segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Sóror Catarina de Jesus O.P.: equilíbrio entre a Justiça e a Misericórdia de Deus

Capela com a urna dos restos de Sóror Catalina Jesús Herrera OP (1717-1795), no mosteiro de Santa Catalina em Quito.
Capela com a urna dos restos de Sóror Catalina Jesús Herrera,
no mosteiro de Santa Catalina em Quito.




No post anterior – Sóror Catarina de Jesus O.P.: “maus sacerdotes, religiosos e religiosas são causa de toda a perdição do mundo” – reproduzimos trechos de uma visão dessa santa religiosa equatoriana que concordam notavelmente com palavras de Nossa Senhora em La Salette.

A Venerável Serva de Deus Soror Catarina Jesus María Herrera Campusano O.P. (1717-1795) nasceu em Guayaquil, Equador, em 22 de agosto de 1717 e faleceu em Quito no dia 29 de setembro de 1795.

Ela foi religiosa do Mosteiro de Santa Catarina de Quito onde ficou célebre por suas virtudes e dons místicos, suas visões e milagres atribuídos. Mas ela não é muito conhecida no Brasil.

Por isso apresentamos o artigo seguinte que nos fornece dados complementares da vida e dos favores místicos com que foi agraciada uma tão bela e venerável alma.


Uma religiosa nos fala através dos séculos


A Justiça é uma das virtudes mais esquecidas no mundo atual. Que Deus é misericordioso, todos concordam avidamente, mesmo porque têm razões pessoais para necessitar de misericórdia.

Entretanto, Deus é também justo e pune aqueles que abusam de sua misericórdia, e isso não se quer reconhecer.



Dois fatores se acumpliciam contra a aceitação da justiça divina: no campo temporal a presente doutrina dos direitos humanos, e no campo espiritual uma ideia sentimental de misericórdia.

Pela presente noção de direitos humanos, fartamente propagandeada, é preciso defender os direitos dos bandidos, dos adúlteros, dos terroristas, dos blasfemadores, dos invasores da propriedade alheia e de outras categorias que tais, deixando para segundo plano a punição de seus crimes.

Modelo de uma cela religiosa no convento onde morou Sóror Catalina. Museu  monacal de Santa Catalina de Quito.
Modelo de uma cela religiosa no convento onde morou Sóror Catalina.
Museu  monacal de Santa Catalina de Quito.
Por detrás dessa mentalidade está a afirmação, clara ou insinuada, de que não há pessoas más, apenas
indivíduos ou coletividades equivocados, arrastados por circunstâncias invencíveis, e outras mesmices do gênero. Não cabe tratá-los com justiça.

No campo espiritual é a mesma ideia com outro invólucro. O pecador é sempre um coitado que precisa ser compreendido, nunca uma pessoa que ofendeu a Deus e violou seus Mandamentos.

Todos são bons. Pode haver extravios, escorregões, coisas da vida, nunca maldade. Conclusões que levam a uma religiosidade baseada apenas nos sentimentos, e não na fé e na razão.

Como se houvesse oposição entre misericórdia e justiça! A misericórdia sem justiça é sentimentalismo barato que destrói toda virtude e leva Nossa Senhora a chorar.

Essas reflexões nos vieram à mente lendo a autobiografia de Catalina de Jesus Herrera (1717-1795), freira da ordem dominicana, do convento de Santa Catarina de Quito (Equador), em processo de beatificação (cfr. Autobiografía de la Venerable Madre Sor Catalina de Jesús Herrera, Edit. Santo Domingo, Quito – Ecuador, 1954).

Catalina foi agraciada com favores celestes insignes, teve visões e revelações, dons proféticos, chegava a conhecer o interior das almas das pessoas com quem mantinha contato.

Igreja do mosteiro de Santa Catalina, Quito.
Igreja do mosteiro de Santa Catalina, Quito.
Famosa por suas grandes virtudes, foi também muito perseguida pelo demônio, mas sempre amparada por Nossa Senhora e Nosso Senhor.

Certa feita em que passava pela provação de sentir-se desamparada por Deus, alguns demônios se apresentaram diante dela como vítimas, também eles injustamente abandonados por Deus. Procuraram tentá-la pela via do sentimentalismo. Relata Catalina:

“Logo aparecia o demônio com outras tentações: ‘Olha-me, (dizia ele, muito dolorido), como Deus foi terrível conosco, pois sem nos dar tempo, nos lançou no Inferno. A mim (disse-me um outro) sem culpa me precipitou com os demais culpados’.

“Queriam com isso que eu ficasse com pena deles e julgasse mal a Misericórdia de Deus e a sua Justiça. Então eu dizia: ‘Senhor, eu te confesso como justo e misericordioso, e venero teus altos e secretos juízos’” (p. 118).

Catalina se acusa de ter passado por um período de tibieza, quando ainda bem jovem, antes de entrar no convento. Nessa ocasião, após ter sido advertida por Jesus uma primeira vez, Ele lhe aparece novamente:

“Ó Senhor, apareceste à minha alma como na primeira vez, mas não tão manso como naquela ocasião. Com o braço ao lado do coração me chamavas, e na mão direita tinhas uma espada de Justiça.

“Seu rosto mostrava ao mesmo tempo Justiça e Misericórdia. E assim me falaste: ‘Alma ingrata, se te negas ao apelo deste braço de misericórdia, queres que com este outro de minha justiça te lance nos abismos do inferno? Se assim perseveras, tem por certa tua condenação àqueles calabouços’.

“E logo me fez ver com os olhos da alma um caos profundo de confusão, onde habitam as almas que perdem a Deus” (p. 32).



Nenhum comentário:

Postar um comentário