domingo, 28 de maio de 2017

Santa Brígida e o juízo de Deus a cinco homens simbólicos:
desde o mau papa até o bom católico

Santa Brígida de Suécia: suas visões impressionaram profundamente
Santa Brígida da Suécia: suas visões impressionaram profundamente
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Dados hagiográficos sobre Santa Brígida da Suécia e suas visões


Brígida Birgersdotter (1303-1373), ou Santa Brígida da Suécia, foi filha de um governador casado com a filha de outro governador. Santa Brígida, portanto, pertencia à nobreza, classe alta de seu país.

Quando tinha sete anos teve uma visão de Nossa Senhora e quando tinha dez sonhou com Jesus coberto de sangue. Desde esse momento foi grande devota da Paixão de Nosso Senhor.

Casou quando tinha 14 anos e viveu felizmente com seu esposo durante 28 anos. Por fim, os dois decidiram se dedicar à vida consagrada.

Brígida foi chamada à Corte na qualidade de dama de companhia da rainha. Ali aplicou todos os seus esforços para endireitar o casal real débil e viciado. O casal ouvia seus conselhos, mas voltava a cair nos mesmos defeitos.

Sua vida foi marcada por visões, milagres, romarias e um grande trabalho de apostolado com os pobres e os incrédulos.

Ela foi difamada e perseguida por causa de seus sonhos e visões.
O Cardeal Juan de Torquemada declarou isentas de erro as visões da Santa
O Cardeal Juan de Torquemada declarou
isentas de erro as visões da Santa

Santa Brígida fundou a Ordem do Santíssimo Coração que dirigiu até morrer em 1373, quanto tinha 70 amos, em Roma, Itália.

Suas visões impressionaram profundamente a época em que viveu.

Eram tão populares que foram debatidas em três Concílios: os de Constança, Basileia e o Quinto de Laterão.

O livro de suas revelações foi publicado pela primeira vez em 1492, por ordem do Concílio de Basileia.

Esse Concilio dispôs que o religioso espanhol Juan de Torquemada O.P. (1388 – 1468), examinasse o livro das revelações da santa.

O sábio e reputado religioso dominicano, que mais tarde foi elevado à púrpura cardinalícia, emitiu um parecer sobre as visões e revelações.

Nele declara não conterem nenhum erro contra as Escrituras ou contra os bons costumes, nem mesmo nada que possa ferir os ouvidos pios.

Também as visões de Santa Brígida foram incluídas em julgamento do Papa Bento XIV, famoso pela sua doutrina sobre os processos de canonização.

Bento XIV escreveu a propósito um prudente conselho válido para todas as revelações e visões privadas:

“Embora muitas dessas revelações tenham sido aprovadas, não se lhes deve assentimento de fé divina; o crédito que merecem é puramente humano, sujeito ao juízo da prudência, que é a virtude que deve nos ditar o grau de probabilidade que merecem para crermos piamente nelas.”

Santa Brígida da Suécia foi canonizada no Concilio de Constança pelo anti-papa Juan XXIII em pleno Cisma de Ocidente.

Livro das Visões e Revelações de Santa Brígida,
Baviera, 1671, com carta introdutória do Cardeal Torquemada
Dita canonização, pelas condições conturbadas em que foi pronunciada, poderia ser contestável.

Então os reis da Suécia pediram uma canonização incontestável.

Essa aconteceu em 1419 com uma confirmação do Papa Martinho V, Sumo Pontífice indiscutido de toda a Cristandade em quem tinha se reunido as partes em disputa se extinguido assim o cisma e que reinou pacificamente em Roma.

No ano 2000, Santa Brígida foi proclamada Padroeira da Europa.

Na visão da Santa que reproduzimos a continuação, nos baseamos na edição prefaciada pelo Cardeal Juan de Torquemada e reimpressa no ano 1671 (Sebastiani Rauch, Baviera).

Ela conta também com um estudo introdutório a respeito de visões de Mons. Consalvo Duranto, bispo de Montefeltro, e numerosas aprovações eclesiásticas.

Reproduzimos também fotograficamente a folha de rosto do livro. A tradução é do site www.rainhamaria.com.br, que conferimos com a edição em latim prefaciada pelo Cardeal Juan de Torquemada [aliás, tio do Cardeal Tomás de Torquemada (1420 — 1498), conhecido como o Grande Inquisidor].


LIVRO 1 - CAPÍTULO 41


Triunfo de Cristo sobre o paganismo, Gustave Doré (1832 — 1883), The Joey and Tobey Tanenbaum Collection
Triunfo de Cristo sobre o paganismo, Gustave Doré (1832 — 1883),
The Joey and Tobey Tanenbaum Collection
“Eu sou o Criador de todas as coisas. Nasci do Pai antes que existisse Lúcifer. Existo inseparavelmente no Pai e o Pai em mim e há um Espírito em ambos.

“Por conseguinte, há um Deus – Pai, Filho e Espírito Santo – e não três Deuses. Eu sou Aquele que fiz a promessa da herança eterna a Abraão e conduzi meu povo para fora do Egito através de Moisés.

“Eu sou o que falei através dos Profetas.

