domingo, 22 de maio de 2011

Nossa Senhora mudou de idioma para ser melhor entendida pelos videntes

Mélanie dois anos depois da aparição
Quando Nossa Senhora indicou aos videntes que as colheitas se estragariam em sinal do cumprimento da profecia, incluindo as batatas, Mélanie não entendeu a palavra batatas, pois Nossa Senhora falava em francês.

As crianças não o entendiam bem, pois no dia-a-dia usavam o “patois” da região, um dialeto do francês misturado com muitos particularismos regionais.

Nossa Senhora percebeu a dificuldade e disse:

“Ah! vocês não entendem o francês, meus filhos. Vou vos falar de outro modo”.
E seguiu retomando em “patois” o que já tinha dito.



Então Maximin exclamou:
“Oh! não, minha senhora, isso não pode ser verdade!”.
“Sim, meu filho, você vai ver.”
E prosseguiu seu arrazoado:


Maximin dois anos depois da aparição“Que aquele que tem trigo não o semeie, senão os animais vão comê-lo. E se ainda brotarem alguns pés, na hora de batê-lo ele vai se desfazer em pó.
“Virá uma grande fome. Antes que venha, as criancinhas de menos de sete anos apresentarão um tremor e morrerão nos braços das pessoas que as cuidam. Os maiores farão penitência com a fome.
“As uvas se estragarão e as nozes se arruinarão”.
Enquanto fazia estes dolorosos anúncios, Nossa Senhora não cessava de derramar abundantes lágrimas.

Estes anúncios cumpriram-se fielmente na hora da colheita e serviram como prova da autenticidade da aparição e do segredo que Nossa Senhora comunicou naquela ocasião.

Nenhum comentário:

Postar um comentário