segunda-feira, 4 de novembro de 2013

O calvário de Maximin

Maximin, vidente de La Salette
Maximin entrou no seminário diocesano, onde primou por sua seriedade e piedade.

O novo bispo de Grenoble, Mons. Ginoulhiac, grande amigo do governo e acérrimo opositor da aparição, como condição para ser ordenado impôs-lhe não mais falar do caso e silenciar o segredo para sempre.

Maximin respondeu em carta:

“Se Sua Excelência Mons. Ginoulhiac tem a intenção de me paralisar antecipadamente, de não me deixar nem agir, nem falar nem escrever, quando a minha missão de apóstolo de La Salette tornar-me-ia obrigatório fazê-lo, pense antes de me dar sua opinião. Tal intenção, presente em meu superior, seria um sinal positivo de eu não ter vocação. Deus não iria me dar uma vocação sacerdotal diametralmente oposta à vocação que me vem de Maria: a de difundir em todo lugar e sempre, segundo as circunstâncias, suas advertências a seu povo”.



Maximin, em foto de 1861
O bispo então expulsou-o do seminário. Maximin procurou estudar e trabalhar em Paris e Le Havre.

Mas onde ia, seguia-o uma série de maledicências e hostilidades de origem anticatólica ou eclesiástica liberal.

Tal murmuração espalhou ser ele inculto, estúpido, instável, bêbado e dissoluto.

Mons. Ginoulhiac não hesitou em escrever ao Ministro de Instrução Pública, anticatólico, acusando o vidente de “dizer um conjunto de mentiras voluntárias”.

O prelado se gabou de tê-lo banido do seminário como “ato de justa severidade” que o fez “cessar suas fantasias proféticas”.

O vigário de Saint Germain l’Auxerrois, famosa paróquia de Paris, escreveu um livreto acusando-o de viver em concubinato com sua mãe adotiva, piedosa mulher que por sinal, fora dirigida espiritualmente por São Pedro Julião Eymard!

Mensagens pessoais a políticos e eclesiásticos influentes

Maximin transmitiu mensagens pessoais para personagens importantes do tempo.

Ao conde de Chambord, pretendente legitimista à coroa da França, no sentido de dissuadi-lo de reinar.

Ao arcebispo de Paris, Mons. Darboy, a quem predisse que morreria fuzilado, como de fato o foi, pelos revolucionários comunistas da Comuna de Paris.

A Napoleão III, advertindo-o de sua próxima queda caso abandonasse o Papa, como acabou acontecendo.


Maximin alistou-se no corpo dos zuavos pontifícios, regimento de voluntários a serviço do Papa, mas a vida de caserna não correspondia ao seu ideal.

Em seus últimos anos de vida foi acolhido por uma família de Paris, até que esta perdeu a casa na revolução comunista da Comuna de 1871. Ele acabou dormindo ao relento, tendo, por isso contraído a doença que lhe provocou a morte.

Na mais extrema indigência, Maximin pediu a Mons. Ginoulhiac um albergue onde pudesse morrer dignamente.

Túmulo de Maximin, no cemitério de Corps
O prelado recusou o pedido.

O bispo, “turiferário do regime”, tinha sido recompensado pelo governo com a Sé primacial de Lyon.

O Bem-aventurado Pio IX nunca lhe concedeu a honra do cardinalato, que é outorgada ex-ofício a todos os arcebispos de Lyon.

Na miséria, Maximin entregou sua alma a Deus em sua cidade natal de Corps, em 1º de março de 1875, aos 39 anos de idade.

Deixou o exemplo de uma vida moral íntegra e uma indomável determinação em fazer a vontade de Nossa Senhora, acima da vontade dos homens.

Seu coração foi depositado na basílica de La Salette, e seu corpo no pequeno cemitério de Corps, onde jaz atualmente.


3 comentários:

  1. Maximin foi um grande Mártir, imolado com grande crueldade desde os 11 anos de idade. Desde o inicio das aparições o martírio dele durou cerca de mais ou menos uns 28 anos. A falta de Caridade dos inimigos de la Salette demorou todos esses anos para liquidar com a pobre vida dele; uma morte lenta e dolorosa, foi castigado por todos esses anos. Foi castigado sem nenhuma piedade. O doloroso e longo martírio dele nos ensina o quão grande e urgente é a prática da Caridade, pois o pecado contra a Caridade mata de forma cruel e muito lentamente, o que aumenta ainda mais os sofrimentos. Na Ladainha de Todos os Santos nós cantamos ou rezamos: "A Ira Tua, liberanos, Domine!" Ou seja, pedimos para que Deus nos livre de sempre e sempre estarmos castigando os nossos irmãos ou as pessoas que de alguma forma julgamos dignas de nossa reprovação e censuras. São João Apóstolo disse que quem "odeia seu irmão é um homicida", pois a falta de Caridade mata vagarosamente o irmão, o próximo, tal qual podemos notar na vida desse grande santo e mártir. Maximin, grande mártir da Mãe de Deus, ora pro nobis!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns pelo comentário..Deus te abençoe em sua missão.

      Excluir
  2. Com certeza agora esta coroado em gloria e interce por nos junto a Virgem Santissima!

    ResponderExcluir