boas iniciativas sofressem frustrações uma após outra. A causa disso radicava em que os seguidores das causas justas não atinavam para a unidade e a universalidade da Revolução:

“O que é a revolução da Espanha? – Um chifre, uma coroa sobre uma das sete cabeças do dragão infernal, essa cabeça se tornou visível nos atos de demolição e destruição de toda a ordem social; (...)

“essa cabeça vai formando um mesmo corpo de delito com as demais nações, formando em todas elas uma maldade única, um exército único, um só dragão, uma coisa só, e essa unidade e sustentada pelo príncipe tenebroso” (id. ibid).

“Se a revolução da Espanha é olhada segundo os cálculos da política, seu triunfo não tem explicação. Se julgamos com as leis da prudência humana aquilo que noticia a imprensa, tudo aparece tenebroso, incerto e movediço.

“Porém, se consideramos que a Revolução está combinada desde séculos passados com a da Itália, com a da França, com a dos protestantes, (...) nossos juízos e cálculos serão mais acertados e proveitosos” (“España: la esperanza de los católicos”, El Ermitaño, Nº 10, 7-1-1869).