quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Reconhecimento oficial do bispo: a aparição é indubitável e certa

Fortalecido pela acolhida favorável do Sumo Pontífice e da Cúria Romana, o bispo de Grenoble (foto ao lado) reconheceu oficialmente a apariçãode La Salette e fez publicamente seu elogio ao clero e aos fiéis.

Por isso La Salette é uma das raras aparições reconhecidas canonicamente pela Igreja.

No documento, chamado Mandamento, de proclamação da autenticidade da aparição, Mons. Bruillard (foto), após fazer o histórico dos fatos e das indagações canônicas, diz:

“Art. 1: Nós julgamos que a aparição da Santa Virgem aos dois pastores, em 19 de setembro de 1846, sobre uma montanha da cadeia dos Alpes, situada na paróquia de La Salette do arciprestado de Corps, traz consigo todas as características da verdade, e que os fiéis têm fundamento para crer nela como indubitável e certa.

“Art. 2: Nós acreditamos que este fato adquire um novo grau de certeza em virtude do concurso imenso e espontâneo dos fiéis ao lugar da aparição, como também pela multidão de prodígios que têm dado continuidade ao dito acontecimento, prodígios dos quais é impossível pôr em dúvida um muito grande número sem violar as regras do testemunho humano.

“Art. 3: É por isso que, para testemunhar a Deus e à gloriosa Virgem Maria nosso vivo reconhecimento, nós autorizamos o culto de Nossa Senhora de La Salette. Nós permitimos pregá-lo e tirar dele as conseqüências práticas e morais que emanam desse grande acontecimento. (...)

“Art. 5: Nós proibimos expressamente aos fiéis e aos sacerdotes de nossa diocese sair a público, de viva voz ou por escrito, contra o fato que nós proclamamos hoje, e que desde agora exige o respeito de todos. (...)

“Nós vos conjuramos, meus bem-amados irmãos: tornai-vos dóceis à voz de Maria que vos chama à penitência, e que, da parte de seu Filho, vos ameaça com males espirituais e temporais se permanecerdes insensíveis às suas advertências maternais, e se endurecerdes vossos corações”.

Carta Pastoral exorta clero e fiéis a seguir La Salette

Em 1º de maio de 1852 o mesmo prelado publicou Carta Pastoral que retomava os temas essenciais da mensagem de La Salette:



“Não é em vão – escreveu – que a Mãe de Misericórdia dignou-se visitar os filhos dos homens.

Santuário de La Salette
Santuário de La Salette
“Não é em vão que diante das desordens que excitam a cólera de seu Filho, Ela veio de alguma maneira se refugiar nas nossas montanhas, derramar lágrimas, advertir-nos dos castigos que nos estão reservados se não nos convertermos, relembrar-nos do temor de Deus, do respeito pelo seu Santo Nome, da santificação do domingo, da observância de todos os Mandamentos de Deus e de sua Igreja.

“Palavras descidas do alto devem ter um imenso eco e ser ouvidas por todas as nações (...)

“Lembrai-vos da época em que Maria apareceu sobre a montanha de La Salette. Esta aparição, em 19 de setembro de 1846, não foi como o prefácio dos maiores acontecimentos? Vede as agitações populares, os tronos derrubados, a Europa abalada, a sociedade no despenhadeiro de sua ruína.

“Quem nos preservou, quem há de nos preservar ainda de maiores desgraças, senão Aquela que, vindo do alto, desceu em nossas montanhas para aqui fincar de alguma maneira um sinal de reunião e de salvação, um faro luminoso, uma serpente de bronze em relação à qual as almas piedosas têm elevado os olhos para afastar a ira celeste e nos curar de feridas incuráveis?”

Na mesma Carta Pastoral, Mons. de Bruillard ordenava a construção do Santuário que hoje se ergue no local.

Nenhum comentário:

Postar um comentário