quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Profundas concordâncias entre a Medalha Milagrosa e La Salette

Placa na Rue du Bac no local onde Nossa Senhora deu a Medalha Milagrosa
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Entre as aparições de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa (1830) e a de Nossa Senhora de La Salette (1846) há uma profunda unidade.

A ponto de uma ser continuidade da outra, dentro de uma cadeia de aparições que incluem a de Nossa Senhora de Lourdes (1858) e a de Nossa Senhora de Fátima (1917), para citar as principais.

Em La Salette, Nossa Senhora desenvolveu ainda mais o anúncio de graves castigos que viriam sobre a humanidade pecadora, que Ela tinha feito na Rue du Bac.

Santa Catarina Labouré, no dia 21 de abril de 1830, transpôs os umbrais do noviciado das Filhas da Caridade, na Rue du Bac, em Paris.

Ela chegou, sem sabê-lo, conduzida pela mão de São Vicente de Paula.

Primeira aparição: Nossa Senhora mostra que o mundo caminha para um desastre

Na noite anterior ao dia da festa de São Vicente, 19 de julho, Catarina ouviu uma voz que a acordava. Assim contou ela:

“Enfim, às onze e meia da noite, ouvi que me chamavam pelo nome: ‘Minha irmã! Minha irmã!’ Acordando, corro a cortina e vejo um menino de quatro a cinco anos vestido de branco que me diz: ‘Vinde à Capela; a Santíssima Virgem vos espera’.

Santa Catarina Labouré aos pés de Nossa Senhora
Santa Catarina Labouré aos pés de Nossa Senhora, na Rue du Bac, Paris
“Vesti-me depressa e me dirigi para o lado do menino que permanecera de pé. Eu o segui, sempre à minha esquerda. Por todos os lugares onde passávamos, as luzes estavam acesas, o que me espantava muito.

“Porém, muito mais surpresa fiquei quando entrei na Capela: a porta se abriu mal o menino a tocou com a ponta do dedo.

“E minha surpresa foi ainda mais completa quando vi todas as velas e castiçais acesos, o que me recordava a missa de meia-noite ....

“Por fim, chegou a hora. O menino mo preveniu: ‘Eis a Santíssima Virgem: ei-La’.

“Eu ouvi como um frufru de vestido de seda, que vinha do lado da tribuna, perto do quadro de São José, e que pousava sobre os degraus do altar, do lado do Evangelho, sobre uma cadeira igual à de Sant'Ana ...

“Nesse momento, olhando para a Santíssima Virgem, dei um salto para junto dEla, pondo-me de joelhos sobre os degraus do altar e com as mãos apoiadas sobre os joelhos da Santíssima Virgem...

Altar da aparição e cadeira onde Nossa Senhora sentou, na capela da Rue du Bac, Paris
Altar da aparição e cadeira onde Nossa Senhora sentou, na capela da Rue du Bac, Paris

“Ali se passou o momento mais doce de minha vida. Ser-me-ia impossível exprimir tudo o que senti. Ela disse: .... ‘Minha filha, o bom Deus quer encarregar-vos de uma missão.

“Tereis muito que sofrer, mas superareis estes sofrimentos pensando que o fareis para a glória do bom Deus ... Sereis contraditada, mas tereis a graça; não temais … Sereis inspirada em vossas orações...

“Os tempos são muito maus, calamidades virão precipitar-se sobre a França. O trono será derrubado.

“O mundo inteiro será transtornado por males de toda ordem. (Ao dizer isto, a Santíssima Virgem tinha um ar muito penalizado).

“Mas vinde ao pé deste altar: aí as graças serão derramadas... sobre todas as pessoas, grandes pequenas, particularmente sobre aquelas que as pedirem...

“O perigo será grande, entretanto não temais, o bom Deus e São Vicente protegerão a comunidade’”.

“Minha filha, eu gosto de derramar graças sobre a comunidade em particular. Eu a aprecio muito.

“Sofro porque há grandes abusos na regularidade.

“As Regras não são observadas. Há grande relaxamento nas duas comunidades.

“Dizei-o àquele que está encarregado de uma maneira particular da comunidade. Ele deve fazer tudo o que lhe for possível para repor a regra em vigor.

“Dizei-lhe, de minha parte, que vigie sobre as más leituras, as perdas de tempo e as visitas...

“Conhecereis minha visita e a proteção de Deus e de São Vicente sobre as duas comunidades. Mas não se dará o mesmo com outras congregações.

“Haverá vítimas (ao dizer isto, a Santíssima Virgem tinha lágrimas nos olhos). Para o Clero de Paris haverá vítimas: Monsenhor, o Arcebispo (a esta palavra, lágrimas de novo).

“Minha filha, a Cruz será desprezada e derrubada por terra. O sangue correrá.

Corpo de Santa Catarina Labouré na Capela da rue du Bac, Paris
Corpo de Santa Catarina Labouré na Capela da rue du Bac, Paris
“Abrir-se-á de novo o lado de Nosso Senhor. As ruas estarão cheias de sangue.

“Monsenhor, o Arcebispo será despojado de suas vestes (aqui Santíssima Virgem não podia mais falar o sofrimento estava estampado em sua face).

“Minha filha – me dizia ela – o mundo todo estará na tristeza.

“A estas palavras, pensei quando isto se daria. Eu compreendi muito bem: quarenta anos”, contou Santa Catarina.

De fato, em março de 1871, após se cumprirem os quarenta anos da aparição, na mesma cidade, estourou a primeira grande revolução comunista da História: a Comuna de Paris. O arcebispo de Paris Mons. Georges Darboy (1813-71) foi fuzilado pelos revolucionários.

Muitos outros religiosos foram martirizados, e inúmeras igrejas e palácios incendiados. E foi apenas o começo da Revolução Comunista.

Em 1917, o comunismo acabou tomando conta da Rússia desde onde espalhou seu erros pelo mundo, como Nossa Senhora advertiu em Fátima.


(Continua no próximo post)


Nenhum comentário:

Postar um comentário