“O Pai me colocou no ventre da Virgem sem se separar de mim, permanecendo comigo inseparavelmente para que a humanidade, que abandonou Deus, possa retornar a Deus através do meu amor.

“Agora, entretanto, em vossa presença, Corte Celeste, apesar de que vedes e sabeis tudo de mim, pelo bem do conhecimento e a instrução desta desposada minha que não pode perceber o espiritual se não por meio do físico,

Eu declaro meu pesar ante vós em relação aos cinco homens aqui presentes, por serem eles ofensivos para mim de muitas maneiras.

“Da mesma forma que Eu, em uma ocasião, incluí todo o povo israelita no nome de Israel, na Lei, agora mediante estes cinco homens, me refiro a todos no mundo.

“O primeiro homem representa o líder da Igreja e seus sacerdotes; o segundo, os leigos corruptos; o terceiro, os judeus, o quarto os pagãos e o quinto, meus amigos.

“E o que diz respeito a ti, judeu, tenho feito uma exceção com todos os judeus que são cristãos em segredo e que me servem em caridade sincera, conforme a fé e em seus trabalhos perfeitos em segredo.

“Em relação a você, pagão, tenho feito uma exceção com todos aqueles que com gosto caminhariam pelas sendas de meus mandamentos se tão somente soubessem como e se fossem instruídos, os que tratam de pôr em prática tudo o que podem e do que são capazes.

“Estes, não serão, de nenhuma maneira, sentenciados convosco”.




8 comentários:

  1. Prezado Luís, Salve Maria!
    Já tinha ouvido falar de Santa Brígida por causa das chamadas orações de Santa Brígida em honra aos sofrimento de Cristo em sua Paixão, ou, "As Quinze Orações de Santa Brígida".
    Essas orações são acompanhadas de alguns promessas para quem as rezar durante um ano. Uma vez eu li um artigo do falecido Dom Estevão Bettencourt, OSB que questionava a validade dessas promessas; apesar desse questionamento, acredito que essas promessas podem ter credibilidade. Gostaria de saber se o senhor conhece alguma fonte que confirma como fidedignas essas promessas.
    Se eu tiver um tempo, eu postarei aqui nos comentários essas promessas que acompanham as 15 Orações de Santa Brígida.
    Em Cristo, nossa esperança

    ResponderExcluir
  2. Promessas feitas à Santa Brígida, por Jesus Cristo Crucificado, e a todos os que diariamente rezarem com devoção estas orações pelo período de um ano:
    ● Aquele que recitar estas orações atingirá o mais alto grau de perfeição.
    ● Colocarei minha vitoriosa Cruz diante dele como auxílio e defesa contra os ataques de seus inimigos.
    ● Quinze dias antes da morte, terá um perfeito conhecimento de todos os seus pecados e uma profunda contrição deles.
    ● Quinze dias antes da morte, lhe darei a comer meu Precioso Corpo a fim de que não padeça a fome eterna; e também lhe darei a beber meu Precioso Sangue para que não sofra sede eternamente.
    ● Antes de sua morte, virei a ele com minha amadíssima Mãe.
    ● Receberei benignamente a sua alma, e a levarei para a eterna alegria.
    ● E, tendo lá chegado, lhe darei a beber um trago singular da fonte da minha Divindade, o que não farei, absolutamente, a outros que não hajam recitado as minhas orações.
    ● Librarei do purgatório quinze almas de sua linhagem.
    ● Quinze pecadores de sua linhagem serão convertidos.
    ● Quinze almas de sua linhagem serão confirmadas e preservadas em graça.
    ● Faço saber que, se alguém, tendo vivido em estado de pecado mortal por trinta anos, recitar ou tiver a intenção de recitar estas orações devotamente, Eu, o Senhor, lhe perdoarei todos os seus pecados.
    ● E se tiver passada toda a sua vida fazendo a própria vontade, e estiver para morrer no dia seguinte, sua vida será prolongada.
    ● Defendê-lo-ei contra as tentações do demônio.
    ● Preservarei e guardarei os seus cinco sentidos.
    ● Preservá-lo-ei da morte súbita.
    ● Sua alma será livre da morte eterna.
    ● Obterá tudo o que pedir a Deus e à Santíssima Virgem.
    ● Terá assegurada sua participação no supremo coro dos Anjos.
    ● O que ensinar estas orações a outro terá contínua alegria e mérito por toda eternidade.
    ● No local em que estas orações são ou forem rezadas no futuro, Deus estará presente com sua graça.
    ● Cada vez que recitar estas orações, obterá 100 dias de indulgência.

    ResponderExcluir
  3. por favor, onde encontro esse livro, já procurei e não encontro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse link tem o livro. Veja!
      http://www.salverainha.com.br/downloads/Santa_Brigida.pdf

      Excluir
  4. ALGUÉM PODE ME EXPLICAR O JUÍZO? NÃO ENTENDI.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Juízo ficou para o próximo poste se não me engano.

      Excluir
  5. Muito obrigado pelas postagens, tenho aprendido muito!
    Saudações

    ResponderExcluir


  6. brigida@p-ol.com ( este endereço me deu textos completos sobre santa brigida )


    ResponderExcluir